sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Olhanense - FC Porto ( Antevisão)




Mais um jogo complicado em perspectiva, apesar do favoritismo natural do FC Porto.






A verdade é que só depois do dia 31 (sexta-feira) saberemos como que plantel contar ao certo e preocupa nesta fase ainda estarem em dúvida as permanências de João Moutinho ou Hulk, no entanto o mercado assim obriga a estas indefinições, mas independentemente disso, a nossa equipa tem obrigação de levar a melhor sobre o Olhanense.






O facto do jogo ser realizado no Estádio do Algarve será positivo, uma vez que é um campo com outras condições e assim o Olhanense jogará praticamente em campo neutro, sendo que a equipa de Olhão actualmente conta com os mesmos pontos do que o FC Porto (uma vitória e um empate).

A verdade é que o Olhanense está longe de estar no seu melhor e actualmente ainda tenta procurar no mercado soluções que possam ser credíveis. Vem de um campeonato tranquilo, com jogos onde deu para agradar e onde claramente existiram diversas melhorias após a chegada do Sérgio Conceição, ele que esteve quase a bater com a porta recentemente devido a falta de reforços, acabando por ficar, apesar das relações entre técnico e direcção já terem sido melhores.

Efectivamente faltam alguns reforços para o Olhanense, por forma a equilibrar o plantel com outra qualidade e atendendo ao facto de não existirem até ao momento muitas soluções para reforço do plantel, o que até fez com que alguns dispensados voltassem a entrar nas contas do treinador, um desses casos é  Ivanildo, que passa de dispensado a titular nestas duas primeiras jornadas.

As saídas foram muitas, é necessário relembrar que saíram oito titulares (entre eles, Fabiano Freitas que veio reforçar o nosso clube) e não é fácil num curto espaço de tempo encontrar soluções para tantas baixas. 

Curiosamente, apenas três reforços tem sido titulares ( Nuno Reis jogou ao lado do Vasco Fernandes na primeira jornada devido a lesão do Maurício), o técnico Sérgio Conceição não tem abdicado do seu 4-2-3-1, apostando em Ricardo na baliza, Luís Filipe na lateral direita e o adaptado Babanco na esquerda (atenção a este jogador!), jogando a centrais o Vasco Fernandes e Maurício. 

Depois uma dupla trabalhadora e com enorme pulmão como são Jander e Fernando Alexandre, dando a Rui Duarte outra liberdade em termos de movimentação que os outros médios não possuem.

Quanto ao ataque, se Rui Duarte está no apoio ao ponta de lança Yontcha, a escolha nas alas tem recaído em Ivanildo e no reforço Abdi (tem mostrado bons pormenores).

As limitações no plantel são reais e alternativas a esse onze existe, mas não em quantidade, contudo é de salientar a aquisição do médio Rui Sampaio, que certamente depois de entrar no onze dificilmente sairá dele, e depois existem alternativas que Sérgio Conceição poderá lançar no decorrer do encontro, como por exemplo Targino, David Silva e Nuno Silva.

Acima de tudo podemos definir este Olhanense como uma equipa guerreira, onde na falta de elementos que possam dar criatividade e uma maior qualidade técnica ao jogo, tacticamente tem uma atitude extraordinária!

No FC Porto, caso o plantel esteja completamente apto, penso que Vítor Pereira irá manter e bem o onze utilizado diante do Vitória de Guimarães, inclusive a permanência do Atsu na equipa inicial.

Lista de Convocados:
Helton, Danilo, Lucho, Maicon, Castro, João Moutinho, Jackson, James, Kleber, Hulk, Miguel Lopes, Varela, Mangala, Fabiano, Alex Sandro, Atsu, Kelvin, Otamendi e Defour.

Por: Dragão Orgulhoso

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Liga dos Campeões: Grupos e Calendário



Estórias com História: A miragem do hexa! (Cronologia)





OUTUBRO/1999

2 - Peixe inconformado com Humberto Coelho: “Quem é titular no do campeão, tem de pensar na selecção”. Em declarações a «OJOGO», Pinto da Costa deseja sorte a Augusto Inácio no Sporting e volta ao ataque: “Nem sei se a Liga já fez concurso para a nova sede.”

4 – Belenenses e FC Porto empatam a zero no Restelo, com Capucho de fora devido a traumatismo no joelho esquerdo e Miki Fehér a acertar duas vezes no ferro da baliza lisboeta.


Estádio do Restelo – Árbitro Bruno Paixão – (6ª Jorn.)

Belenenses: Botelho; J. Carlos, Wilson,Filgueira e F. Mendes; Franklim (Renato 75’), Tuck, Neca (J.P. Brito 85’) e Seba (Nilson 75’); Gouveia e Rui Pataca
Supl. não utilizados: Luís Ferreira e Baltasar
Cartão amarelo: Filgueira 18’, F. Mendes 27’, Gouveia 44’ e Botelho 83’

FC Porto: Vítor Baía; Secretário, Jorge Costa, Argel e Esquerdinha; Peixe, Chaínho (Fehér, 53’), e Deco; Alessandro, Drulovic (Rubens Junior, 81’)e Jardel
Supl. não utilizados: Hilário, Aloísio e P. Santos
Cartão amarelo: Deco e J. Costa 58’, Peixe 65’ e Jardel 89’.
Cartão vermelho: Peixe 78

5 – Derrota em Paranhos (1-2), em jogo de inauguração da iluminação artificial do campo do Salgueiros.

6 – Fernando Santos comenta liderança do Benfica: “Não temos medo deles.”

7 – Ricardo Sousa peremptório: “Posso ocupar o lugar de Zahovic.”

8 – Jardel e Aloísio visitam Doriva.

9 – Deco afasta responsabilidade:” Não há Deco-dependência. Plantel tem outras opções.”

12 – Josef Mlynarczik ausente do treino (à porta fechada) sem explicações. Orçamento para a temporada em curso supera os oito milhões de contos (40 milhões €).

13 – Imprensa inglesa anuncia que o Leeds United paga 4,6 milhões de contos (23 milhões €) por Jardel. Pinto da Costa diz que tal não tem fundamento.

15 – O FC Porto vence o U: Leiria, “a ferros”, por 4-2, na 7ª jornada da Liga.

Estádio das Antas – Árbitro Paulo Costa - (7ª Jorn.)

FC Porto: Vítor Baía; Duda (Alessandro 45’), Jorge Costa, Argel e Rubens Junior; Paulinho Santos, Rui Barros (Chainho 79’) e Deco; Capucho, Drulovic e Jardel
Supl. não utilizados: Hilário e Aloísio
Cartão amarelo: P. Santos 48’, Rui Barros 64’, Jorge Costa 67’e Argel 76’
Golos: Rúbens Júnior (pb) 40’,Argel 43’, Capucho 59’, Duah 73’,Jardel(pen)78’ e Deco 89’

U. Leiria: Baptista; Bilro, Marçal, Renato e Nuno Valente (Marcelino 66’); Luís Vouzela, Leão, Duah e Mark (Dinda 70’); João Manuel e Derlei (P. Alves 70’)
Supl. não utilizados: Mingote e Paulo  Duarte
Cartão amarelo: Leão 44’, Luís Vouzela 55’, Renato 65’ e Marçal 68’
Duplo amarelo: Leão 77’ e Marçal 75’

16 - Secretário comenta recepção ao Real Madrid: “É proibido perder!” Novo estádio das Antas orçado entre 18 e 20 milhões de contos (90 e 100 milhões €).

17 – É noticiado que Mlynarczik prefere a selecção polaca e que viajou para o seu país sem autorização. Mc Manaman “KO” nos “merengues”.

18 – Romeu convocado para o jogo europeu, Fehér e Duda de fora. 35 Mil bilhetes vendidos a 48 horas do duelo ibérico.

19 – Jorge Costa, suspenso por um jogo pela Comissão disciplinar da Liga devido ao amarelo do FC Porto - U. Leiria, não se desloca a Guimarães.

20 – O FC Porto vence o Real Madrid por 2-1. Excelente exibição dos Portistas na primeira hora valeu o regresso à liderança do Grupo E, da Liga dos Campeões.

