terça-feira, 28 de julho de 2015

Voto vencido

#Liga #benfica #Sporting #Joker

…D’ano repetente
Por lá ter chumbado!
Tem-se por trocado
No actual presidente!

Porqu’o anterior
Ainda qu’estudioso
Não era zeloso
Sobr’o superior!

Aceitava instruções
E mais directivas!
E nas “executivas”…
Faltav’às reuniões!?

Era corpo presente
Até na votação!
Pois qu’a “nomeação”
Já lh’estava assente!

Ele tinha lido
Tod’os “pareceres”
E nesses poderes…
Já estava vencido!

E mesmo tend’o seu
Não o mostrou a tempo!?
Por se ter mais lento,
Ou porque não deu?

Pois tem lá razão
No futebol mandar
Quem o faz jogar
Na sua competição?

Não têm voto
Para decidir?
Têm que dividir
A decisão com outro?

C’o enfermeiro?
C’o árbitro e médico?
Só falta, por ético
O voto do roupeiro!?

Mantém-se tudo igual
Ao do passado ano?
O Vítor é soberano
Pr’a escolher o “tal”!

O “mais bem preparado”
Pr’o jogo em concreto!
E o “mais correcto”
Árbitro nomeado!

Pois com’o Vitória
Diz de sua justiça!
Não elege a equipa
C’o base aleatória!!

Está pois muito certo
Na sua defesa
Pois tem a certeza
De ser muito esperto!

Ele a escolher
Não quer o sorteio!
Pois lhe sab’o meio
De poder perder!

Pois sem garantia
De vir o Capela
Sem o senão, a bela
Tem mais pontaria!

E quem os elege
Tem observadores…
Que são os melhores
Pr’a quem os protege!!

Nada pois, mudou
A não ser na Liga!
O Marco qu’o diga
Porque não ficou!?

Vejo no seu mural
Várias acusações
Mas de televisões…
Falta-lhe canal!

Já que não interessa
Pois mexer no lixo!
E o sistema é fixo
Nomeado à peça!

Pra quê contratar
Pois mais jogadores!
Se têm os melhores
Prontos a nomear?

Basta-lh’o Pereira
Par’a Federação!
Pois a votação
Teve-se por cimeira!

“O futebol português
É o vencedor”!!?
E o árbitro do andor
Escreve-o outra vez??

Sendo conhecido
Por marcar, sem falta
Pénaltis à farta…
Pr’ seu clube querido???

Vamos pois, jogar
C’a nomeação à perna!
C’a nomeação alterna
Quem o vai apitar…

E pra disfarçar
Mudam-se os critérios
E agora vão os sérios
Até s’esgotar…

E depois, escolhido
No momento exacto!
O Capela é um facto!!
E sem voto vencido…

Por: Joker

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Chumbo!

#Benfica #Árbitros #FCPorto #Sporting #Joker

Não faz os deveres
Levados pr’a casa!
E assim não passa!!…
“Não basta, saberes!”

É preciso “estudar”
Pr’a ter boas notas!
“Só assim denotas
Que queres passar!”

“Olh’os pareceres
Dos jurisconsultos!
Não são apenas cultos
Têm maiores saberes!”

“A vida é dura
E tens que lutar!
Mas, olh’o lugar
Qu’a oportunidade augura!”

“Mantêm-te atento
Às “boas decisões”
E nas votações
Vota mais ao centro!”

“E se por lá surgir:
Conflitos legais!?
Lembra-te que mais
Não é subtrair!”

“Assim não tens futuro
S’atentas ao poder!
Queres enriquecer
Sem ter um pelouro?”

“Vê pois, a maré
Pr’a que lado vaza!
E s’os da casa
É que batem o pé…”

“Vota em maioria!
Nunca contr’o árbitro!
Pois é dele o Hábito
Maior da confraria!”

“E se forem todos
Maior a razão!
C’a nomeação
É que dá bons-modos!”

“Se vires um Capela
Ou um Jorge Ferreira!
É do Vítor Pereira
A maior tutela!”

“E jamais proponhas
O sorteio na Liga!
Pois é moda antiga!
Não passes vergonhas!!”

“Sabes o resultado
Da tua inexperiência!?
Querias ter ciência
Sem deteres “Mestrado”?

“Estuda a tabuada
Com maior afinco!
Que já não falta muito
Pr’a primeira jornada!”

“Estuda as leis do jogo
Que vais ser nomeado!
Mas se fores chumbado
Pelo pedagogo?”

“Faz pois, o serviço!
A tua obrigação!
Desces de divisão
Se não sabes d’ofício!”

“Estuda, faz-te árbitro!
Se queres ter carreira!
Não caias na asneira
De ser catedrático!”

“Mas apita “bem”…
Pr’a seres nomeado!
Já que sorteado…
Não serás ninguém!”

“Escut’o bom parecer
De quem te ligar:
Se quiseres passar!!
Tens que aprender…”
 
 
Por: Joker

sábado, 25 de julho de 2015

À descoberta d’América

#Benfica #América #Joker


Já conhecem o benfica
Lá nas terras do tio Sam!
What? Who? Where? Ahn?
Quem é que lhes explica?

É campeão nacional!
No futebol português!
E no Guiness, tem a vez
Do maior clube mundial!!

Ahn? Diz o entrevistado!
O maior do mundo inteiro?
E em Portugal, o primeiro?
E aqui, sem ser notado?

Não era outro português
A vir aqui ao torneio?
Que se negou, ao que creio…
E deu ao benfica a vez?

Ah, pois é tem razão
Er’o Porto que cá vinha
Mas é equipa comezinha
E nem sequer, campeão!

E porque foi o escolhido
Pr’o torneio dos campeões?
É uma destas confusões
Ver o benfica aqui metido!?

S’ele foi o campeão
Era pois, muito mais certo
Ser a equipa do ceptro
Aqui jogar à condição!?

