sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Roubar para bloquear …



Roubar para bloquear …

Começo por endereçar os meus parabéns e agradecimento à forma corajosa e guerreira como os atletas e equipa técnica do FC Porto lutaram contra tudo e contra todos até à última réstia de forças que tinham, sem nunca dar sinais de esmorecimento ou de ter desistido, de forma a vencer o último jogo para a Liga Nós frente ao Chaves. Todos sabíamos como estes três pontos eram fundamentais para a prosseguir a recuperação na tabela classificativa e manter acesa a luta pelo título.

domingo, 18 de dezembro de 2016

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

O circo de Natal



penálti, não estou a gozar!!" Ahahahahahahahahahhahaha!!

O circo de Natal

Salt'o palhaço em palco
Pr'a já marcar o penálti!?
Ai, que risada grácil 
Qu'ele faz só c'um salto!

O Estado Lampiânico



Kadhafi dos pneus...

O Estado Lampiânico

Bem sei qu'a expressão não é original,
Na propriedade do Pina,
Mas o que dela s'ensina 
Do mundo em Portugal?

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016



Quantas mãos levantam um troféu?


Emanuel Leite Jr.

Reza a lenda que, em 1823, um jovem chamado William Webb Ellis, que defendia a Rugby School, teria pego a bola com a mão e corrido com ela até a linha de fundo. Este ato infracionário teria, de acordo com o mito, dado origem a uma nova prática desportiva, o râguebi. A verdade é que apenas em 1863 houve a formalização das regras do futebol, com a criação da Football Association, codificando o desporto em sua forma moderna. E neste código, não era permitido aos jogadores, com exceção do guarda-redes, jogar com as mãos. Em 1871, então, foi fundada a Rugby Football Union. Mas por que inicio o texto relembrando esta cisão do século 19? É que a julgar por dois dos três clássicos já disputados na Liga Portuguesa 20016/17, os árbitros portugueses aparentam desconhecer a regra fundamental que gerou ao mundo dois desportos distintos: o uso da mão. Em ambos os clássicos, o Sporting esteve presente. Porém, na soma das duas ocasiões, foi o Porto que saiu prejudicado.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Napolitana



Não uma, mas duas, por favor! No total seis, pode ser?


Napolitana

Eu não vos disse
Qu''isto dava Pizza?
Salvou-os qu'a Shoarma Pita
Fosse uma quiche!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Carta ao lampião


Um grande TEÓRICO! (Era bem pior c'os pés...)


Carta ao lampião

Caro Pedro Henriques,
Eu sei qu'ostentast'o brasão
(que vergonhosa lição),
Mas não t'estiques!!...

domingo, 4 de dezembro de 2016

Esquizofrenia

Ser PORTO!!
#serporto #espiritosanto #ruipedro #fcporto #xistrema #poesia #joker


Esquizofrenia

Veja lá Sr.Doutor,
O estado em que m’encontro,
Que num tempo de desconto
Sinto ódio e amor!?

sábado, 3 de dezembro de 2016

Fatalidade



Para a próxima é o Máximo com a máxima: "O benfica é com'as virgens, até nas orelhas têm vertigens..."

FATALIDADE

Olh'a novidade:
Perdeu o benfica!!?
Quem é qu'acredita
Em tal fatalidade?!

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Zero!

Sem alma...


Zero!

Zero!
Zero absoluto!
Nem eu já luto,
Ou exaspero!

Um completo zero
Ou coisa nenhuma!
Nem réstia d'alma
Pr'a apontar o erro!

domingo, 27 de novembro de 2016

Carta ao Pai Natal


Caro Pai Natal,
O que me porto bem!
E não há nisto ninguém
Que me seja igual!!

E peço-te este Natal
Uma coisa singela:
Não ficar a meio da tabela
No campeonato de Portugal!?

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Massacre!?

Dizem que foi um massacre
Ali aos pés d’Istambul,
E que tomaram a Mesquita Azul
Como se foss’o Acre!
E esse “cristão”
Trajado d’encarnado,
Se tivesse vingado
Sobr’as muralhas do Sultão!!

terça-feira, 20 de setembro de 2016

domingo, 29 de maio de 2016

Male$ de ge$tão


Male$ de ge$tão

Acabou a época 2015/2016 para quase todas as modalidades, e o balanço é desastroso, apenas o basquetebol profissional do Clube honrou os pergaminhos de um Clube como o Futebol Clube do Porto.

segunda-feira, 7 de março de 2016

quinta-feira, 3 de março de 2016

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

SINAL ABERTO




Não sejas Inácio!
Subscreve a Btv!…
Ali quem a vê
Não peca por plágio!

Sem Defesa



Depois de um período muito conturbado marcado por sucessivas humilhações e derrotas, ou derrotas humilhantes com equipas de escalões inferiores (na taça da liga) ou por equipas que lutam para não descer de divisão ou apontam ao meio da tabela no campeonato nacional (Arouca e outras mais), surge uma vitória que tem tanto de inesperado como de delicioso!
Sim, refiro-me à recente e inesquecível vitória do FC Porto em pleno Estádio da Luz frente ao colo colo de Carnide, que segundo muitos iria massacrar o FC Porto infligindo-lhe uma pesada e histórica goleada.

CLUBE DE V(E)IGARISTAS


Têm a mesma escola,
Do alfinete na lapela!
E se vistos na farpela,
São uns gentleman de cartola!

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Grito!!!