Estádio das Antas – Assistência: 32 000 - Árbitro Heynemann (Alemanha)

FC Porto: Baía; Secretário, Jorge Costa, Argel (74. Aloísio), Esquerdinha; Chainho, Rubens Junior (36. Drulovic), Peixe, Deco, Capucho (72. Paulinho Santos); Jardel.

Real Madrid: Illgner; Michel Salgado, Hierro, Iván Campo, Roberto Carlos; Geremi (66. Guti), Redondo, Raúl, Sávio; Anelka (47. Seedorf), Morientes.

Golos: Jardel 13’ e 35’, Peixe  68’ (pb).
Cartão amarelo: Jorge Costa.

21 – Pinto da Costa garante: “Tudo faremos para manter Vítor Baía.” O FC Porto e o Hospital da Trofa assinam protocolo pioneiro, que prevê descontos de 15 por cento aos associados do clube.

22 – Drulovic, Jorge Costa e Capucho fora dos convocados para o jogo com o V. Guimarães. João Manuel Pinto e Folha estreiam-se na lista dos escolhidos. Dez mil contos (50 mil €) de lucro no exercício do clube. Passivo está nos 2,7 milhões de contos (13,5 milhões €).

23 – V. Guimarães e FC Porto empatam a uma bola. É a quarta divisão pontual dos Pentacampeões em apenas oito jornadas da I Liga.

Estádio Municipal de Guimarães – Árbitro Isidoro Rodrigues (8ª Jorn.)

V. Guimarães: Pedro Espinha; Evaldo, Alexandre, Fernando Meira e Tito; Fredrik, Paiva (Geraldo 45’), Riva (Rego 66’); Edmilson, Lixa (Nandinho 50’) e Brandão
Supl. não utilizados: Vítor Nuno e Pedro Mendes
Cartão amarelo: Não houve

FC Porto: Vítor Baía; Secretário, Ricardo Silva, Aloísio e Esquerdinha; Chaínho (João M. Pinto 68’), Paulinho Santos e Alessandro (Deco 45’); Capucho, Folha (Jardel 45’) e Romeu
Supl. não utilizados: Hilário e Ricardo Sousa
Cartão amarelo: Esquerdinha 57’
Golos: Ricardo Silva 62’ e Geraldo 81’

26 – O FC Porto vence o Molde, por 3-1, no dia do regresso de Domingos. Garantido cheque de 1,188 milhões de contos (5,940 milhões €) com passagem à segunda fase.

Estádio das Antas – Assistência: 35 000 – Árbitro Barber (Inglaterra)

FC Porto: Baía; Secretário, Jorge Costa, Aloísio, Esquerdinha; Chainho (69. Ricardo Sousa), Drulovic, Peixe, Deco (29. Alessandro); Capucho, Jardel (76. Domingos).

Molde FK: Bakke; Singsaas, Dos Santos, Tessem (61. Lindbæk); Strande, Lydersen, Olsen (84. Sundgot), Hestad, Fjørtoft; Hoseth (86. Mark), Lund.
Golos: Deco 1’, Deco 28’, Jardel 58’, Hestad 82’.

27 – Num inquérito realizado pelo jornal «OJOGO» na Internet, 53,91% dos leitores diz que Vítor Baía é melhor do que Schmeichel.

28 - Jardel avisa o Sporting: “Quero marcar já o golo 100.” Imprensa inglesa “põe” Newcastle no encalço de Vítor Baía.

30 – Goleada ao Sporting: três golos sem resposta e Jardel marcou o golo… 101, dedicado à esposa, Karen.

Estádio das Antas – Árbitro António Costa (9ª Jorn.)

FC Porto: Vítor Baía; Secretário, J. Costa, Aloísio e Esquerdinha (Drulovic 55’); Chaínho (P. Santos 81’), Peixe e Capucho, Deco, Rúbens Júnior (Domingos 87’) e Jardel
Supl. não utilizados: Hilário e Ricardo Silva
Cartão amarelo: Vítor Baía 89’

Sporting: Nélson; Vidigal, Quiroga, Beto(Edmilson 65’) e Rui Jorge; Duscher (Quim Berto 65’), Delfim, Toñito (Iordanov 35’) e Pedro Barbosa; De Franceschi e Ayew
Supl. não utilizados: Nuno Santos e Robaina
Cartão amarelo: Não houve
Golos: Chaínho 5’, Jardel 59’ e 89’

31 – Vítor Baía manteve-se em campo frente ao Sporting, apesar de lesionado no joelho. “Vale a pena sofrer pela equipa”, afiança o guarda-redes, que integra a lista de convocados para a despedida da primeira fase da Liga dos Campeões, em Atenas.


Por: Nirutam

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Supertaça de Andebol: FC Porto - Benfica (Antevisão)



No próximo fim de semana teremos o arranque oficial da época, com a Supertaça desta feita a ser disputada em Fafe, e na qual estarão presentes os quatro primeiros classificados da última temporada.








Numa competição que ganha assim novo formato, após alguns anos a ser disputada a meio da época em Portimão pelos seis primeiros classificados da primeira volta do campeonato, no entanto devido a problemas financeiros a prova foi cancelada, retomando agora noutros moldes.

O FC Porto terá como adversário nesta meia-final a equipa do Benfica, que mais uma vez parte para esta temporada cheia de ambição, contando com um plantel de grande qualidade.







É de esperar um encontro bastante equilibrado frente aos actuais tetracampeões, que têm como principais novidades as chegadas dos laterais Hugo Rosário e João Ferraz, que vêm assim fortalecer ainda mais o grupo, apesar das saídas de Ricardo Costa e Eduardo Filipe (terminaram a carreira) e do sérvio Nenad Malencic (dispensado), vendo sair o ponta Dario Andrade para o rival.

Quanto ao Benfica manteve o seu núcleo duro para a nova época (apenas a saída de Rui Silva para o Belenenses acabou por ser surpreendente), adquirindo para a baliza o conceituado Vicente Álamo, reforçando-se ainda com Dario Andrade (jogador que esteve três épocas no FC Porto), Davor Cutura, Álvaro Rodrigues e Tiago Pereira, o que diz e muito da capacidade desta equipa, que certamente este ano irá ter outros argumentos para disputar o primeiro lugar.

Tanto na vertente defensiva como ofensiva, é uma equipa a ter em conta, na defesa o técnico Jorge Rito terá ao seu dispor uma linha de três jogadores interessantes, casos de Inácio Carmo (é substituído depois no ataque pelo Cláudio Pedroso), Álvaro Rodrigues e Davor Cutura, passando Carlos Carneiro a segundo defensor, algo inédito desde que chegou ao clube.

No ataque, a equipa deverá serr distribuída pelos pontas David Tavares e Dario Andrade na direita e esquerda respectivamente, uma primeira linha formada por  Carneiro, Cutura e Pedroso, jogando a pivot o habitual José Costa, que atravessa um excelente momento.

Como baixas para este jogo temos o pivot Tiago Rocha em dúvida no lado dos dragões devido a lesão, enquanto o Benfica apresenta-se na máxima força.

Quem vencer este jogo, defronta na final da Supertaça, o vencedor do embate que opõe o Sporting ao Madeira SAD.


Por: Dragão Orgulhoso

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Fim de semana Futebolístico (Escárnio e Maldizer), por Joker !


Em jornada acidentada, lá pr'os lados de Alvalade
Encontramos na fornada, outros traços d'incredulidade
Uma goleada de mão cheia, assente numa expulsão
Foi tomada por "tareia", nos insuspeitos da comunicação!

Sim, porque em nada fez a diferença, a prematura saída
Foi de uma total indiferença, perante aquela "movida"
De uma equipa "avassaladora", como diria o manhoso
Uma máquina "trituradora", no seu escrever cavernoso!

O jogo já estava ganho, afiançava-o o mestre da táctica
Nem com todo o seu engenho, paravam aquela "máquina"!

- Seja com dez ou com onze, a vitória é só minha!
- O Setúbal não vai longe, joga lá o Amoreirinha!

Do qual ninguém desconfia, nas entradas sem sentido
Que de cérebro atrofia, sente-se, ainda de vermelho
vestido!

Se fosse com outro clube, ou tivesse uma escola diferente
Ah, aí pertenceria à trupe, e tudo fizera conscientemente...