Os critérios, desconheço
Mas é estranho convidar
Quem na champions, foi lucrar
Muito mais qu’este preço!?

E na emenda de mão
Foi-se convidar a entidade
Mais que por solidariedade
Por profunda atenção!

É que nada vendendo
Este dinheiro é sagrado!
E o futebol jogado…
É sempre’a subir em crescendo!!

Depois do primeiro jogo
Contra aquela segunda equipa
Já se vai ver o benfica
A justificar este prólogo!

Vai ser long’a corrida
De Toronto a Monterrey!
C’o benfica, lá eu sei
É uma equipa conhecida…

Tanto mais c’o troféu
Do Eusébio é jogado!
E o estádio, inaugurado
C’a equipa que cedeu…

Er’a pois outr’o desejo
Do adepto mexicano…
C’o benfica? C’um catano!
Qu’este jogo eu não o vejo!!

Tem-se pois descoberto
O benfica em Nova Iorque!
E na entrevista, o mote:
O americano boquiaberto…

Hum? Hum?
Por: Joker

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Reclamação

#FCPorto #Museu #PintodaCosta #Joker

Todos do mesmo se queixam
Em pasquins e outros canais
Qu’eles pobres, queriam mais!
Mas sem dinheiro, não deixam!

Queriam comprar uma truta
Um treinador mais experiente
Vender só um, por contente!
Para c’o isto dar mais luta…

E nisto sucede-se o choro
No “zarolho”, no “magriço”
Pois alertando, com isso…
Que está no norte, o tesouro!!

E ainda neste defeso
Se atingiu outro recorde
E nisto há quem s’incomode
C’os “salários de peso”…

Qu’o orelhas não se cala
Por sua boca e recados (mas)
Os árbitros por culpados
É coisa que não o rala…

A preocupação é do guito
Qu’os outros gastam a mais!
E no mundo dos capitais
O campeão não é d’apito!

Muito se fala e s’escreve
Donde virá o “petróleo”!?
Qu’isto é um oligopólio
Qu’em Portugal se não deve…

Por isso vem o “El País”
E as TVs da velha Espanha!
Pois o Casillas não ganha
O que ganhava, e é feliz!?

Há pois, algo d’errado
Na entrevista à espanhola!
Esse corrupto da bola…
No “El País” não é culpado?

E se nem espanhol fala
Para qu’o querem ouvir?
Em “portinhol”? É pr’a rir!
Uma imprensa tão “mala”!!

Por: Joker

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Ódio d’estimação

#FCPorto #Casillas #Mourinho #Joker

Tem sempre razão
Por ser especial!
E no dom natural
Dá-nos novo sermão…

Homem competente
E melhor treinador
Não é gastador!?
E viv’à tangente!

Num clube inglês
De magnata russo
Gere-se a pulso
O dinheiro burguês?!

Não se gasta a rodos
Em contratações!
Uns quantos milhões…
C’o sol nasce pr’a todos!

E se foi campeão
Por essa Europa fora
Nunca como agora
Tem-se em contenção!?

E dá como exemplo
Um país falido
Que estando vendido (mas)
Compra com aumento!?

E nas transações
Feitas p’lo Porto
Vinca-se-lh’o desgosto
Por se gastar milhões!?

E pagar um absurdo
Num só ordenado
A um pré-reformado
Já fora-de-uso!?

Qu’ele é que sabia
Quando lá o treinou…
E nunca se lhe pagou
O qu’ele merecia!!

Pois o especial
Er’o treinador…
E ter um jogador
C’o vencimento igual?

E a ganhar demais
Pois jogou pouco!
Qu’ele não é louco
A gerir capitais!!

Daí, a preocupação
C’o estado do país
Que por aí se diz
Em liquidação!

Quando em Castela
Tudo era diferente!
E a crise, ausente…
Pura bagatela!!

Pagava milhões
Para ter a “nata”
E a Espanha, farta
De tantos cifrões!?

Daí que s’entenda
A velada crítica
Que não é política
Mas sim, d’encomenda!

Visa um propósito
Muito mais concreto
Qu’ele por “correcto”
Não se tem por lógico:

Que mesm’a milhas
Não esquece a “Nação”!
Num ódio d’estimação
Chamado Casillas!

Por: Joker

quarta-feira, 22 de julho de 2015

O pistoleiro

#Joker #Sporting #FCPorto

Desd’os tempos da Legião
Que não havia pistoleiro!
Um presidente ou roupeiro
Nesse clube do Leão!

Em qu’a arma cintilava
No punho ou à cintura
E s’usava com cultura
N’árbitro que calhava…

É célebre essa “jogada”
No intervalo c’o Atlético
Em qu’o Mota, já colérico
Na cabine a apontava…

E depois da intervenção
Já do Mota sobr’o jogo
O árbitro, por desafogo
Deu a vitória à Legião!

E na cultura desse clube
Serviram mais legionários
Que leões, são legatários
Dessa ciência da urbe!

De pistoleiros não sei
Desd’os idos do regime
Mas de polícias de filme
E doutros fora-da-lei

É uma constatação
Do assalto ao peculato!
Um anterior candidato
A presidente e ladrão!?

Que nist’o corolário
Tenha de vir do estrangeiro
Pois, o novo pistoleiro
Tem semblante de sicário?

Nessa pinta de matador
Reitera-se a tradição
Dos tempos da Legião:
A vitória no indicador!
 Por: Joker

terça-feira, 21 de julho de 2015

CONVERSAS DE DEFESO

#Joker #FCPorto #benfica

Muito se tem escrito – resmas e resmas de páginas virtuais – sobre a política de contratações do F.C.P neste defeso. Uns que sentem entusiasmo pela vinda de jogadores da estirpe mundial de Iker Casillas, outros que, feridos no seu orgulho, gritam o anátema da contratação de Maxi Pereira.

