domingo, 5 de maio de 2013

Turquel 1 - 7 FC Porto - Falta pouco...


 




O FC Porto visitou e ganhou com grande diferença o Turquel na 27ª jornada do campeonato, numa deslocação que se previa difícil e que os nossos jogadores souberem tornar fácil. Mantemos-nos em 1º lugar e estamos cada vez mais perto de reconquistarmos aquilo que nunca nos deviam ter tirado.





Com o habitual 5 base a iniciar o jogo, o Porto entrou decidido a garantir vantagem desde muito cedo. Foi um começo impressionante,  pressão sufocante na saída do Turquel, nunca os deixando jogar à vontade. No ataque igual. Patinagem a 1000 à hora, saídas rápidas sobretudo pelos 2 jogadores mais ofensivos que não tinham receio de atacar de imediato a baliza adversária. O Turquel, que em casa é um adversário dificil tentava responder na mesma moeda, com pressão e saídas rápidas.

Estava um jogo bonito, com oportunidades para ambos os lados, embora com ascendente portista. Edo Bosch respondia com eficácia e na baliza adversária igual. 

Esperava-se que a nossa maior qualidade e domínio que começávamos a exercer tivesse resultados práticos. Foi o que aconteceu à passagem dos 8 minutos. Remate de Ricardo Barreiros, defesa do guardião e, na recarga Jorge Silva a inaugurar o marcador. Justo, talvez até escasso.

O estilo de jogo não se alterava, mas o domínio dos atletas de Tó Neves era cada vez mais evidente. Por isso, foi sem surpresa que passados poucos minutos aumentamos a vantagem. O cronómetro indicava 11 minutos e Pedro Moreira num ataque rápido, como muitos nesta fase, conseguiu desfeitear o guarda-redes do Turquel.

Tó Neves, talvez pela importância do jogo, começou a já habitual rotação a meio de cada parte de uma forma diferente. primeiro apenas Caio entrou e alguns minutos depois Hélder Nunes. 

Foi precisamente Caio, que aumentou ainda mais o score a 9 minutos do intervalo. Grande remate ao ângulo e golo. Está numa boa fase o nº 8 portista.

A nossa equipa insistia em não baixar o ritmo, a pressão continuava infernal e as oportunidades sucediam-se. Tivemos um contra-ataque em que rematamos umas 4 ou 5 vezes sem atingir o pretendido. 

Aos 21 minutos de jogo, penalti para a equipa visitada e cartão azul para Reinaldo, talvez por protestos. O Turquel falhou, mas nos 2 minutos seguintes, com o adversário em power-play passamos por alguns sustos. Bolas ao poste da baliza de Edo nesses minutos foram 3. Estrelinha de campeão neste período. 

Felizmente não sofremos e ao intervalo o marcador mostrava uma vantagem de 3 golos para a nossa equipa.

O recomeço do jogo foi excelente para nós. Nem 30 segundos de jogo e já Ricardo Barreiros marcava o 4º golo da equipa.


Ainda sofreríamos um golo (4 minutos), mas nem deu para assustar pois o inspirado Jorge Silva voltou a marcar pouco depois numa jogada de envolvimento por trás da baliza com Reinaldo Ventura a assistir para golo.

A equipa, inteligentemente, preocupa-se mais em pausar o jogo. A vantagem era confortável e não valia a pena correr o risco de sermos apanhados em contra-pé. Mesmo com este diminuir de ritmo, éramos nós que criávamos mais perigo. Caio, por exemplo, falhou um livre directo numa altura em que o perigo quase só rondava a baliza adversária, sobretudo nos 2 minutos que tivemos vantagem numérica.

O jogo decorria como previsto, sem sobressaltos de maior e a 6 minutos do fim Hélder Nunes deu ainda mais tranquilidade. Foi um golaço, em que o jovem craque mostrou muita capacidade técnica. Está um jogador de nível e tem apenas 19 anos, pelo que poderemos contar com muitas alegrias do benjamim desta equipa.

Faltavam apenas 8 segundos para o apito final, quando o MVP deste encontro Jorge Silva fechou o marcador. Vitória por 7 - 1 num campo extremamente difícil.

Arbitragem com uma ou outra falha, mas sinceramente bem melhor do que julgava que esta dupla faria.

Na próxima jornada receberemos o nosso tão odiado regime e podemos ter a vingança perfeita em caso de vitória. Está perto.

Antes ainda, um encontro muito importante para os quartos de final da Liga dos Campeões

No próximo fim-de-semana recebemos o Réus e trazemos um golo de desvantagem. É perfeitamente possível ultrapassá-los e será importante o nosso apoio. Lutamos por conquistar de novo este título há muitos anos e há a hipótese de a final-four ser em nossa casa. É uma oportunidade fantástica, mas antes de pensar nisso teremos de ultrapassar esta etapa. 

Equipa e marcadores:

Cinco Inicial: Edo Bosch (g.r.), Pedro Moreira (1), Reinaldo Ventura, Ricardo Barreiros (1) e Jorge Silva (3)
Jogaram ainda: Caio (1) e Hélder Nunes (1).


  
Por: Paulinho Santos

  

Enviar um comentário
>