E numa entrada assassina, a que S.Jorge não foi vesgo
Quase nos destruía a pantomina, lesionando o Melgarejo!
Que é uma grande promessa, como bem se depreende
Encomendemos uma reza, que por nunca se ausente!

Se mesmo em fora-de-jogo, se tornam totalmente inefáveis
Como não os levar a jogo, mesmo nestes "imponderáveis" ?
São melgas em extinção, precisam de ser bem preservadas
Criemos uma associação, para a protecção destas pragas!

E indiquemos pr'a benfeitor, o S.Jorge do vale do Sousa
Qu'ele a proteger é um amor, não vale é grande cousa
A não ser pr'a protector, das ansiedades dos carentes
Justificando o andor, nos benefícios mais que evidentes.

E assim se pagam ordenados, com boa técnica à "Moretto"
Mesmo que se mostrem indignados, no encalço do graveto
E tudo está na paz de Deus, com o slb em superioridade
Desde que não seja contra os seus, é tudo veracidade!

Como se não bastasse o insólito, de dois jogos com mais um
Que em nada foi de propósito, para ajudar o "Pluribunum"
Temos no reino da "circular", outra equipa muito forte
Que na terra do Hagar, viu amadores com muita sorte!

Sim, que foram massacrados, por uns "fortes" leões listados
Que se viram abençoados, perante uns "vikings" esfaimados
Ainda que jogassem "muito bem", ao que o empate lhes serviu
Contra o Colosso do Horsens, do melhor que o mundo já viu!

Regressados, gloriosos, pelo embate na Liga Europa
Entraram em campo, garbosos, fusos como na tropa
Para arrasar, determinados, todo e qualquer entrave
Acabaram, derrotados, pela guerrilha do Rio do Ave!

Ainda que usassem o "lobo", esse grande predador
Que mete golos em dobro, no seu total esplendor
Nas balizas imaginárias, do velho Paço do Duque
Nas propostas milionárias, se vê o brilho do truque!

Como nas outras "noticias" dos setenta e cinco milhões
Avançadas como carícias, no pasquim das multidões
Incentivando às conquistas, do clube dos seis milhões
Só se vendem os "artistas", nas páginas dos aldrabões!

Se for de um clube de azul e branco, forçam, pois, a saída
Ninguém fica por encanto, todos querem fazer-se à vida
Só no clube dos milhafres, vestem com amor à camisola
Que o diga a "lenda" cafre, quando andou a pedir esmola!

E com renovadas ambições, estamos na senda doutro tri
Contra todos os canastrões, com exclusiva crença em si
Mesmo com Girafas em campo, que se fosse à laia do costa
Já lhe tinham "limpo o sarampo", como quem faz vista grossa


Por: Joker


Que é feito de Rui Costa?




Rui Costa foi sem dúvida um jogador de grande nível, não só pelos enormes atributos futebolísticos que patenteava, como também pela sua postura enquanto Homem e pelo amor ao seu clube de sempre, que deixou saudades não só aos adeptos benfiquistas, mas também pelo que ele representava ao serviço da nossa seleção nacional, numa posição do terreno que nunca foi devidamente substituída após a sua saída. 





No final da sua carreira foi apresentado pelo seu clube, e na circunstância pelo presidente LFV, como uma espécie de “salvador da pátria benfiquista”, numa cerimónia com alguma pompa e circunstância, dando a entender pela SAD benfiquista que estaria ali a resolução de todos os problemas do foro diretivo da SAD, no que tocava naquela altura à planificação do plantel do SLB, e com total liberdade de escolha no sentido de encetar qualquer negociação no mercado de transferências.





Posto isto, ainda hoje estamos por saber qual a verdadeira razão pela qual o SLB “encostou” um dos seus símbolos emblemáticos, e se este facto se deveu exclusivamente a razões de más opções pessoais do RC nas escolhas que levou a cabo no plantel, ou se por outro lado, se foi em tempo pressionado ou influenciado noutro tipo de abordagem do mercado de transferências por LFV, ou por uma outra entidade ou personalidade ligada ao Benfica dentro ou fora do clube.

O que ficará para a história, será sempre uma imagem de menor fulgor, de uma missão mal conseguida, que o próprio RC não merecia pelas razões já apontadas no primeiro parágrafo desta crónica, sendo até confrangedor as imagens que nos chegam de um RC a sofrer por esses relvados fora com os maus resultados do seu clube, quase sempre numa posição ou local de isolamento total do grupo, quando certamente não seria esta a sua vontade e de muitos dos seus adeptos benfiquistas.  


Por: Natachas.


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Estórias com História: A miragem do hexa! (Cronologia)





AGOSTO/1999

1 – Sananduva chega do Brasil para a equipa B.

3 – “Bola de Ouro”entregue a Jardel, em Munique: “A primeira de muitas”, promete o avançado brasileiro. Vitória dos “Dragões” na Vila das Aves (1-0), com Ricardo Sousa em evidência. O preparador físico Roger Spry despede-se alegando motivos particulares.

4 – O futuro Centro de Estágio já tem maqueta e deverá arrancar em Janeiro/2000. Vai custar milhão e meio de contos (7,5 milhões €).

5 – A CBF desbloqueia o passe de Alessandro. Ao invés, a Comissão Disciplinar da Liga suspende Paulinho Santos por um jogo, devido à expulsão no encontro com o Standard de Liège. De resto, o azar persegue-o: contrai entorse no joelho esquerdo que o obriga a parar.

6 – Domingos, Rubens Júnior, Romeu e Rodolfo convocados pela primeira vez para um jogo oficial.
INÍCIO, A DOER, DA ÉPOCA FUTEBOLISTICA

7 – FC Porto vence Beira-Mar por 2-1, em Aveiro, na primeira mão da Supertaça (golos de Esquerdinha e Domingos), embora tenha estado em desvantagem.

9 – Paulinho Santos vai ser operado ao joelho esquerdo e vai falhar a jornada inaugural da I Liga. Deverá estar parado entre dez e quinze dias.

10 – FC porto vence Farense (1-0) em jogo particular.

11 – Vitória sobre o Tenerife por dois golos sem resposta em novo amigável. O central Gaspar emprestado ao Alverca.

12 – Panduru continua em Portugal à espera de ver resolvido o seu caso. Apesar de ter sido dado como certo no Internacional de Porto Alegre, a transferência para o Brasil não se concretizou.

13 – Palmeiras oferece um milhão de contos (5 milhões €) por Argel, mas o FC Porto não dispensa o jogador. O guarda-redes Costinha rescinde contrato.

15 – O FC porto conquista a sua 11ª Supertaça, após vitória por 3-1 sobre o Beira-Mar, no Estádio das Antas.

16 – Ilídio Vale, ex-treinador da equipa B, assume as funções de preparador físico da equipa principal, sucedendo no cargo a Roger spry.

17 – Jogo-treino e triunfo sobre o Vizela por 3-0:

19 – Rui Barros dá o mote para o pontapé de saída da I Liga, no Bessa: “O Litos agarra muito…”

21 – Empate a uma bola entre Boavista e FC Porto, na primeira jornada do Campeonato. Jardel marcou nos momentos iniciais e os “axadrezados”, mesmo com dez, empataram nos finais.

Estádio do Bessa - Árbitro: Paulo Costa

Boavista: William; P. Sousa, P. Emanuel, Litos e M. Silva (Moreira 24’); R. Bento, L. Manuel e J. Couto (Augustine 33’); Timofte, Quevedo (J. Silva 39’); e Gilmar

Cartões amarelos: P. Sousa 38’, Timofte 61’, Litos 85’. Duplo amarelo: P. Sousa 48\'
Supl. não utilizados:Ricardo e Emanuel

FC Porto:Vítor Baía; Secretário, Jorge Costa, Aloísio e Esquerdinha; Peixe, Capucho e Drulovic (Rui Barros 6 Alessandro (Romeu 54’), Rubens Junior (Rodolfo 80’)e Jardel

Cartões amarelos: Drulovic 60’, V. Baía 70’, J. Costa 81 e Aloísio 81’.
Supl. não utilizados: Hlário e R. Silva

23 – Pinto da Costa desloca-se à FIFA no âmbito da reunião do G-14 e reúne-se com Sepp Blatter, presidente daquele organismo. O futebol português foi um dos temas abordados no encontro.