Para tudo e para todos, há argumentos válidos e falaciosos. Quem não se sente não é filho de boa gente, costuma-se dizer. A vinda do Maxi gerou a maior das controvérsias, pois entende-se que este é tido como um dos maiores símbolos do anti-portismo, ostentado pelos seus oito anos de águia ao peito. Um jogador com os defeitos (e qualidades) do Maxi, não pode gerar consensos: quem o tem por defensor, sabe-o um jogador abnegado, combativo, totalmente entregue à causa que defende; quem o tem na sua voz crítica, toma-o por um jogador rasteiro, faltoso, trapaceiro e quase ostensivo de toda a falta de ética desportiva. No meio estará a virtude deste jogador, creio, porque enquanto se lhe podem assacar as características de jogador faltoso, não se lhe podem negar as qualidades de um verdadeiro jogador de equipa e de um lateral moderno na forma como ataca e defende em todo o corredor direito. Compreendo algum mal-estar pela sua contratação, na égide alguns portistas, mas entendo que sob o ponto de vista estritamente desportivo, o Maxi Pereira se vai consagrar como uma contratação acertada.

É fácil perceber, contudo, que para alguns portistas a contratação do Maxi, assim como a contratação do Casillas ou a do Imbulla revelam, mais que uma política concertada e devidamente sustentada numa estratégia de fundo, uma espécie de roda-vida, pela desorientação revelada na política desportiva da SAD do F.C.P ao longo dos últimos dois anos. O facto de não se ganhar teria levado essa mesma SAD a uma espécie de experimentalismo exacerbado, para se reencontrar numa nova fórmula de sucesso. No seu dizer, a orientação primária do clube aos escalões de formação, aposta estratégica do clube, falhou. Ter-se-á, posteriormente, adoptado uma política de recrutamento interno, assente na aposta num treinador jovem português – que se revelou desastrosa – passando-se depois, para uma política de vale-tudo, onde a mistura entre promessas internacionais por valores inflacionadíssimos, e a chegada de jogadores (de renome) para uma espécie de reforma dourada no clube, se juntou a contratação de um jogador que, por ser quem é, veio incendiar esses ânimos, por sistema e natureza, já de si exacerbados…

Entenda-se que se as vitórias, no passado, já eram em si, geradoras de críticas, o que podia esperar pelo percurso de duas épocas sem vitórias? Há muito que frequento a net como ponto de encontro para a discussão de ideias entre portistas. Desde essa já longa data que noto, registo e sei, que para determinada ala portista, as vitórias desta administração nunca terão um reconhecimento integral, e as derrotas por si, serão devidamente empoladas a fim de se consagrar uma visão alternativa, e quiçá mais purista, de um modelo de clube que “respeite e salvaguarde as suas origens”…

Esta falácia sobre as origens do clube, e mesmo a discussão anacrónica sobre aquilo que possa ser – ou ter sido – “um jogador à Porto”, serve, muitas vezes, como arma de arremesso contra um determinada estratégia de clube e SAD que não coincide com a sua visão e vontade. Para estes portistas, porventura em nome de uma maior “pureza” de princípios, a honra, ou o seu maior conceito de honra, prevalece ou deve prevalecer sobre os fundamentos de crescimento da própria instituição. O Porto do passado, das suas origens, é mais revelante que um determinado conceito formatado pela força das ocorrências. O Porto gerado por esta administração, quer se goste quer se não goste, é um Porto de natureza mundial, um clube que, de há muito, rompeu as muralhas fernandinas da sua fundação. O Porto do presente não creio que renegue esses seus fundamentos do passado, mas servindo-se deles e bebendo desses princípios, soube potenciar-se como um clube de excelência, de recorte mundial, e só por isso, porventura, jogadores como Iker Casillas preferem passar os seus anos de “reforma dourada” aqui, em vez de irem para as Arábias…

Brincadeiras à parte, o que se tem à vista neste defeso é um arrumar da casa. Uma determinada visão de “mística” foi substituída por outro vector de influência. Um jogador que fala em nome de um colectivo para se fazer sobressair perante o mesmo, tem uma fórmula muita própria, e individualista, do conceito de mística. A mística pressupõe a ética, e integra o todo; não o divide! Ainda que Lopetegui (ou lá como o quiserem chamar) seja o pior treinador do mundo, numa coisa sei-o correcto: uma andorinha nunca fez a primavera!

O Porto realizou já, na pendência deste defeso, cerca de oitenta milhões de euros, brutos, em transacções de passes de jogadores. Perante esta realidade a que mais nenhum clube português acede – nem de perto nem de longe, da forma consistente e sistematizada como o Porto o faz – como se deveria protagonizar a nova política desportiva do clube/SAD? Reduzido o passivo, apostando em valores da formação e projectando um futuro, a médio prazo, de conquistas, ou reinvestindo parte desse valor em jogadores de garantias, para se projectar vitórias num presente próximo? Bem sei que as contas são fundamentais num projecto desta natureza, mas ao Porto, a este Porto, nada menos se pede do que vitórias! Conheço grandes clubes do passado – Ajax, Anderlecht, AC Milão, Inter, Liverpool, United, grande parte dos grandes clubes de leste, ou mesmo o Lyon num passado recente – que hoje nem aspiram a ser relembrados como tal. Fora do protagonismo da CL, a tendência cada vez maior, é os grandes clubes reforçarem o seu estatuto e os de média estatura, que lá se podem aguentar, continuarem a nadar entre esses tubarões. E enquanto se nada, vai-se na onda…


