domingo, 16 de setembro de 2012

Que FC Porto teremos após a era de Hulk?






Só pelo nome de guerra que a família ligada ao futebol passou a atribuir ao jogador, já se podia imaginar que aquela figura corpulenta, fantasmagórica e ligada à banda desenhada, que um dia passou inobservado pelo Vilanovense na cidade de V. N. Gaia, deveria patentear determinados atributos físicos e técnicos. Na verdade, na história do futebol mundial são poucos os casos em que um jogador com aquelas características consegue ostentar em conjunto vertentes como a velocidade, técnica e poder físico num só elemento, que fizeram de Hulk um talentoso e desejado jogador em qualquer parte do globo terrestre.




No meu entendimento, só o tempo será esclarecedor quanto ao que a sua falta irá produzir no seio do plantel do FCP, e penso mesmo que para alguns adeptos mais conservadores e pessimistas, poderá mesmo o FCP passar por um interregno de falta de vitórias constantes e de títulos, assim como, para outros onde eu me faço incluir, a situação terá que ser aceite de uma forma natural e sistemática para um clube, que por carência de tesouraria todos os anos tem necessidade imperiosa de vender um ou por vezes dois dos seus principais talentos.

Apesar de ter havido durante as duas últimas décadas um pequeno interregno de êxitos desportivos, uma vez que ninguém pode ganhar sempre e o FCP não pode ser indiferente a isso, também será verdade afirmar que não tem sido pelo facto de sistematicamente os azuis e brancos terem vendido os seus principais talentos, que têm perdido a hegemonia no futebol português e a imagem positiva de renome mundial que hoje continuam a patentear no exterior. 

Do FCP têm saído jogadores fundamentais, carismáticos e de enorme talento como, Madjer, Futre, Jardel, Deco, Bruno Alves, Pepe, Ricardo Carvalho, Quaresma, Lisandro e Falcão, por exemplo, e nem por isso o clube interrompeu a senda dos êxitos, o que vem demonstrar que só fazem falta os que por cá ficam, tendo sempre o FCP o cuidado de os substituir com antecipação e mestria, que na minha ótica é o principal segredo da sua evolução desportiva e financeira, superiormente gerido pelo seu carismático presidente JNPC e pelo conjunto dos dirigentes, equipas técnicas e colaboradores que o servem, com a qualidade que os resultados continuam a demonstrar se continuar a enveredar por este caminho, desde que saiba aproveitar a contento as características técnicas e táticas do conjunto do atual plantel, onde jogadores como Jackson Martínez, Alex Sandro, Danilo, Christian Atsu, Kelvin, Iturbe e principalmente James Rodriguez, como pedra basilar e nuclear da equipa a par de João Moutinho, podem ter um papel preponderante no futuro promissor do clube, no caso de todas estas circunstancias e princípios de gestão desportiva se fizerem conjugar como eu acredito sinceramente.


Por: Natachas.


Enviar um comentário
>