25 – João Manuel Pinto, Paulo Ferreira e Folha, ficam de fora na lista definitiva entregue na UEFA para a Liga dos Campeões. 

26 – “Dragões” conhecem adversários na prova milionária: Real Madrid, Olympiakos, e Molde. Fernando Santos assume objectivo da passagem à fase seguinte, Jorge Costa não teme ninguém e Zahovic, que se transferiu para a formação grega, diz-se de coração partido. Contratado o juvenil Pedro Dimas.

28 – Desilusão: FC Porto e Alverca empatam sem golos, nas Antas, na segunda jornada da I Liga.

Estádio das Antas – Árbitro: José Pratas

FC Porto: Vítor Baía; Secretário, Jorge Costa, Aloísio e Esquerdinha; Peixe, Capucho e Drulovic (Romeu 63’), Alessandro, Rubens Junior (R. Barros 45’)e Jardel

Cartões amarelos: V. Baía 80’, J. Costa 82\'.
Supl. não utilizados: Hilário, Argel e R. Sousa

Alverca: P. Santos; Abel Silva, H. Costa, Verssimo e Diogo; Bernardo, Jamir e R. Borges (A. Luíz 73’), F. Azevedo (N. Assis 73’), Milinkovic (Miner 89’)e Caju

Cartões amarelos: Milinkovic 32’, H. Costa 77’ e A. Luíz 87’.
Supl. não utilizados: B. Fernandes e R. Capucho

Classificação:
1º Gil Vicente   2j/4p
(...)
12º FC Porto     2j/2p

30 – Paulinho Santos regressa aos treinos depois de recuperar de lesão.

31 - Deco volta aos treinos 15 dias depois de ter dado entrada no departamento médico  com uma recaída da contractura que sofreu durante o estágio de Viseu.



SETEMBRO/1999

1 – Domingos regressa em pleno aos treinos. Estreia da equipa B no campeonato da II Divisão B, com vitória na Trofa, por 4-1.

2 – Deco e os três grandes concorrentes: “O Boavista é o mais forte”.

3 – O FC Porto dá um murro na mesa e tece severas críticas à Comissão Disciplinar da Liga. Adelino Caldeira, administrador da SAD, argumenta que Valentim Loureiro disse a um alto dirigente desportivo que Pinto da Costa seria inundado de processos, o que veio a acontecer.

4 – O FC Porto vence o FC Marco, em jogo particular, por 1-0. “Dragões” recebem faoxas de campeões nacionais.

5 – Peixe em entrevista ao «OJOGO»: “Não seremos coitadinhos na Liga dos Campeões”. Nova vitória em “amigável”, em S. Mamede Infesta (3-2).

6 – Fernando Santos admite que poderá introduzir algumas alterações no “onze” principal que vai apresentar em Braga: “Os médios têm que jogar mais perto da área contrária”.

7 – Domingos faz nova hiper-extensão na coxa esquerda e é obrigado a parar de novo.

8 – Paulinho Santos realista: “Ainda não estou a 100 por cento”.

9 - João Manuel Pinto é operado a uma hérnia estomacal.

10 - Rubens Júnior de fora dos convocados para Braga

11 – Vitória na Cidade dos Arcebispos por 1-0, Argel estreia-se pelos ”Azuis e Brancos”.

Estádio 1º de Maio – Árbitro: Vítor Pereira

Sp. Braga: Quim; L. Miguel, Odair, Idalécio e Lino; Moser, Jordão (Tiago 84’)e P. Lavoura; Castanheira (N. Cavaleiro 58’), Silva e Toni

Cartões amarelos: Lino 64’. Idalécio 81, Toni 87 e Quim 90’.
Supl. não utilizados: P. Morais, Barroso e A, Jorge.

FC Porto: Vítor Baía; Secretário, Jorge Costa, Argel e Esquerdinha; Peixe, Chainho (Aloísio 78’) e Capucho Deco, Alessandro (Drulovic 68’)e Jardel (Fehér 89’)

Cartões amarelos: V. Baía 75’ e Deco 39’.
Supl. não utilizados: R. Correia e R. Barros
Golo: Jardel 48’ (p)

12 – Argel agradado com a estreia: “Já me tiraram a pinta.” Rubens Júnior regressa aos eleitos contra o Molde, no pontapé-de-saída da Liga dos Campeões.

14 – Na Noruega, jornalistas portugueses impedidos de assistir ao último treino dos “Dragões”, por envergarem camisolas com a expressão «Save Timor».

15 – Vitória do FC Porto sobre o Molde, por 1-0, com golo à beira do fim: entrada com o pé direito na Liga dos Campeões e regresso às vitórias oficiais no estrangeiro, quase três anos volvidos.

Aker Stadion - Assistência: 9.000 - Árbitro: Hamer (Luxemburgo).

Molde FK: Bakke; Strande, Tessem, Fostervold, Dos Santos; Olsen, Hestad, Fjørtoft (88. Sundgot), Hoseth; Mork (46. Lindbæk), Lund.

FC Porto: Baía; Secretário, Jorge Costa, Argel, Esquerdinha; Chainho, Peixe (82. Paulinho Santos), Deco, Capucho (54. Alessandro); Drulovic (90. Aloísio), Jardel.

Cartão amarelo: Deco, Jorge Costa, Peixe.
Golo: Deco 89’.

16 – Vítor Baía peremptório: “Nunca jogamos para o segundo lugar”. Domingos faz ecografia e apresenta melhoras.

17 – Paulinho Santos vai estrear-se na I Liga contra o Rio Ave.

18 – Vitória sobre os vila-condenses, por 4-1. Jardel marca três golos.

Estádio das Antas - Árbitro Isidoro Rodrigues

FC PORTO: Vítor Baía; P. Santos, Jorge Costa, Argel e R. Junior; Peixe, Chainho (Rui Barros 54’) e Capucho (Alessandro 66\')Deco (Fehér 78’), Drulovic e Jardel

Cartões amarelos: Peixe 60’, Drulovic 80’e Jorge Costa 86’
Supl. não utilizados: Hilário e Aloísio

Rio Ave: Tó Luís, Armando Sá, Peu, Martins, Nito; P. Lima Pereira (Gama 45’), Niquinha (Sandro 59’) e Costa; André Jacaré (Alércio 32’), A. Jorge Vicente e Hugo Henrique

Supl. não utilizados: Tiago Borges e Sérgio China
Cartão amarelo: Niquinha 32’, Armado Sá 84’. Cartão vermelho: Peu 55’
 A. JorgeVicente 27’, Jardel 37’, 45’, 75’, Rui Barros 89’

19 – O “Bota de Ouro” super-confiante: “Quero bater todos os recordes.” Olympiakos chega ao Porto.

20 – Secretário, recuperado da lesão, regressa à equipa frente ao Olympiakos. 

21 – Vitória convincente sobre os gregos, por 2-0, abre as portas da segunda fase na Liga milionária.

Estádio das Antas - Assistência: 25.000. Árbitro: Elleray (Inglaterra).

FC Porto: Baía; Secretário, Jorge Costa, Argel, Esquerdinha; Chainho (75. Rui Barros), Peixe, Deco (90. Aloísio), Capucho (62. Alessandro); Drulovic, Jardel.

Olympiakos: Eleftheropoulos; Amanatidis, Amponsah (59. Gogic), Karataidis, Anatolakis; Poursanidis, Niniadis, Zahovic (75. Luciano), Djordjevic (90. Alexandris); Giovanni, Ofori-Quaye.

Cartões amarelos: Giovanni, Luciano, Peixe.
Golos: 6Esquerdinha 6, Jardel 47.

22 – Valentim Loureiro participa de Adelino Caldeira à Comissão Disciplinar da Liga. “Já o devia ter feito”, responde o administrador da SAD Portista.

24 – O FC Porto vence o Campomaiorense, por 2-0.

Estádio das Antas – Árbitro Paulo Paraty

FC PORTO: Baía; Secretário, Argel, Aloísio e R. Junior; P. Santos, Deco (Rodolfo 82’) e Chainho (Fehér 78’); Alessandro (Romeu 88’), Drulovic e Jardel.