Por: Joker

segunda-feira, 20 de julho de 2015

À atenção do FCP


Durante várias décadas o clube azul e branco teve o condão de saber liderar a hegemonia do futebol português, hegemonia essa que teve o seu lançamento nos tempos de José Maria Pedroto, que com a carismática liderança de Pinto da Costa iniciaram em conjunto um ciclo vitorioso sem precedentes no nosso país, muito ao invés do que tem acontecido com o SCP, que praticamente no mesmo período de tempo, esteve quase sempre arredado dos principais títulos em Portugal e que neste momento se prepara para relançar esse desiderato, ao apresentar-se este ano como um sério candidato a vencer todos os títulos em disputa, pelo menos parece ser esse o principal objectivo da Direção do SCP, ao contratar contra todas as expectativas JJ ao SLB, reforçar-se com alguns jogadores de renome sem fazer muitos estragos na sua atual equipa, e fazer retornar ao clube individualidades de renome e carisma leonino como Otávio Machado e Manuel Fernandes, que no entanto, só o tempo e principalmente os resultados desportivos ditarão se foram boas ou más escolhas para o clube de Alvalade, independentemente das suas capacidades profissionais e desportivas. 

Neste enquadramento, se o FCP quiser continuar a ser o clube português e mundial que melhor tem sabido tirar partido das melhores transações de jogadores e de mais-valias, se quiser retornar com pujança à liderança do clube em Portugal com mais títulos conquistados, com o melhor modelo de gestão e organização desportiva, e ainda, com o maior poder financeiro para continuar a contratar jogadores de topo, sendo hoje todo este projecto desportivo objeto de uma profunda análise e imitação de muitos outros clubes no estrangeiro e a nível nacional, e afirmo isto mesmo correndo o risco de saber que muitos dos leitores que irão ler esta crónica, certamente que terão toda a liberdade para discordar deste princípio de raciocínio, tendo em conta o que se passou, ou não, com o famigerado “Apito Dourado”, que apesar de nunca se provar a culpabilidade do mesmo em termos jurídicos, continua a manifestar-se fora do reino do dragão como um argumento de arremesso de responsabilidades, sempre que é preciso justificar os fracassos dos nossos adversários, como se tudo o que se tenha passado, ou não, tenha por direito próprio de perdurar para sempre no tempo como uma desculpa esfarrapada por quem não tem capacidade de resposta para contrariar e justificar as vitórias do FCP, ou então, as últimas afirmações do árbitro Marco Ferreira também teriam que ser esmiuçadas até às últimas consequências pela gravidade que as mesmas se pronunciaram na praça pública, mas na realidade na comunicação social, o que se tem visto sobre esta matéria é uma espécie de amnésia total com todo o sentido do encobrimento absoluto do facto, como se nada se tenha passado para aqueles lados, mas certamente se fosse ao contrário estaríamos já em cena com um enorme romance à volta do acontecimento, situação para a qual já estamos habituados ao longo dos anos, e à qual damos como resposta cabal a conquista de mais títulos.

Ao pretender chamar a atenção do FCP para o atual panorama do nosso futebol, prende-se essencialmente com o facto de os nossos eternos rivais de Lisboa se prepararem para tentarem contrariar a hegemonia do FCP nas quatro linhas, ou não, não que os mesmos não tenham o mesmo direito por também se configurarem como dois grandes clubes que são de facto, mas na verdade, tendo em conta toda a forma como têm ultimamente gerido os seus clubes, não será difícil perceber que o método de gestão que utilizam no momento passa muito por uma cópia em forma de plágio recôndito do que tem sido exibido pelo FCP nestes últimos anos, razão pela qual o FCP deverá preparar-se para o impacto que aí vem, pois se não estivermos devidamente atentos e nos desviarmos nem que seja um milímetro da mesma linha de raciocínio, se não estivermos sempre num processo evolutivo e sempre acima dos nossos eternos rivais, podemos ser igualados ou até ultrapassados pois vontade não lhes falta.

Por: Natachas.


sábado, 18 de julho de 2015

Jogador à Porto?

#Benfica #FCPorto #Maxi #Joker


Um jogador à Porto?
Questiona-se o Zé…
Tem que meter o pé (mas)
Sem maldade no corpo!

Não é um trapaceiro
Apesar de ser viril
E usa o corpanzil
Com um vigor certeiro!

Não dá muita pancada
Mas pode ser faltoso!
Pois é só vigoroso
Em qualquer entrada!

E nunca de pés-juntos
Pois nisso com’a “relva”
Não é à lei da selva
Que conquistamos pontos!

Exemplos do que fala?
O Alves e o Costa!
E o tanto qu’ele gosta
“Vestir a camisola”!!

São poucos os exemplos
D’entrega, abnegação!
Mas o Paulinho, não!!
Que lhe estrag’os argumentos…

E tudo para quê?
Só para ter razão
Que lá na “Reflexão”
Não lhes falta QI!

São todos geniais
Nas suas convicções
Não queriam ser Dragões
Por serem animais!

Queriam ser Andrades
Pr’a respeitar a história
Daquela nossa glória
Das suas “mocidades”!

E nisso são convictos
Na escolha do futuro
Que nisso não os censuro
Como eles, os meus escritos!

Pr’a todos há lugar
Nas nossas convicções!
Mas ter comparações
Sobr’o modo d’estar?

À Porto, um futebolista?
Aquele pois, que vença!
E se por mais, convença
O Zé, na sua lista!?…


Por: Joker

Lápis azul

#FCPorto #Joker

Dizia-se qu’António Ferro
No tempo da outra senhora
Usava caneta e tesoura
Pr’a corrigir qualquer “erro”

Eram tempos de censura
A que obrigav’o regime
Ond’o escrever era crime
Nessa palavra em clausura!

O pensamento qu’é escrito
Tem um valor qu’o transcende
E se publicado, “ofende”
O ditador, é ilícito!

Daí qu’o “lápis azul”
Seja por isso lembrado
Com’o método usado
Pel’o censor no curul!

