quinta-feira, 6 de setembro de 2012

A TRANSFERÊNCIA




Esta foi a transferência. 

A transferência do melhor jogador do campeonato.
A transferência que serve de bitola para glorificar ou não as outras transferências.

Podemos analisar o que se passou por diversos prismas:

• Muitos pegaram na frase de Pinto de Costa para nela suportar o seu raciocínio de negócio bem ou mal sucedido.
• Outros na comparação com valores difundidos de outros negócios.
• Ainda há aqueles que se questionaram com a forma pouco usual como o negócio foi comunicado via CMVM.
• Por último e talvez mais importante avaliaram se a transferência seria boa ou má para o Porto.

Vou tentar deixar a minha análise das vertentes acima enunciadas.







O Porto é um clube diferente do Benfica. A máquina de propaganda do Porto é diferente da do Benfica. O Porto, na sua relação com os seus sócios e adeptos não usa a máquina de propaganda para garantir que os actuais dirigentes se perpetuem no poder. As notícias plantadas nos jornais (Do JOGO ao JN) têm intuitos mais estratégicos do que de sobrevivência.






Há demagogia, há engano mas ao menos nunca insultaram a nossa inteligência ao ponto de saírem notícias de 90M a pronto por 3 jogadores.

A máquina benfiquista é muito diferente. Ao contrário da portista procura a cada momento glorificar os seus actos e apoucar os do rival. Num clube que não ganha é importante multiplicar disputas para que pareça que há mais do que um campeonato por ano.

Quem vende melhor, quem tenta resistir, quem mete mais gente no estádio, quem rejeita propostas mais altas, quem recebe a pronto e não a prestações, quem tem mais atletas olímpicos etc etc.

Continuadamente assistimos à criação de dezenas de disputas que garantam uma 1ª primeira página e um sentimento de minicampeonato ganho.a cada parangona.

A partir daqui nós, portistas, temos que decidir como é que queremos que a máquina de propaganda do clube nos trate.

Se fazemos questão de ganhar mais do que O CAMPEONATO todos os anos então entramos nas disputas estéreis lançadas pelo rival que procura conquistas a todo o custo.

Entramos no patamar em que oficialmente declaramos gostar que nos tratem como imbecis. No patamar em que cada capa da Bola é vivida como uma derrota e num patamar em que a forma como o Porto comunica um mesmo negócio á CMVM é fundamental para os campeonatos de café.

Eu, como tento não ser imbecil quando me consigo aperceber que me querem fazer disso digo:
ESTOU-ME ABSOLUTAMENTE NAS TINTAS PARA O PREÇO DO WITSEL.

O Porto podia ter vendido o Janko ao Trabzonspor por 10 milhões.

Em modo de tratamento imbecil A capa do Jogo no dia seguinte seria:

“PORTO MAIS DO QUE TRIPLICA PREÇO DO PASSE EM 4 MESES”

Ainda em modo imbecil podíamos ir para os cafés fazer chacota do rival dizendo que o nosso clube vende o Janko a um preço que eles não vendem o Cardozo.

O modo imbecil implicaria que o Porto pagasse um cachet de 5 milhões ao Trabzonspor para a Quinzinho Cup que abriria a época de 2013/14 e estourasse outros 2 num Alipiurk que viesse para a Equipa B.
A maquilhagem que envolve estas pequenas disputas ultrapassa os limites da nossa imaginação. Ela é tanto menor quanto mais se pensa que o público que vibra com essas conquistas é imbecil.

Como não tenho pena da turba de benfiquistas que teima em gostar de ser tratada dessa forma escrevo:
Parabéns! Grande venda a do Witsel por 40. Ao nível da do Di Maria. Bravo!


Vamos ao que interessa. À frase de Pinto da Costa e posterior venda.

A frase foi dita na 4ª feira. Quem a ouviu pode pensar a quem é que o Presidente se dirigia prioritariamente. Se aos clubes que nos queriam comprar Hulk, Moutinho e Companhia ou se estava direccionada mais para os adeptos e para a tradicional demagogia que a envolve.

Lembro que estávamos a 29 de Agosto.

A frase, no meu entendimento, é estratégica. O Porto tinha consciência que precisava de vender (vender bem) e aquela mensagem procura demonstrar aos compradores que aqui a parada é alta.

Uma demonstração de força e pujança tentando passar um sinal que se não se vende Hulk por 50 não se venderá Moutinho por x. Eu e os leitores não sabemos o que é X.




O clube que estava a tentar a aquisição do Moutinho sabia o que era X. Como Pinto da Costa.
Recordo ainda que no mesmo dia em que sai a frase Pinto da Costa comenta Álvaro Pereira mas recusa-se a falar de João Moutinho.

6ªfeira o Porto estica o valor ao máximo, é bem sucedido mas por um motivo ou outro o negócio não se faz.
Sábado e Domingo a SAD sabe o que tinha em mente quando falou na 4ªfeira , percebe que falhou uma possibilidade importante e relembra que “a venda” ainda não foi feita.




Chegado ao limite faz o que tinha que fazer. Vender. Escreverei mais à frente as dúvidas sobre o preço do negócio mas mesmo que fosse inferior aquela barreira psicológica dos 50 aplaudia a decisão.

Aplaudo porque o Porto precisa de ter uma gestão que respeite o modelo de negócio de sucesso. Aplaudo sempre que se respeita essa história como aplaudo sempre que os técnicos que por aqui passam respeitam o 4-3-3 que, no relvado, tantas vitórias nos têm dado.