Supl. não utilizados: Rui Correi e Jorge Costa
Cartão amarelo: Argel 15’, Deco 6’

Campomaiorense: Paulo Sérgio, Torrão, B. Mendes, Beke e Rogério Matias; Cao, Sousa e Abílio; Mickey, Laelson e Welington

Supl. não utilizados: Poleksic e Arley
Cartão amarelo: Sousa 23’, B. Mendes 60’, Cao 78’
Golos: Jardel 26’, Fehér 80’

26 – Rodolfo é a principal novidade nos convocados na viagem para Madrid, onde os “Dragões” defrontam o Real para a 3ª jornada da Liga dos Campeões.

28 – Derrota no Santiago Bernabéu por 3-1 arreda (momentaneamente) o FC Porto da liderança do grupo na Liga dos Campeões.

Estádio Santiago Bernabéu – Assistência: 27.000. Árbitro: Collina (Itália).

Real Madrid: Bizarri; Michel Salgado, Julio Cesar, Hierro, Roberto Carlos; McManaman (58. Seedorf), Helguera (84. Sanchís), Redondo, Sávio (90. Eto\'o); Raúl, Morientes.

FC Porto: Baía; Secretário, Jorge Costa, Argel, Esquerdinha; Chainho (58. Rubens Júnior), Peixe, Deco, Capucho (51. Alessandro); Drulovic (88. Feher), Jardel.

Cartão amarelo: Argel, Julio Cesar, Hierro.
Golos: Morientes 23’, Jardel 24’, Helguera 37’, Hierro (pen.) 68’.

29 – Vítor Baía e a grande exibição assinada em Espanha: “Gosto de pressão”.

30 – Ricardo Carvalho emprestado ao V. Setúbal.


Por: Nirutam

domingo, 26 de agosto de 2012

Segunda Liga: FC Porto B 1 - 2 D. Aves ( Crónica )










Primeira derrota no campeonato por parte do FC Porto B, apesar de uma exibição menos conseguida o resultado acaba por ser injusto, no entanto um golo irregular apontado por Rabiola (claramente em fora de jogo) e uma grande penalidade desperdiçada pelo central Tiago Ferreira, contribuíram para o insucesso.






Numa partida onde o técnico Rui Gomes não fez qualquer alteração no onze apresentado a meio da semana diante do Portimonense,enquanto o treinador do D. das  Aves procedeu a duas modificações, entrando Marafona para a baliza e Romeu para o meio-campo, para os lugares do Rui Faria e Valdinho respectivamente.

A turma visitante jogou num 4-2-3-1, distribuído com Marafona na baliza, quarteto defensivo formado por Leandro, Elvis, João Paulo e Mamadu, Lourenço e Tito no centro do miolo, contando com Grosso sobre o lado esquerdo do ataque e Vasco Matos sobre a direita. Na frente, o regressado Romeu nas costas do Rabiola.

O FC Porto B não podia ter começado da melhor maneira, com Dellatorre a fazer o tento inaugural (dos quatros golos da nossa equipa no campeonato, três deles são da autoria deste ponta de lança brasileiro), após boa combinação entre Pedro Moreira, Edú e Sebá. 







Com o golo a surgir na fase inicial, o jogo podia ter outra tranquilidade e confiança aos nossos jogadores, mas diga-se que o FC Porto nunca foi dominador e por diversas ocasiões saía a jogar com alguma passividade, apresentando pouca mobilidade na última fase de construção.





Pouco a pouco o Aves foi subindo no terreno, também sem criar perigo de maior junto do Stefanovic, até cerca dos 27 minutos da primeira parte, a equipa avense chega ao empate, num tento marcado por Grosso, aproveitando um erro de marcação de Diogo Mateus, ganhando-lhe as costas.

O jogo em si foi muito equilibrado, mais musculado do que propriamente técnico (características muito próprias nesta Liga), o Aves apesar de ter mais qualidade, outro traquejo nestas andanças e ser um dos candidatos à subida, nunca foi superior ao FC Porto B, optando o seu treinador por um modelo de jogo com maior ênfase na contensão, tentando partir pela certa para o ataque e raramente o nosso sector defensivo foi obrigado a trabalhos extra.

Numa altura em que as duas equipas já estavam reduzidas a dez elementos (vermelho direto a Dellatorre e João Paulo), o Aves faz o 2-1, num lance claramente irregular, por fora de jogo de Rabiola ( estava "acampado" à frente do Stefanovic).

Para "ajudar à festa", Tiago Ferreira permite a intervenção de Marafona na marca dos 11 metros (boa decisão do árbitro).

Exibição menos conseguida por parte da nossa equipa B onde mais uma vez foi notória algum afastamento entre o meio-campo com o ataque e assim fica difícil criar desequilíbrios, temos visto alguns momentos de inspiração individual e pouco mais. É uma equipa em crescimento e o futuro certamente será risonho, no entanto muito trabalho pela frente! 

Seria importante a inclusão de jogadores da equipa principal nos jogos da B.



ANÁLISES INDIVIDUAIS: 

Stefanovic - Não teve muito trabalho. Sem possibilidades de defesas nos dois golos sofridos.

Diogo Mateus - Mancha a sua exibição com um erro clamoroso que dá o empate ao adversário. Quanto ao resto, até estava cumprir na defesa, e no ataque procurou estar sempre disponível para as acções de acompanhamento.

Zé António - Mais uma vez bastante tranquilo e a ser voz de comando no centro da defesa. Tem um corte excepcional que impede que Vasco Rocha se isole.

Tiago Ferreira - No 2-1 não tem culpa do assistente não ter assinalado a posição irregular a Rabiola. Esteve bem ao lado de Zé António, Pena a grande penalidade desperdiçada.

Victor Luís - Não esteve tão activo no flanco esquerdo como se previa, mas com a passagem de Vasco Matos da ala direita para a esquerda, começou a dar outra profundidade. Tem um remate à trave (a bola ressalta em Tito).

Mikel - Sacrificado após o golo apontado por Rabiola. Estava novamente a rubricar uma exibição positiva e nota-se que está em crescendo de jogo para jogo!

Pedro Moreira - O melhor em campo! Bastante disponível como é hábito, entrega fantástica, e foi muito importante após a saída de Mikel, dando equilíbrio importante nos momentos defesa/ataque e ataque/defesa.

Edú - A "formiguinha" sempre irrequieta, é pena os restantes não acompanharem da devida forma a dinâmica e mobilidade que confere ao jogo da nossa equipa.

Sebá - Durante os 90 minutos passou pelas três posições do nosso ataque sem nenhum apontamento de registo, exceptuando um cabeceamento perigoso após remate à trave do Victor Luís.

Dellatorre - Pleno de oportunidade marcou o único golo da nossa equipa, ganhando o duelo com João Paulo, não dando possibilidade a Marafona. Completamente evitável a sua expulsão!

Fábio Martins - Muito discreto, tendo poucas participações com bola no ataque, acabou substituído com toda a naturalidade. 

Fred Maciel - Primeira aposta de Rui Gomes vinda do banco, mas passou despercebido, contando com um bom remate, após variação da esquerda para o meio.

Vion - Bem marcado pelos centrais, só por uma vez teve espaço para criar algum perigo, contudo o cabeceamento não saiu da melhor maneira.

Tozé - Soube a pouco os minutos em que esteve em campo. Deveria ter mais oportunidades, até porque este é daqueles que não engana. Não esperem que ele brilhe jogando 15/20 minutos.

FICHA DE JOGO:

FC Porto-Desportivo das Aves, 1-2
Segunda Liga, quarta jornada
26 de Agosto de 2012
Estádio de Pedroso, em Vila Nova de Gaia

Árbitro: Pedro Gonçalves (Guarda)
Assistentes: Pedro Ribeiro e Miguel Aguilar

FC PORTO: Stefanovic; Diogo, Zé António, Tiago Ferreira, Victor Luís; Mikel, Edú, Pedro Moreira; Sebá, Dellatorre e Fábio Martins.