Hoje, anos passados
Desd’a égide democrática
Não se perdeu tal prática
Em comentários “riscados”!

O “lápis azul” é sistema
Em tal blogue de “portismo”
Um reflector de cinismo
Na provocação por esquema!

Ms na resposta devida
Apagam os comentários…
Não os publicam, otários!
Pela razão lá contida!

E na defesa do grupo
Vem o Silva pelo Zé
Que provocando, dá ré
Nesse sistema corrupto!

E granjeados na razão
Qu’a censura sempre dá!?
Reflexão? É no que dá
O lápis azul na mão!

 Por: Joker

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Euforia?

#Joker #Benfica #Romaria

É grand’a euforia
Pr’os lados da luz
E até o Seixal seduz
Como romaria!

Mas olhando ao perto
Não se vê a truta
E a equipa é curta
Nesse campo “deserto”

Só lá andam glórias
Dum passado recente
E nesse “mar de gente”
Há ânsias contraditórias…

Mesmo qu’a propaganda
Indique a “calmaria”
Sente-se qu’a alegria
Já está na Holanda!

Tudo se justifica
Pr’a não se comprar…
Qu’o que está a dar
É o que por lá fica!

E da Academia
Virá a solução
Pr’a esta contenção
De barriga vazia…

Pois desde qu’o Fundo
Foi lá resgatado…
Já só d’atacado
Lá se compra ao Mundo!

Seja de Marrocos
Ou venha da China
Não se vai o Lima
E o Jonas, cachopos!?

Em nome da Mística
Fic’o Luisão
Pela contenção
Já como política!

Não precisam vender
Para darem lucro!
Pois que tod’o puto
Não pára de render!

Já são aos milhões
Que dá a Academia!
E em tal alforria
Nem se vê os grilhões?

Está tudo parado
Ali pr’a benfica…
S’até Jesus se fica
Por lagarto pintado?!

E deixar o Pereira
Abalar pr’a norte?
É como dar à morte
A própria dianteira…

Já não há milhões
Para s’investir?
Não dá pr’a cobrir
Mais contratações?

Já não há o BES
Como financeira?
E só a bilheteira
É que chega pr’os B’s?

E essa TV
Não cobre o orçamento
Quase a cem por cento
No que lá se vê?

Acabou-se a mama
Desse descoberto?
O banco mais perto
Já disso reclama?

Não há mais capital
Pr’a investir na luz?
Se da marca se diz
A maior de Portugal!?

S’até os Emiratos
Por lá investiram
Por que de lá fugiram
Os bancos, por ratos?

Não há uma truta
Nesse grande plantel
Mas há o Jardel…
Que no Seixal, dá luta!!

E vind’o sorteio
A sorte é um dado!
Já não há resultado
Garantido em cheio!

Já não há Capela
Feito a convite!
E nesse despique
Não haver tutela!!

Há pois, euforia
Pr’a inglês comprar
E do Gaitán, lucrar
Como única via…

E depois comprar
Uma média truta!!
Para já dar “luta”
E o “Seixal”, fechar…

Por: Joker

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Gelados na testa

#benfica #Monaco #Aldrabice  #Joker

De gelado na testa
Vej’a transferência
Com tod’a transparência
No valor que resta?

Vendido por quinze
Só saiu por três?
Se n’A Bola lês
Que valor atinge?

É a propaganda
Em tod’o esplendor!
Falta-lhe o pudor
No que lá “s’engana”!

Falando em gelados
Vi chegar o Máxi
A sair dum Táxi
Junto aos relvados

Verdes, da Holanda
No local do estágio!?
Não será um plágio
Qu’o emplastro manda?

Será mesmo verdade
Que vest’a camisola?
E vai jogar à bola
Pois, até qu’idade?

O número do João
Qu’ele tem no verso?
Que dele não m’esqueço
Nesta contratação!

Mas agora que veio
Há qu’o reconhecer
No qu’o rival, ceder
O Máxi é esteio!

É um rude golpe
Pr’a quem o perdeu
Um jogador, que seu
Tudo dará, ao Lope!

Eu sou diplomata
E que nisso se prove
Na prova dos nove:
Persona non grata?

Que niss’o Capela
Não vai perdoar…
E nisso, expulsar
O Máxi, por tabela!

A expulsão directa
Depois d’oito anos
Indemnizand’os danos
P’la sua careta!

E como prebenda
O Jorge Ferreira
Puxar d’algibeira
O fim dessa lenda…

É muito gelado
Pr’a esta pré-época!
E muito mais testa
Pr’o novo avançado…

Lá vem o “desejado”
Que queri’o benfica!
Mais uma desdita…
E na testa, o gelado!    


Por: Joker

terça-feira, 14 de julho de 2015

ORGULHO

#joker #FCPorto #Casillas #RealMadrid

Ver-me nessa emoção
Ao ver essa despedida
Dessa “lenda viva”…
Atingiu-m’o coração!

E um orgulho desmedido
Por ver essa referência
Em plena conferência
Ter o Porto por escolhido!

Um misto de sensações
Da incredulidade à certeza
Por ter nessa baliza
Esse ídolo de milhões!!

Já ouço vozes lá fora
E algumas ouço cá dentro
“Fora dos postes é lento
E nos cruzamentos, demora…”

Qu’é tudo Marketing
Esta transferência
Pr’a dar “audiência”
Ao novo “merchandising”!

E pr’a se procurar
O novo patrocinador
Pois este jogador
Já dá a lucrar!

O que quer que seja
É uma realidade!
E veja-se, é verdade:
No topo, a cereja!!

Estamos a construir
Uma Senhora-Equipa
E o mundo não acredita
No qu’ainda está por vir!

Agora qu’a atenção
Do mundo está no Porto
Qual o lugar deserto
No Estádio do Dragão?