Para além de estar na hora do Hulk toda a gente sabe que o Porto precisa de dinheiro e tem tido problemas de tesouraria.

Ter esta consciência e achar que, caso o negócio tivesse sido feito por menos de 50, o Porto devia fazer finca pé para não por em causa a dita frase significa que queremos ser tratados à Benfica. Queremos o Trabzonspor na Quinzinho Cup.

Ficará o Presidente fragilizado? Não. Para fora não fica porque são repetidas as frases que depois são engolidas pela realidade. Falcao, Atlético Madrid, AVB etc…etc…

Ano após ano repetem-se as frases e o Porto continua a vender e bem.

Para dentro nem por sombras. Só para os que querem a Quinzinho Cup.

Como atrás referi a comunicação do Porto está pouco preocupada em gerir o que o adepto/sócio pensa de quem o dirige. Joga com o tempo e sabe que ele tudo apaga. Como apagou AVB, como esperam que apague o basquetebol e como apagará estas frases da febre do mercado.

Por isso sempre que se repetirem frases destas lembrem-se que elas são sempre mais para fora do que para dentro. Se são para dentro são mais para os seus assalariados do que para os adeptos/sócios.

E o Porto de futuro? Ficará bem?

A curto prazo vamos sofrer. Esse sofrimento é controlado porque saindo Hulk há uma enorme rede que ampara esse desgosto. Temos um meio-campo muito forte que saberá aconchegar o talento que está a nascer.

Se conseguirmos chegar aos Oitavos da Champions sem Hulk estará superado o maior risco. No que toca ao campeonato julgo que a janela de transferências foi positiva para o único Campeonato que nos deve interessar. O Benfica fica mais longe.

A médio prazo o que aconteceria é que os passes de Hulk, Atsu, Iturbe e Kelvin desvalorizariam. Todos. Um porque entraria numa faixa étaria (27/28 anos) que extravasa o nosso papel na cadeia de mercado e os outros porque não seriam expostos na montra e acabariam por definhar.

O Porto contratou Quaresma porque vendeu Deco. O Porto contratou Hulk porque vendeu Quaresma. O Porto venderá um dia Atsu/Iturbe/Kelvin porque vendeu Hulk.

A longo prazo está respeitado o primado que tem permitido que uma equipa com um mercado e receitas ordinárias similares ou inferiores a um campeão belga/holandês esteja no Pote 1 da Champions League.

Se a partir de hoje ficarmos com os Falcões, Hulks, Moutinhos e James até aos 27/28 anos eu tenho a certeza que em 2020 não estamos no Pote 1 nem 2 da Champions. Às tantas não estamos em Pote nenhum e fazemos viagens desesperadas à Índia ou à China para captar “investidores estratégicos”

Se continuarmos a respeitar o Modelo estaremos mais perto de repetir em 2020 os feitos de 2010.

Faltam os números. A preocupação que a SAD tem em informar os seus sócios/accionistas/adeptos é mínima.

Como acima disse eles estão-se a marimbar. Estão mais preocupados em debater com Tarzans do que esclarecer os adeptos.

O que é que nos foi transmitido:

a) Formalmente pela SAD
O Porto recebeu 40M por 85% do passe e o Zenit suportou o mecanismo de solidariedade.

b) Pelo FCP via resposta ao Tarzan
Nos 40 milhões líquidos que o FC Porto recebe não estão incluídos os 15% que pertenciam a um investidor, como era conhecido através das contas da Sociedade, os cinco por cento de solidariedade ou a comissão de intermediação

c) Através da máquina de propaganda do FCP nos jornais / Teodoro
Investidor (15%) = 9M
Comissão de Intermediação = 6M
Mecanismo de Solidariedade = 3M
Prémios ao Hulk = 2M

A ser verdade que o preço do passe é 60M e que nós ficamos com 40 por 85% do passe isso significa que o Porto arca com todos os custos.

85% do passe representa 51 Milhões de Euros.
Se só recebemos 40 onde estão os 11 Milhões de Euros?
Prémio do Hulk = 2
Comissão do Agente = 6
Mecanismo de Solidariedade = 3
2 + 6 + 3 = 11 Milhões BINGO!!!!!!

Se o preço do passe é 60 milhões de Euros isso significa que nós gastamos 11 milhões para suportar todos os custos da transferência.

Se o preço do passe é 60 milhões de Euros é falso que seja o Zenit a suportar o Mecanismo de Solidariedade.

Se o preço de passe é 60 milhões de Euros é o Porto que paga os prémios e comissões dos 11 milhões que deixa de receber.

Quando se retém na fonte paga-se da mesma forma. Reter na fonte implica ESCOLHER (quando há possibilidade de escolha) quem é que vai cumprir com uma obrigação que é minha e que representa um custo para mim.

Não é a EMPRESA X que suporta os custos com o meu IRS. O custo é meu, a empresa retém esse valor e entrega ao Estado.
Quem suporta sou sempre eu. Fico sem receber um determinado montante como contrapartida do meu trabalho.

As perguntas são:

O detentor de 85% do passe arca com 100% de prémios, 100% de comissões e 100% do mecanismo de solidariedade. Porquê?

Como é que 85% de algo representa um retorno liquido de 40M e 15% desse mesmo algo equivale a 9M. Os 15% serão uma golden share?

Curiosidade:

No Relatório e Contas nesta operação entrarão 60 para sair 20 ou entrarão 40 para não sair nada?


Por: Walter Casagrande
Enviar um comentário
>