Substituições: Frédéric por Mikel (57’), Vion por Fábio Martins (68’), Tozé por Edú (73’)
Não utilizados: Elói, Bruno Silva, David e M’Bola.

Treinador: Rui Gomes

DESP. AVES: Marafona; Leandro, Élvis, João Paulo, Mamadou, Tito, Grosso, Romeu, Lourenço, Vasco Matos e Rabiola.
Substituições: Renato por Romeu (45’), Romaric por Rabiola (66’), Vasco Rocha por Lourenço (82’)

Treinador: José Vilaça

Ao intervalo: 1-1

Marcadores: Dellatorre (5m), Grosso (26m) e Rabiola (55m)

Cartão vermelho: Dellatorre e João Paulo (49m)


Por: Dragão Orgulhoso

Juniores Sub19: FC Porto 4 - 0 Paços Ferreira (Crónica)




À terceira foi de vez!

Perante um Paços Ferreira com um futebol ingénuo e uma equipa mediana/fraca, o FC Porto estreou-se a ganhar na terceira jornada do Nacional de Juniores Sub19 Zona Norte.






Os Jovens dragões entraram em campo a jogar o quanto baste, numa tarde ventosa mas de muito calor, mesmo em ritmo baixo a equipa foi construindo várias oportunidades de golo, com destaque para um remate do Chinês Li após cabeceamento do perdulário André Silva. 







O jogo desenrolava-se,os jovens dragões porfiavam mas o golo tardava a aparecer, chegar-se-ia ao intervalo com o marcador em 0-0, o que constituía um castigo para o futebol insípido praticado.

Na segunda metade do encontro a turma da casa entrou naturalmente com outra vontade ( esta época as más primeiras partes parece que estão a ganhar adeptos) e aos 50 minutos André Silva (que já tinha desperdiçado algumas ocasiões de golo)num excelente golo de cabeça faria abanar as redes e inaugurar o marcador, estava feito o 1-0.

Com a confiança do primeiro golo a jovem turma azul e branca empolgou-se e produziu momentos de bom futebol, ora como jogar bem é quase sempre meio caminho andado para o ingrediente máximo do futebol ou sejam os golos, não foi de estranhar que o marcador voltasse a funcionar e Ivo na sequência de uma grande penalidade (que ditou a expulsão do guarda-redes adversário) aos 65 minutos, colocaria o marcador em 2-0.

O marcador não ficaria por aí, Rui Cardoso aos 73 minutos marcaria o 3-0, e André Silva poria o resultado nos definitivos 4-0 e estava consumada a goleada.

Boa segunda parte materializada com 4 golos e uma exibição bem conseguida.


Ficha de jogo:

FC Porto: Kadu, Marcelo Magalhães, André Ribeiro, Lima Pereira (André Graça 46m), Rafa, Tomás Podstawski, Diogo Belinha, Shuai Li (Rui Cardoso 58m); Raul (Francisco Ramos 46m), Ivo, André Silva.

Treinador: Nuno Capucho

Paços Ferreira: Freitas, Fred, Miranda, Rui Filipe, Pitufe, Sousa, Osório(Wadir 59m), Valente, Ivo(Rodrigo 73m), Sobrado (Maia 64m), Miguel.

Treinador: Nino

Intervalo: 0-0

Golos: André Silva (51 e 87m), Ivo Rodrigues (65 gp), Rui Cardoso (73m).

Cartões amarelos: Lima Pereira (28m), Sousa (31m), Osório (56m), Graça (56m), André Ribeiro (66m), Rui Cardoso (78m).

Cartões vermelhos: Freitas (62m).


Por: Rabah Madjer

FC Porto 4 - 0 V. Guimarães (Crónica e apreciações individuais)




Decisões simples, mas boas, obrigam a equipa a jogar melhor.






O FC Porto não jogou melhor frente ao Vitória de Guimarães do que havia feito em Barcelos por estar mais entrosado, com maior velocidade na transição ofensiva ou porque teve a sorte de marcar na sua primeira oportunidade de golo. Nem, tão pouco, porque a oposição do Vitória de Guimarães tenha sido, significativamente, mais frouxa que a da equipa Barcelense, ou pelo factor casa.







O FC Porto jogou melhor porque Vítor Pereira foi confrontado com a necessidade de tomar decisões. Vítor Pereira percebeu que já não tinha tempo para as adiar. Tomou as decisões mais simples, que são sempre as mais efectivas.

Na análise ao jogo de Barcelos, terminamos a crónica com duas interrogações:

Até quando vamos jogar só com um extremo?
Até quando não vamos jogar com o melhor 10 do campeonato?

Felizmente, a primeira questão e a mais premente, teve a sua resposta hoje! Vítor Pereira decidiu manter-se fiel ao 4-3-3 e não truncá-lo com um falso extremo. Uma decisão sábia. Manter o 4-3-3 não abriu mais uma frente de polémica e manteve a equipa confortável com a sua táctica usual. Ao jogar com dois extremos, o FC Porto abriu a sua frente de ataque e não permitiu ao Vitória de Guimarães imitar o Gil Vicente. O FC Porto circundava toda a defensiva vimaranense e não permitia que os laterais contrários se libertassem de tarefas defensivas.

A segunda pergunta foi parcialmente respondida. James ainda não é o nosso criativo titular, mas, pelo menos, parece que está dada por encerrado o seu desterro nos flancos. A sua entrada em campo, para ocupar aquela que é a sua posição, demonstrou que é ali, de facto, onde James é um jogador à parte neste campeonato. Foi preferível ver James no banco e permitir a equipa respirar num verdadeiro 4-3-3, que prolongar o sofrimento táctico da equipa e o sofrimento individual do jogador adaptado. As decisões de Vítor Pereira não se ficaram por aqui. Ao dar a titularidade a Alex Sandro e Danilo, ficou evidente que a não titularidade de ambos em Barcelos deveu-se a questões do foro mítico que a substanciais motivos futebolísticos. Estavam prontos e disponíveis.






Com decisões simples e certeiras, o FC Porto entra em campo dominador. Dois laterais com capacidade física e técnica para percorrerem os dois corredores e um meio campo estruturado que não se deixava empurrar ou abafar pelo meio campo vimaranense. O Vitória de Guimarães fechava-se como podia, à espera que a maré azul e branca passasse. Mas não passou, nem poderia passar. As decisões tomadas obrigavam a equipa a manter-se no controlo do jogo e em cima do adversário, mesmo com dificuldades de entrosamento no jogo ofensivo e sem velocidade nas transições. Alex Sandro enchia o flanco esquerdo e Hulk arrasava no direito.





FC Porto chega ao golo no primeiro lance de perigo. É uma jogada que demonstra a vantagem táctica de ter um 4-3-3 com dois extremos abertos e um meio campo estruturado. A jogada inicia-se no flanco direito com Danilo. Atsu faz um movimento interior, arrastando o seu defesa. Atsu recebe a bola de Danilo e dá de primeira para Moutinho. Este coloca em Fernando que está a meio do meio campo vimaranense. Fernando, de primeira, mete em Lucho que entra no espaço deixado por Atsu. Tenta colocar a bola em Jackson, mas esta ressalta. Lucho ganha, de novo, o controlo da bola, aproveita a vantagem e com um remate em arco faz o primeiro golo. Uma jogada desenvolvida em cima do meio campo defensivo do Vitória de Guimarães e a toda a largura do terreno. É impressionante o que se ganha com um par de decisões simples, mesmo com a equipa a não exibir um futebol de encanto.

A partir daqui, foi Alex Sandro quem mais brilhou. Primeiro, assiste Hulk para um remate cortado pela mão do central do Vitória de Guimarães na área. Mais um penalti por marcar no Dragão. Depois, cruza para Lucho que remata de primeira, mas Defendi intercepta. A fechar a primeira parte, Atsu com um remate em arco quase marca.

Não foi um domínio avassalador, mas mais que suficiente para o FC Porto sair para o intervalo com um resultado mais dilatado.