Perdoem-me o orgulho
Como pecado mortal
Mas há em Portugal
Outra notícia, em Julho?…


Por: Joker

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Riqueza

#Benfica #Record #Mendes #Joker

Campeões do fair-play
Vendem mais em bolsa
Que ninguém nos ouça
Se estão fora-da-lei

Cumprem com rigor
As indicações da UEFA
E se devem à cabeça
No banco há credor!

E se nem precisam
Vender jogadores!?
E se vão aos contentores
Nem sequer os liquidam!

São um clube rico
Sem equiparação!
Só lhes faz confusão
O Porto não estar aflito…

Falam dos milhões
Qu’os outros já gastam
Qu’eles lá s’agastam
Das contratações!?

Estão preocupados
Só com o rigor…
Não lhes vá o andor
Perder-se nos sorteados!

Qu’isto sem o Pereira
A bem nomear
Como vão ganhar
Na razão financeira?

Estão muito tranquilos
Diz o Administrador
Por qu’o bom pagador
Paga sempre aos quilos!

E vendendo bem
Sem vender mais alto
O lucro dá salto
Já no mês que vem!

Foi-s’o Cavaleiro
Só por 15 milhões
Mas há negociações
Por outro artilheiro!!

“Vendemos da “escola”
Sempre a preço fixo
O valor é misto
Em dinheiro e esmola!

E o obrigacionista
É o nosso oxigénio
Do próximo triénio
Até vender o Talisca!

Qu’é outra promessa
De muitos milhões
E se formos campeões
É vendido à pressa!

Nem sequer é preciso
Vender o Lima
E o Jonas, pr’a China
Por 20 milhões de riso!

Só falt’o Gaitán
Pr’a compor o ramalhete
Qu’o “Manchester Unite”
Leva-o p’la manhã…”

E sem grande “celeuma”
Dá o Vitória, recados
E o Oliveira, trocados
Duma “riqueza”, qu’é tema!
Por: joker

domingo, 12 de julho de 2015

Grandes desafios no horizonte

#FCPorto #BluePunisher



A preparação para a nova época futebolística de 2015/2016 já arrancou oficialmente para o FC Porto, e naturalmente entre a Família Portista há um forte esperança e desejo que acabe de forma triunfal, fazendo jus aos pergaminhos do Clube.

As duas últimas época foram verdadeiramente traumáticas e caímos com um enorme estrondo. Não pagamos apenas o preço dos erros que cometemos e por não “Ser Porto”. Durante grande parte da época gravíssimos erros de arbitragem ajudaram a desvirtuar por completo a verdade desportiva, e a entregar por “decreto” o título ao clube do regime.

Não deve ser certamente coincidência que um árbitro há pouco tempo internacional e na primeira categoria, Marco Ferreira designado para o jogo entre o colo colo de Carnide e o Rio Ave no Estádio dos Arcos, que os Vila Condenses venceram, não caiu bem aos poderes instalados e pagou um preço elevado.

Marco Ferreira foi alvo de despromoção no final da época, após por sido escolhido para arbitrar a final da Taça de Portugal! Continuam a ser estranhos “estes critérios de nomeação”, em Maio ao “cair do pano” na época futebolística ainda não era sabido que não cumpria os requisitos e seria despromovido? 

Este mesmo árbitro denunciou recentemente pressões de Vítor Pereira através de contactos telefónicos antes do jogo Rio Ave x colo colo de Carnide, em que terá deixado claro que o “jogo em Vila do Conde tinha de correr bem”, caso contrário não iria apitar o clássico entre o colo colo e o FC Porto em Lisboa. Resta saber o que é “correr bem” para Vítor Pereira.

Pelos vistos é uma prática normal de Vítor Pereira estes telefonemas a pressionar árbitros em “vésperas de jogos”. Pelo que vimos ao longo das duas últimas épocas, estes telefonemas do chefe dos árbitros produzem na maior parte das vezes resultados muito profícuos e benéficos para o colo colo de Carnide. 

Perante as memórias que temos bem frescas das arbitragens nacionais na última época, percebemos que já vale tudo até tirar olhos! Vítor Pereira está agarrado ao lugar, não presta esclarecimentos a ninguém, nem manifesta qualquer tipo de incómodo ou vergonha pelo estado a que a arbitragem nacional chegou. Está lá do “alto da cadeira do poder” autista, apenas olhando para o seu umbigo e desdobrando-se em esforços para agradar aos seus “padrinhos”.

Outrora muito preocupado em desdobrar-se em declarações, conferências de imprensa e explicações perante as pressões do colo colo de Carnide em torno das arbitragens, não encontrou razões para dar explicações perante mais uma época da arbitragem nacional que o deveria fazer corar de vergonha.

Assistiram-se aos mais mirabolantes e escandalosos erros de arbitragem em “catadupa” e com uma “constância estonteante” quiçá das últimas décadas, sempre em benefício dos mesmos, mas isso não foi suficiente para Vítor Pereira ter que dar-se ao “incómodo” de dar explicações. Afinal o “padrinho” está contente e feliz, conseguiu o que queria e pouco importa a forma imunda como tal sucedeu.
Os media nacionais parte do polvo que há muito domina os bastidores do futebol português, entram sempre em cena e branqueiam tudo qual “lixivia tira nódoas”, contando a versão do interesse do colo colo de Carnide! Só os papalvos comem a palha que os media nacionais vão dando, e repetem a ladainha do costume “fruta, café, leite, chocolate, apito dourado”, e assim desviam-se as atenções dos factos gravíssimos ocorridos nesta época e noutras. É uma estratégia duma simplicidade diria chocante!

Afinal quando o colo colo de Carnide vence há sempre verdade desportiva e o PIB até sobe! E não esquecer que a corrupção está toda no Norte! Enfim, a máquina de propaganda do regime no seu melhor. 

