sábado, 13 de abril de 2013

Andebol: Regime 30 - 28 FC Porto - Nada perdido, nós acreditamos








O tetracampeão visitou e perdeu com o regime por 2 golos. Perdoem-me os mais sensíveis por tratar este clube por regime, mas depois de um jogo destes não lhes posso chamar de mais nada a não ser isto. Com este resultado passamos para 2º lugar mas dependemos de nós para revalidar o título. E iremos ganhar não tenho dúvidas.





O jogo em Lisboa começou com Ricardo Moreira de inicio. Era a grande dúvida, pois tinha treinado condicionado durante a semana mas recuperou a tempo.

Inicio do jogo para o regime, primeira jogada e cartão amarelo para Tiago Rocha. Era um aviso mas para já concentre-mo-nos no jogo. Foi um inicio equilibrado, com ambas as equipas muito agressivas na defesa, o Porto no seu posicionamento habitual e o regime em 6 - 0. No ataque procurávamos sobretudo situações de concretização através da nossa 1ª linha, fosse Spínola, Wilson ou Gilberto a rematar.

Como falhámos alguns ataques seguidos, praticamente entrámos a perder. 4 -2 , 5 - 3. Nada preocupante, a defesa começava a conseguir parar o adversário, era uma questão de tempo.

A primeira vantagem de que dispusemos aconteceu aos 5 - 6. Brilhante assistência com um passe picado de Wilson e o nosso pivot Tiago Rocha a marcar. Estava dado o mote e foi uma fase espectacular dos nossos atletas. Bons ataques, muita diversidade de jogadas - marcamos de 1ª e 2ª linha, em ataque planeado e contra-ataque. Defensivamente eram 6 "monstros" a defender. Deixo-vos aqui um exemplo através de uma jogada de Gilberto. Num ataque adversário Gilberto consegue fazer uma intercepção e a bola sai pela lateral. Recomeça o jogo e o mesmo Gilberto faz um bloco a um remate. Fantástico!!

O resultado desta fase de grande nível era que, a meio da 1ª parte ganhávamos por 4 (10 - 6). Destes 6 golos sofridos, metade foi de livres de 7 metros. Quintana ainda parou. Foram 4 livres de 7 metros sofridos em 15 minutos. Mas o problema não estava aí.

O problema foi que a vantagem se tornava ameaçadora por isso os madeirenses Duarte Santos e Ricardo Fonseca resolvem intervir. Esta dupla que já tantas vezes mostrou o seu anti-portismo, voltou a fazê-lo. As exclusões para o nosso lado sucediam-se. Um exemplo. Tiago Rocha foi excluído por 2 minutos, reentrou e logo nessa jogada esta dupla exclui Daymaro. Antes já Gilberto tinha saído também. Agressividade a mais? Nada disso, era pior do outro lado e tudo passava impune. Foram exclusões seguidas, agressões deles a passar em claro (Wilson a ser visado). "Incompetência" a mais e sempre para o mesmo lado. Farto destes bandalhos que sempre nos prejudicam. Vocês sabem que com esta dupla já chegamos noutros jogos a ter apenas 3 jogadores de campo? Sabem que até o treinador já foi expulso? Sabem que foi esta a dupla do jogo este ano no Dragão contra a mesma equipa? Lembram-se de como foram os últimos minutos, que o Rosário leva 2 minutos por ter barbaramente agredido com a cara a mão de um jogador do regime? Tenham decência, sejam isentos que isto já ultrapassou todos os limites. 

Como consequência o resultado passou de 13-9 para 13-14. Normal, nós jogávamos com 6 e eles eram 9... 

Ainda conseguimos marcar nestes últimos segundos por isso, o marcador ao intervalo mostrava uma igualdade a 14 golos. 

Começa a 2ª parte e o regime, tal como nos últimos minutos da 1ª parte apresentava-se defensivamente em 5 - 1. Tínhamos dificuldade em a ultrapassar, a definição dos lances já não era fluída. Quintana, que tinha começado na 2ª parte, não conseguia encontrar o seu ritmo, regressando por isso Hugo Laurentino.

Foi uma fase com algumas falhas técnicas mas com uma enorme intensidade e equilíbrio. Até aos 10 minutos nunca a vantagem foi superior a 1 golo para qualquer uma das equipas. A 1ª vez que tal sucedeu já estávamos nos derradeiros 15 minutos e foi nossa.

Depois de Tiago Rocha nos ter adiantado no marcador quando marcou o nosso 23º golo - quem puder reveja este tento, foi um gesto técnico que deu um golo lindíssimo - ainda conseguimos alargar o marcador até aos 3 de distância (23 - 26). bem neste período Hugo Laurentino com inúmeras defesas e bem Wilson e Gilberto com bastantes golos de 1ª linha e Tiago Rocha a abrir o livro.

Como aconteceu na 1ª parte, não conseguimos manter a vantagem. Aqui também por culpa nossa. Cometemos algumas falhas técnicas, falhámos alguns contra-ataques e o adversário é forte (será por muitos deles cá terem estado antes?).

Para piorar, Hugo Laurentino que tinha estado brilhante até então foi expulso. Nada a dizer, segundo as novas regras foi justo.

Mais grave que termos desperdiçado a vantagem foi termos deixado o adversário distanciar-se. De uma vantagem de 3 golos a 15 minutos do fim (o já referido 23 - 26), a 5 minutos do fim perdíamos por 2 (29 - 27). Com o resultado assim ainda tivemos uma hipótese mas Ricardo Moreira falhou frente ao guarda redes adversário. Era necessário concretizar aquele ataque e não o conseguimos. Acontece aos melhores.

No final o resultado foi 30 - 28.

Permitam-me agora deixar uma palavras a esta equipa. Nós adeptos estamos convosco nesta guerra. Juntos iremos vencer. A nossa crença em vocês é tremenda e não temos a mínima dúvida que no final festejaremos o campeonato. Força campeões...


Equipa e marcadores:

Treinador: Ljubomir Obradovic 
FC Porto: Hugo Laurentino (gr), Gilberto Duarte (7), Wilson Davyes (8), Tiago Rocha (8), Elias Nogueira (2), Ricardo Moreira e Pedro Spínola (1) 
Jogaram ainda: Alfredo Quintana (gr), João Ferraz (2), Filipe Mota, Daymaro Salina e Sérgio Rola   


Por: Paulinho Santos
Enviar um comentário
>