A segunda parte começa com um ritmo muito baixo. O Vitória de Guimarães fecha-se, mas depois, tenta procurar espaços para atacar a baliza Portista. Com a saída de Barrientos, o Vitória de Guimarães procura fazer de Toscano um criativo mais influente para a equipa. Ricardito e Marco Matias tentavam bloquear a progressão dos laterais portistas e acompanhar Soudani no ataque. Mas o Vitória de Guimarães só criaria perigo de bola parada. Num canto, Helton soca defeituosamente e Soudani falha o alvo por pouco. O aviso estava dado, era preciso revitalizar o jogo ofensivo do FC Porto. Faltava quem agarrasse a criação de jogo ofensivo. À falta de resposta do banco, a solução veio de Hulk. Lucho faz um corte soberbo a meio campo e corta a transição vimaranense. Coloca, imediatamente, em Moutinho e o FC Porto ganha vantagem táctica na zona interior. Moutinho só teve que colocar a bola para o correr do gatilho de Hulk. Bomba e 2-0 no marcador.




Após o 2-0, só houve FC Porto em campo. O 3-0 demoraria cinco minutos. Mais uma vez, largura total no terreno de jogo. Lucho e Fernando abafam a saída de bola vimaranense. A bola sobra para Hulk no flanco direito e Lucho dispara para a área. Hulk faz uma ligeira pausa e abre para o flanco esquerdo onde entra Alex Sandro. O brasileiro ganha o espaço interior, mas abre, de imediato, para Atsu encher o pé. A sobra do guarda-redes vimaranense fica para Lucho que termina em golo a jogada que iniciara a meias com Fernando.






Com o 3-0, Vítor Pereira dá descanso a Lucho e coloca James a 10. A vida do Vitória de Guimarães não iria ficar facilitada. A imprevisibilidade e velocidade do passe aumentaram. O FC Porto começa a jogar de pé para pé e metendo velocidade no passe. Numa dessas jogadas, James, Moutinho e Alex Sandro envolvem a defesa do Vitória de Guimarães e Moutinho é derrubado na área. Penalti para Jackson converter, com abuso de estilo, mas com classe!

Com o 4-0 o FC Porto descansou. Por duas vezes rondou o 5-0. Primeiro, é James que faz uma abertura primorosa para Hulk chutar cruzado e rente ao poste contrário. Já perto do fim, Jackson demonstra qualidade. Recebe na área, prega o seu adversário no relvado, roda sobre ele e remata cruzado. Falhou, mas por uma unha negra…

O que falta? Mais entrosamento e, sobretudo, mais velocidade na transição ofensiva. Depois, que Vítor Pereira saiba usar os seus “meios campos”. Temos possibilidades de usar múltiplas derivações no trio de meio campo que nos permitem jogar jogos diferentes com soluções distintas.

Ainda assim, o que faz mesmo falta é sossego. O sossego que só se terá com o mercado fechado. Até lá, é aguentar!



Análises Individuais:

Helton – Num jogo em que foi pouco mais que espectador, não esteve ao seu nível no único lance em que a equipa precisou dele. Socou mal e para uma zona proibida!

Danilo – Na primeira parte, jogou de forma mais defensiva. Era a sua estreia esta época e optou por uma abordagem conservadora. Nota-se que ainda não está o seu melhor momento de forma física. Na segunda parte, mesmo quando a equipa jogava pior, foi um dos melhores em campo. O flanco direito começou a carburar ao nível do flanco esquerdo e muito se deveu a Danilo.

Alex Sandro – O homem do jogo. Nem de propósito. Rei morto, rei posto! Está nos últimos dois golos e em muitas outras jogadas de perigo. Pelo meio, meteu o jovem talento do Vitória de Guimarães no bolso. Uma exibição portentosa!

Maicon – Imperial. Só faltou um golo de livre! O Vitória de Guimarães não chegava à frente e os centrais quase que tiveram uma folga.

Otamendi – Está a formar com Maicon uma dupla sólida. Mais um bom jogo.

Fernando – Eclipsou Barrientos e depois Toscano. Jogou dentro do meio campo do Vitória de Guimarães. Uma classe tremenda, só manchada com uma infantilidade perante Ricardito.

Moutinho – Ainda não foi uma exibição à Moutinho, sobretudo no início da segunda parte. Participou em 3 golos, matou muito jogo do Vitória de Guimarães e foi interventivo no jogo ofensivo. Veremos o que nos aguarda nos próximos dias. É isso que o limita.

Lucho – Grande jogo do capitão! Muita vontade em preencher o espaço até Jackson e tenacidade na luta a meio campo. Apareceu muitas vezes na área para concluir jogadas. Ainda assim, onde mais se evidenciou foi no jogo a meio campo. Grande recuperação de bola para o 2-0. Essa foi de craque!

Atsu – Fez um jogo um pouco atabalhoado. Esteve algo trapalhão com a bola, mas deu à equipa profundidade pelo seu flanco. É um menino que precisa de tempo para crescer e confiança para evoluir. Precisa de ser mais objectivo e mais firme nas suas acções.

Hulk – Um jogo à Hulk. Grande golo, mais alguns momentos de levantar o estádio e outros onde não tomou a decisão correcta. Mas faz sempre a diferença. Sempre. E isso é algo que se paga caro no mercado mundial. Bem caro.

Jackson – Foi um jogo estranho. Esteve sempre dentro do jogo, mas este não lhe chegava em condições. Sofreu e soube sofrer. Foi premiado com um penalti que converteu de forma abusiva. Tinha que deixar a sua marca. No último minuto do jogo, demonstra todo o seu potencial! Três jogos, dois golos! Temos homem.


James – Jogou na sua posição e iluminou o campo. Ali é um craque.

Varela – Nem se viu. Uma vez mais! Ou melhor, deu-se por ele quando atrapalhou Alex Sandro!

Defour – Deu tempo para Moutinho pensar na sua vida e ganhar mais uns minutos de jogo.




FICHA DE JOGO:

FC Porto-Vitória de Guimarães, 4-0
Liga, segunda jornada
25 de Agosto de 2012
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 35.503 espectadores

Árbitro: Hugo Miguel (Lisboa)
Assistentes: Pedro Garcia e Hernâni Fernandes
Quarto árbitro: Luís Ferreira

FC Porto: Helton; Danilo, Maicon, Otamendi e Alex Sandro; Fernando, Lucho e João Moutinho; Hulk, Jackson Martínez e Atsu.
Substituições: Lucho por James (76m), Atsu por Varela (76m) e João Moutinho por Defour (80m)
Não utilizados: Fabiano, Kleber, Miguel Lopes e Mangala
Treinador: Vítor Pereira

V. Guimarães: Douglas; Alex (cap.), N’Diaye, Defendi e Bruno Teles; El Adoua e André André; Ricardo, Barrientos e Toscano; Soudani
Substituições: Barrientos por Marco (46m), Marco por Lalkovic (64m) e Toscano por Leonel Olímpio (73m)
Não utilizados: Matej, Leandro Freire, João Ribeiro e Siaka Bamba
Treinador: Rui Vitória

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Lucho (16m e 71m), Hulk (66m) e Jackson Martínez (80m, g.p.)
Cartão amarelo: Defendi (80m) e Leonel Olímpio (90m)

Palavras do Treinador:

"Jogadores mereceram salva de palmas"


Vítor Pereira agradeceu aos jogadores a exibição e a vitória sobre o Guimarães, dedicando a goleada à massa associativa, que "merecia um jogo assim". Lucho González desvalorizou ter sido ele o autor de dois golos e mostrou satisfação "pela boa diferença no marcador".

Vítor Pereira

"Fizemos um jogo sem mácula. Dinâmica muito grande. Todos os jogadores contribuíram para um bom jogo. Bom jogo também para quem viu".

"Todos contribuíram para um excelente jogo e estou satisfeito pela massa associativa, que merecia um jogo assim".

"Só comentarei saídas e entradas concretas. Hulk fez mais um grande jogo. Está cá, conto com ele. Quero dar os parabéns à equipa pelo jogo que fez, mereceram esta salva de palmas".

Lucho González

"Não mudou nada, o que nos faltou no primeiro jogo foi concretizar uma das muitas ocasiões. Sabemos que neste clube não se pode ter dois empates seguidos e fizemos um bom jogo. O importante é a equipa ganhar, quem marca não interessa. Ainda nos falta um pouco de ritmo, mas jogámos a ritmo alto e alcançámos uma boa diferença no marcador".