O FC Porto sempre teve de lutar contra isto, não é novidade nenhuma, nem nos deve intimidar ou levar a baixar os braços. O grande problema reside numa certa perda de “alma” do FC Porto, o espírito guerreiro e a mística parecem ter desaparecido há pelo menos dois anos a esta parte. Assistimos a um conformismo e “tolerância ao fracasso” que não eram normais no FC Porto.

O FC Porto encontrou um “canal” para diariamente fazer ouvir a sua voz, uma vez que a maioria dos media nacionais não dão praticamente “destaque ou tempo de antena” ao nosso Clube, esse canal é o boletim informativo digital Dragões Diário, que é de subscrição gratuita e recomendo a todos os Portistas a sua subscrição.

Para além de estar bem escrito, aflora outras questões para além do futebol e até os temas do momento no mundo. Infelizmente tal é o controlo que o colo colo de Carnide tem nos bastidores do futebol nacional, que não é com estas iniciativas por si só que vamos conseguir os nossos intentos.

No entanto é de saudar que os responsáveis Portistas tenham tido uma iniciativa para sair do marasmo e “silêncio ensurdecedor” a que se devotaram durante muito tempo, com o Clube a ser atacado, denegrido e prejudicado em vários quadrantes.

Outro sinal que os dirigentes do FC Porto estão a tentar ter novamente as “rédeas da situação na mão”, foi a iniciativa na Liga de Clubes em conseguir assegurar uma maioria de voto para avançar com o sorteio dos árbitros.

Pressentiu-se que não seria assim tão fácil conseguir esta mudança, e confirmou-se que a Federação Portuguesa de Futebol é apenas mais um “braço armado” do colo colo de Carnide. A vontade da maioria dos clubes esbarrou nos interesses que a Federação defende e pelos vistos o sorteio não avançará em 2015/2016.

Foi uma boa iniciativa mas também não chega. Qual é a solução? Qual a melhor estratégia para alterar o estado das coisas? Infelizmente não há uma resposta óbvia, o FC Porto tem de continuar a tentar de forma paciente, racional e estratégica várias “fórmulas” e acabará por encontrar uma que funcione. 

Saúdo novamente notar-se que finalmente os dirigentes do FC Porto têm vontade em mudar as coisas e defender os interesses do Clube, em vez de assumir um papel de meros espectadores.

O defeso anda agitadíssimo e escaldante, se alguém dissesse há uns tempos atrás que o Iker Casillas poderia vir para o FC Porto não seria levado a sério, e mais pareceria uma brincadeira de 1º de Abril. Na altura em que escrevo esta crónica o Real Madrid acaba de oficializar a transferência de Iker Casillas para o FC Porto.

Esta transferência provoca-me sentimentos mistos, por um lado sei que será um êxito comercial, no plano desportivo tenho algumas dúvidas, uma vez que Casillas tem algumas deficiências que são conhecidas (saída dos postes e lances de bola parada), e nesse particular teremos de aguardar para ver como as coisas correm antes de tirar conclusões precipitadas. Preferia por exemplo a contratação do Keylor Navas também no Real Madrid. No entanto espero estar enganado. Cá estarei para com humildade fazer o meu “mea culpa” se as exibições de Iker forem uma mais-valia para o FC Porto.

Continuando com a temática das transferências e as inevitáveis entradas e saídas no plantel do FC Porto, outro tema escaldante no momento é a eminente saída de Ricardo Quaresma, segundo consta a pedido de Julen Lopetegui, por considerar que o plantel perde mais do que ganha com a sua permanência, pelo meu ambiente que poderá criar. 

Após a pouco inteligente (na minha opinião) entrevista de Quaresma ao jornal Expresso, deixaram de existir condições para a sua permanência no FC Porto, essa é a verdade nua e crua, independentemente de gostar-se do estilo, feitio e acreditar-se ou não nas suas constantes declarações de amor ao FC Porto.

Ricardo Quaresma demonstrou desrespeito pelos seus colegas no FC Porto, também pelo seu treinador actual (mesmo que de forma indirecta) e na realidade não deixa outra alternativa à SAD do FC Porto a não ser encontrar um clube para o transferir. 

Desde que Julen Lopetegui chegou ao FC Porto notou-se que a sua relação com Ricardo Quaresma não era fácil, e Quaresma “penou” muitos jogos no banco e quando as coisas realmente estavam “feias”, Lopetegui teve de ceder e arriscar depositando em Quaresma esperanças para virar resultados.

Ricardo Quaresma já não tem a velocidade do passado, a qualidade está lá, de vez em quando faz magia com o esférico, mas isso não chega para jogar no FC Porto, especialmente porque falta algo muito importante ao “mustang” e que é um dos pilares para quem quer afirmar-se no FC Porto: saber ser um jogador de equipa em vez de um individualista.

Para além do mau feitio, vaidade, indisciplina, amuos, ego exacerbado e excessivo individualismo, Quaresma não tem sido capaz de ser um verdadeiro jogador de equipa durante grande parte da época. Não conseguiu libertar-se do vedetismo e vontade incontrolável de fazer “malabarismos”, em situações em que devia privilegiar o jogo colectivo e tomar decisões mais assertivas para o interesse da equipa.

Os jogadores desequilibradores e criativos mesmo nos grandes clubes nunca têm vida fácil, quando tudo corre bem são endeusados, quando as coisas correm mal utilizando um chavão do futebol “passam de bestiais a bestas num ápice”. Estes jogadores têm de conseguir encontrar um equilíbrio, nem sempre fácil, e resistir ao ego, ao vedetismo e pensar acima de tudo nos interesses da equipa.
A confirmar-se a saída do Quaresma, não haverá na minha opinião razões para dramas, desde que o treinador seja capaz de colocar jogadores criativos servindo a frente de ataque com qualidade, criando desequilíbrios e “rasgando defesas contrárias”. Não é fácil mas é possível com a qualidade do plantel actual do FC Porto.

