sexta-feira, 26 de abril de 2013

Um roubo de igreja com direito a Capelão.





De acordo com as declarações proferidas pelo treinador do SLB, Jorge Jesus, após o fim do jogo com o SCP, o resultado do derby regional entre as equipas mais emblemáticas da capital portuguesa foi “limpinho”, (e digo regional já que a nível nacional teria sempre que existir o FCP), ora para quem assistiu em direto pela TV ou ao vivo no estádio da Luz, e tenha capacidade suficiente de isenção para fazer juízes de valor honestos, o treinador em causa decerto que se estará a referir somente à forma como os dois golos do SLB foram obtidos, pois neste particular de facto nada haverá a assinalar contra.




Todavia, para a mesma pessoa em causa e respetiva família benfiquista, à qual podemos acrescentar vários órgãos de comunicação social da mesma cor clubista, e alguns arautos da verdade desportiva que por cá gravitam, estranhamente, ou talvez não, no ano passado quando o FCP também por lá passou e conseguiu um resultado que lhe permitiu ser campeão, se bem que o lance capital do jogo tenha sido precedido de um fora de jogo não assinalado, não tiveram verecúndia nem titubearam na proliferação de uma campanha instrumentalizada, contra a equipa de arbitragem e as hostes azuis e brancas.

Ora, se nos debruçarmos bem e fizermos uma análise rigorosa, isenta e valorativa sobre os lances capitais do jogo da Luz, facilmente chegaremos à conclusão que pelo menos ficaram por marcar duas grandes penalidades contra o SLB, originando numa delas a consequente expulsão de Máxi Pereira, já para não falar dos inúmeros lances de faltas cometidas que não foram assinaladas a favor do SCP em zonas proibidas do campo, e que poderiam gerar oportunidades de golo eminente, e que, ao não serem objeto de atenção por parte do árbitro, ainda proporcionaram contra-ataques perigosos a favor do SLB.

Por tudo isto, só me resta dizer que, se Jorge Jesus afirmou com o seu toque característico que o resultado foi “limpinho”, numa tentativa fracassada de branquear o que toda a gente viu, então eu só poderei dizer face aos acontecimentos atrás referidos, que o resultado final também foi no mínimo “porquinho”, pois se tratou de um autêntico roubo de igreja com direito a um Capelão em campo e tudo, para que nada carecesse ou falhasse naquele jogo, resultando daqui a eventual construção de um campeão encomendado.

Por: Natachas.

Enviar um comentário
>