Ecoou o grito,
Quem sabe o único…
Qu’eu não sou cínico
No qu’acredito!

E na cidade distante
Ecoou o meu grito!
E como é qu’explico
Ser nisto emigrante?!

E ver o meu Porto
Em transcendência!
Ali na Amazónia
A vencer o “outro”…

O grito de golo
Ali por Belém,
Eu e mais ninguém…
Tomado por tolo!?

Ecoou o grito,
Ali no Amazonas!
Estávamos nas lonas…
Mas eu acredito!!

E quanto sufoco
No calor inclemente;
No meio de tanto gente
Gritar tanto por louco!!!

Vencer o regime
Ali no seu estádio,
Não há maior gáudio
No meu grito firme!

Sim, sou PORTO!
Em qualquer local,
E não há grito igual
No meu lastro rouco…

E sim quem diria
Que íamos vencer?
Que nisso me fiz crer
Enquant’o jogo via…

E mesmo tão longe,
O meu coração bateu!
O meu Porto não morreu,
Ressuscitando hoje?!

Vamos ser campeões
Contra tudo e todos!!
E eu nos meus bons modos,
Fi-los ver Dragões!

Aquele clube campeão
Lá de Portugal,
Que não há outro igual
Em tal grito, irmão!

Por: Joker


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

(In)Decência

São uns valentões
Por roubar crianças
Das suas lembranças,
Sem contemplações!

E s’o visado
For deficiente,
É mesmo ali à frente
Ainda assim roubado!

Pois que perdedores
Da meia-final,
Quem vê nisto mal
Furtarem valores?

E perante’o indefeso
Mostram valentia,
E pois quem diria
Que ninguém vai preso?

Os membros da claque
Tidos por guerreiros,
São nist’os primeiros
A formar destaque?

Quanta violência
Pr’a roubar um menino,
Que depois do assassino,
Haja inocência?

Não basta matar,
Queimar transportes!?
Qu’ainda são fortes
Pr’o inocente roubar?

Depois da droga
Resgatada da Luz,
O qu’a isto conduz
Senão nova moda?

Roubar inocentes
Em pleno estádio,
Só p’lo gáudio
De serem diferentes?

Não há nist’o limite
Pr’a rivalidade?
Em que sociedade
Se vê nisto despique?

Ter essa capacidade
De não sentir empatia,
De ver na criança alegria
Por pura maldade!?

Roubar-lh’o presente
Desse guardião,
Só por ter razão
D’estar contente?

E na sua desgraça
Por ser deficiente,
Alguém indiferente
Fazer-lh’a trapaça?

Que tipo de gente
Pode assim actuar,
Pr’a poder “ganhar”
De modo indiferente?

E nesta indignação
Qu’a todos nos assola,
Qu’o mundo da bola
Possa ter compaixão…

E independentemente
Dessa cor clubística,
Nos sobrar a mística
Doutro ser decente!

Por: Joker

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

O COMENSAL

O COMENSAL

O boneco sempre-em-pé
Tem traço de futebolista,
E só por si é “Vieirista”
Na aparência que não o é!

E no registo volumoso
Em que incendeia a segunda,
No “prolongamento” aprofunda,
Ser dos recados, o moço!

E no passado de jogador
Ali na Damaia,
Sabe-se da sua laia,
O comentador!

E se d’outro lado, o Pina
Lá engraça tod’o chiste,
Ao Guerra nota-s’o chispe
Na verve assassina…

Mas defende o juiz,
E nisto o sistema,
Qu’a margem pequena
Dá o tri por triz…

E nisto enaltece,
Veja-se o Vítor Pereira!
Pr’o prémio de carreira
Qu’ele bem merece!

E nele só o Jesus
Se tem por mau da fita…
Pois quem nele acredita,
Que só come cuscuz?

E naquilo que expele
Só sai maledicência,
E nisso há coerência…
Tudo nele é fel!

Só na questão central
Da corrupção,
Não vê nisso ligação
Ao voucher frugal…

Ele que se negava
A aceitar o comensal,
Acha agora natural
O qu’o benfica dava…

A troco de nada,
E por mera cortesia!
Quem nisto pois via
Ter o voucher, entrada?

Um valor irrelevante
No convite a quatro,
Partilhand’o prato
E sem lavagante!

Foram dez por cento
Apenas os convivas,
Que lá foram em esquivas
À cantina, ao sustento!

Qu’isto renegar
Uma tal cortesia…
Que nunca se sabe o dia
Que lá se volt’a apitar!

E dizer que não
A um tal convite?
Sair da lista VIP (e)
Descer de divisão?

Há pois que comer
O qu’o chefe sugere;
Não é o que se quer!!
É saber viver…

E o Guerra sabe,
Por isso é um boneco!
Qu’está sempre erecto,
Lá onde ele cabe!

E a dizer que sim
Faz lembrar o cão
Que nunca diz que não
Ao seu mandarim!

E ao defender
O indefensável,
Tem-se insuflável
De nisto encher!

Qu’um dia rebenta
Mesmo ali no estúdio,
E faz-se um interlúdio
Só pr’a se ler a ementa!

E nisto concluir
Como se diz no processo,
Qu’o valor, por excesso,
Não dá nem pr’a comer!?

E apelas p’la amostra
Tirar-se a conclusão:
Que não há pois ingestão
De qualquer lagosta!!

E os vouchers da Catedral
Só servem nisso ao Guerra,
Qu’o boneco nunca erra:
É ele o comensal!

Por: Joker