O regresso para ficar do Silvestre Varela é de saudar, sempre foi um jogador muito útil, e extremamente trabalhador em campo, para além de poder fazer a posição do Quaresma, a experiência que já tem e o facto de já conhecer bem o FC Porto é uma vantagem.

Outras saídas como a do Fabiano eram previsíveis, é uma boa solução para ele e para o FC Porto, uma vez que precisa de jogar. A confirmar-se a venda do Diego Reyes à Real Sociedad também será bom para todas as partes, Reyes não conseguiu afirmar-se no FC Porto e não terá vida fácil também esta época, pelo que para poder jogar com regularidade é uma boa opção a sua saída.

Sobre as contratações ainda há muitas pessoas incrédulas pelo FC Porto ter desembolsado 20 milhões de euros por um jogador, médio defensivo, que dizem ter potencial para ser o novo Patrick Vieira!

Podem dizer o que quiserem mas esta contratação parece uma “jogada de casino de alto risco”, Imbula vindo do Marselha com apenas 22 anos não vale 20 milhões neste momento digam o que disserem pois ainda tem muito que provar. Esperemos que a SAD do FC Porto não se tenha enganado e tenha descoberto um grande talento que será rentabilizado no futuro com uma venda muito lucrativa.

Naturalmente desejo ao Giannelli Imbula as maiores felicidade e quando o vir jogar nem me vou lembrar dos 20 milhões (pelo menos vou tentar!). Ainda sobre o meio campo defensivo, o “desvio” de Danilo Pereira do sporting para o FC Porto sabe bem, nem que seja só para dar uma alfinetada ao presidente do clube dos viscondes falidos que bem precisa de ser colocado no lugar.

Danilo Pereira tem potencial para afirmar-se no imediato, esperemos que assim seja, a posição de médio defensivo é fundamental num clube como FC Porto. A questão do Quintero preocupa-me, este jogador poderá tornar-se noutro Iturbe, infelizmente tarda em afirmar-se e sempre que lhe são dados uns minutos desilude e muito!

Algo tem de mudar ou então o Quintero deixará de ser uma opção válida e realista para esta época, falou-se de potenciais empréstimos, o que só concordo se forem para campeonatos e clubes que o possam ajudar a crescer como jogador, e não um regresso à América do Sul onde o futebol praticado está a “anos-luz” das exigências do futebol europeu.

Quanto aos nossos principais adversários, infelizmente o sporting conseguiu contratar o Bryan Ruiz e parece que o Teófilo Fernández também vem a caminho, são dois jogadores de grande qualidade que poderiam perfeitamente estar no plantel do FC Porto. 

Quanto ao colo colo de Carnide não se vê grande coisa até ao momento em termos de contratações, mas a APAF continua de  “pedra e cal” para o que der e vier e já sabemos que vão jogar sempre com 14. Quem pensou que o colinho ia acabar esta época está muito enganado. O chumbo do sorteio dos árbitros é um forte sinal de que o sistema não morreu e resistiu à tentativa de o derrubar.

Ainda sobre a nova época futebolística em preparação, nova época é sempre sinónimo de novos equipamentos como vem sendo hábito, os equipamentos da New Balance não estão maus, o alternativo “cacau” não é do meu agrado os outros estão aceitáveis. 

O que interessa é ganhar independentemente de equipamentos. Na minha opinião desde os tempos dos equipamentos da Adidas, nunca mais tivemos uma camisola principal como deve ser, ou seja duas listras verticais azuis e branco no resto da camisola.

E porque o FC Porto não é só futebol, fiquei satisfeito pela saída do Tó Neves do comando da equipa sénior de hóquei em patins, infelizmente ficou muito aquém das expectativas e exigências e era mais do que altura de mudar. 

Desejo as maiores felicidades e sucessos ao novo treinador Guillem Cabestany, e acalento o desejo de ver finalmente o FC Porto vencer a Liga dos Campeões Europeus em hóquei (se é assim que é designada) que já nos escapa há anos, para além de como é óbvio recuperar o título nacional de hóquei em patins.

No andebol lamento a saída do treinador Ljubomir Obradovic que fez um grande trabalho no FC Porto, vai deixar certamente saudades. Desejo a Ricardo Costa o seu sucessor as maiores felicidades e sucessos para a nova época.

Retomando o tópico futebol, já é conhecido o calendário da primeira liga, o FC Porto recebe o sempre difícil Vitória de Guimarães e sabemos como é importante começar bem. 

Sobre o resto do calendário não é o melhor, com uma deslocação à Madeira para jogar ante o marítimo logo na 2ª jornada, e a recepção ao colo colo de Carnide no Dragão na 5ª jornada. Se fosse possível escolher eu preferiria que os jogos mencionados anteriormente tivessem lugar mais à frente, mas foi o que ditou o sorteio, e utilizando um lugar-comum, todos têm de jogar contra todos, e a maior regularidade ditará o vencedor no final. 

Este campeonato será muito exigente, com a particularidade de três visitas à Ilha da Madeira (só para o campeonato), por isso é bom que o trauma da “ilha” seja superado, assim como “a síndrome da ponte” nas deslocações a Lisboa. Se Julen Lopetegui aprendeu com os erros do passado, então podemos ter esperança mesmo com arbitragens “sabujas”. Assim espero e desejo as maiores felicidades e sucessos ao FC Porto em todas as modalidades para 2015/2016.

Votos de boas férias a toda a Família Portista para quem for aplicável, e que este ano não só sirva para sarar feridas, ganhar confiança e respeito, criar um projecto sólido, mas também para enriquecer o museu do FC Porto com muitas taças.

FC Porto a vencer desde 1893.

A Chama do Dragão é Eterna!

FC Porto sempre!

  


 Por: BluePunisher


>