"Neste clube é normal notícias de transferências, até dia 31 vai haver mais, mas, como dizemos, todos estamos concentrados neste grupo. Se ficarem connosco muito melhor. Se alguém sair há que lhe

Por: Breogán

sábado, 25 de agosto de 2012

FC Porto - Guimarães. Saiba aqui como ver o jogo.



Veja em baixo como ver o jogo:


Veja o jogo AQUI

Segunda Liga: FC Porto - D. das Aves ( Antevisão)







Aproxima-se mais um jogo complicado em perspectiva para a nossa equipa "B", uma vez que o Aves é das equipas mais fortes deste campeonato e o momento para os dragões não é de todo o melhor, com os três empates alcançados até ao momento.





No que diz respeito a qualidade de jogo o D. das Aves foi das equipas que melhor futebol praticou na Segunda Liga e não seria escandaloso caso tivesse alcançado a subida, uma vez que tinha plantel para isso, contudo as coisas não correram de feição.

Será difícil substituir João Pedro, Tiago Valente, Nelson Pedroso, Pedro Cervantes, Pedro Pereira e Pires, ou seja, estamos a falar da saída de seis titulares! Apesar de tudo, o Aves é sempre uma equipa candidata aos primeiros lugares dados os atletas que contratou, existindo mesmo condições de lutar pelos primeiros lugares.

Além destas saídas importantes, realçar igualmente a mudança de técnicos, Paulo Fonseca substituído por José Vilaça, em virtude da sua ida para a Mata Real para o Paços Ferreira.

Até fecho do mercado, provavelmente o clube Minhoto poderá receber mais um ou outro reforço que possa somar qualidade, mas atendendo aos disponíveis para este encontro, não acreditamos que o técnico proceda a muitas alterações em relação ao último encontro. Uma das suas últimas aquisições prende-se com o empréstimo de Marafona (um dos melhores guarda-redes desta Liga), tratando-se de um regresso, mas em virtude de ter chegado mais tarde, pelo menos nestes primeiros jogos o Rui Faria deve manter o posto entre as redes.

Defensivamente, o expectável é apostar nos laterais Leandro e Mamadu, sobre o lado direito e esquerdo respectivamente, com a dupla de centrais formada pelo experiente Élvis e por João Paulo. No meio-campo, não deverá existir igualmente qualquer alteração, isto é, Tito como pivot defensivo (é um "crime" nunca ter jogado na Liga Sagres), como interiores Lourenço (excelente aquisição) e Grosso, sendo que no ataque deverá ser composto pelo trio formado por Valdinho (existe possibilidade de Dally jogar no seu lugar) e Vasco Matos nas alas, com o Rabiola a ser o ponta de lança.

Neste campeonato a experiência é fundamental, algo que tem faltado às equipas "B", mas a época é bastante longa e com o tempo as coisas irão melhorar. Atenção à velocidade colocada pelo Aves no último terço do terreno e situações de bola parada.

Na nossa equipa, Sérgio Oliveira será baixa certa (expulso no jogo diante do Portimonense) e do onze que se apresentou em Portimão, a única novidade poderá ser o regresso do David Bruno ao onze, mas atendendo à forma como Rui Gomes vem trabalhando a equipa juntando ao facto de não ser um técnico de muitas mexidas, o mais provável é manter o mesmo onze, incluindo a titularidade de Pedro Moreira.



Palavras do Treinador:

«ESTAMOS MUITO PRÓXIMOS DA VITÓRIA» - RUI GOMES

Rui Gomes espera um jogo de “muitas dificuldades” contra o Desportivo das Aves (domingo, às 18h00), mas acredita que a primeira vitória do FC Porto B não tardará. Depois de três empates nas rondas iniciais da Segunda Liga, toda a equipa está focada na conquista da totalidade dos pontos em disputa neste regresso ao Estádio de Pedroso.

Adversário impõe respeito, mas não assusta

“É assumido pelo Desportivo das Aves que são dos principais candidatos à subida e, por isso, as dificuldades são as expectáveis para um jogo contra uma das equipas mais fortes, mais maduras e experientes da competição. O Desportivo das Aves tem bons jogadores, uma equipa de qualidade e com muita experiência. Já no ano passado andou sempre nos lugares cimeiros e esteve até ao fim a lutar pela subida, que não conseguiu. Este ano mantém os objectivos e quer subir de divisão, portanto espero um jogo difícil, como têm sido todos os jogos deste campeonato.”

Cansaço é superado pela motivação

“Pode acontecer [os adversários] estarem mais frescos, porque tiveram a possibilidade de alterar o jogo de quarta-feira passada, coisa que nós não pudemos fazer, e isso pode ser uma vantagem. Mas estou convencido de que, atendendo aos cuidados que estamos a ter na recuperação e na preparação, a condição física não será um factor decisivo no jogo. Poderá ser, mas nós esperamos que, com o trabalho que temos feito, essa diferença seja esbatida e que possamos, por outro lado, rentabilizar o ritmo competitivo que temos vindo a ganhar com esta densidade competitiva e que isso se traduza numa maior intensidade e maior qualidade no nosso jogo.”

Foco total nos três pontos

“Sinto mais frustração do que ansiedade [por ainda não ter ganho]. Fiquei com a sensação, em cada um dos três jogos, que o resultado podia ter sido diferente a nosso favor. O jogo de quarta-feira voltou a confirmar essa ideia. Quando uma equipa quer muito ganhar e, por motivos diversos, fica com a sensação de que as coisas poderiam ter corrido melhor, tem de lidar com a frustração de não ganhar uma, duas e três vezes. Não digo que isso retire confiança, mas cria alguma impaciência e, seguramente, alguma frustração, que todos temos pelo facto de os resultados não estarem a corresponder ao que queríamos. Espero é que em termos de vontade, intensidade, entrega e comprometimento com o jogo isso não tenha qualquer tipo de influência e possamos entrar em campo da forma que temos feito, com uma enorme vontade de vencer.”

Ninguém pensa em baixar as expectativas

“Penso que haveria um risco grande de isso acontecer, se os jogadores não sentissem que de facto têm estado ao nível do que o jogo tem pedido. Se as nossas expectativas fossem muito elevadas e depois aquilo que nós estivéssemos a confirmar na disputa de todos os jogos fosse inferior, por não estarmos a conseguir acompanhar esse ritmo e essa complexidade, aí admito que teríamos de reformular e reequacionar os nossos objectivos. Não é isso que tem acontecido e, pelo contrário, sentimos que estamos muito próximos de ganhar, mas, simplesmente, não estamos a conseguir. Temos de procurar a vitória ainda com mais vontade, porque não estamos assim tão longe quanto isso.”

Anderson Silva, para crescer e ajudar

“Para já, o Anderson traz-nos mais uma opção para a posição de defesa-central, porque só tínhamos duas. É um jogador que ainda vem “em bruto”. É um jogador muito jovem, com hábitos de jogo muito diferentes dos nossos, porque no Brasil o que se pede a um central é algo muito diferente do que se pede aqui, mas vemos nele potencial e margem de progressão e esperamos que ele se consiga adaptar a nós, à nossa forma de jogar e ao futebol europeu. Espero que ele possa, se não a curto prazo, a médio prazo, acrescentar algo a esta equipa e, um dia, quem sabe, à equipa principal do FC Porto.”

Futuro será risonho para todos

“Todos os jogadores desta equipa poderão chegar ao plantel principal. Há que notar é que se trata de jogadores muito jovens, com pouca experiência e ainda a atravessar um processo de crescimento, que passa precisamente por mostrar competências para poder chegar à equipa A. Estou convencido de que daqui a algum tempo estaremos a falar de um patamar de rendimento muito diferente, ainda mais elevado, com jogadores ainda mais confiantes e mais próximos daquilo que realmente valem. Esta não é a melhor altura para fazer essa avaliação [de quem poderá atingir, ou não, o plantel sénior], mas a vontade de todos eles é mostrar muito e é natural que isso até lhes possa tirar algum discernimento, mas todos estes jogadores têm grande ambição e, quando tudo isto estabilizar, já teremos uma ideia muito mais próxima daquilo que eles poderão realmente render no futuro.”


Por: Dragão Orgulhoso
>