quarta-feira, 8 de maio de 2013

benfica B 1 - 1 FC Porto B - Primeiro round deu empate.



No primeiro dos clássicos desta semana, o FC Porto B foi arrancar um empate na 40ª jornada da II Liga. 






Antes do jogo, uma pessoa mais distraída perguntaria quem afinal jogava em casa. Até seria uma pergunta com lógica. Perante umas poucas centenas de adeptos de vermelho, cerca de 200 bravos dos nossos chegaram e sobraram. Só eles se fizeram ouvir e mostraram estar em forma para o que aí vem.





Rui Gomes entrou com a equipa esperada. A defesa foi a mais habitual, Mikel manteve-se ao lado de Seri com Edu mais solto e no ataque Seba e Tozé nas alas e Caballero como ponta de lança.

Nos minutos iniciais fizemos por mostrar ao que íamos. Com a bola tentávamos ser incisivos e quando a perdíamos sabíamos onde e quando pressionar. Por isso o domínio inicial foi nosso, embora sem nunca criar mais do que um par de oportunidades e nada de grandes oprtunidades. Aos 11 minutos um lançamento longo para Tozé rematar de pé esquerdo ao lado e no minuto a seguir remate de longe de Seri foram os lances de maior registo.

Foi um período onde procuramos sobretudo um jogo directo, muitas bolas nas costas para explorar a subida defesa adversária ou saídas com passes a explorar as laterais contrárias. Nem sempre acertámos mas vimos movimentos interessantes dos nossos avançados.

Infelizmente durou pouco. Um quarto de hora que prometia mais e que rapidamente se perdeu. 

O adversário com pequenos ajustes no posicionamento e com uma pressão na nossa 1ª fase de contrução mais acertada rapidamente se recompôs. Teve até uma ligeira supremacia em alguns momentos.

Nós sofríamos de um mal na zona central do terreno. O meio campo era pouco agressivo e quando o éramos isso acontecia em lances individuais e não através de força colectiva. Seri e Edu tinham dificuldades para construir e cada vez mais o nosso jogo era cada vez mais defesa - ataque sem intervenção do meio campo. Quando tentamos estabilizar e pensar jogo, inúmeras vezes perdíamos cedo a bola.

Jogadas de perigo, mesmo que relativo foram muito poucas. Nossa apenas no inicio e uma já perto do intervalo num bom remate de Tozé. O adversário/inimigo também pouco o conseguiu e apenas de lances de bola parada com cruzamentos para a área. Num destes podiam ter marcado mas Tiago Ferreira evitou o golo.

Assim, sem surpresa, o resultado era um aborrecido nulo ao intervalo.



O reinício foi o pior possivel. Eles marcaram.

Foi uma jogada com deméritos nossos. Espaço suficiente a permitir a entrada de um adversário sobre a nossa lateral esquerda, que cruzou atrasado e rasteiro.  Aqui mais falha. O marcador do golo conseguiu ter tempo e espaço, para em zona frontal já dentro da grande área, bater Stefanovic

No minuto a seguir nova oportunidade deles. Isolado, sem qualquer marcação, o avançado deles permitiu uma grande defesa ao nosso guardião. 

Conclusão destes dois lances. Fraca capacidade defensiva no centro do terreno e debilidades nos laterais. A rever, até porque já não é a 1ª vez.

Em desvantagem, os nossos Dragõezinhos fizeram o que é esperado numa equipa do FC Porto. Arregaçaram as mangas, foram atrás do resultado. Nem sempre com o acerto desejado, mas são jovens e é a altura de termos tolerância com quem ainda está em formação. Fica o registo daquilo que foi positivo, a atitude.

Caballero, 2 minutos do golo deles, deu o 1º sinal através de uma jogada individual. Estava dado o aviso. Aos 56 minutos, novo lance de Caballero anulado por um fora de jogo inexistente. Edu também perdeu um golo, rematando muito ao lado já à entrada da pequena área adversária.

Começa então o jogo de bancos. Sai Seri e entra Fábio Martins. No papel, uma substituição com lógica. Tozé para 10 e Fábio a alargar o jogo. Edu recua e apoia Mikel.

Aos 63 minutos, nova substituição acertada. O mister Rui Gomes mexe de forma decisiva na equipa, tira o desispiriado Seba e entra Vion. Resultou em cheio. Logo na 1ª jogada, criou uma jogada de perigo que foi desaproveitada. Uns minutos depois, nova arrancada pela direita a deixar o adversário para trás e a centrar onde Edu, depois de ressalto, consegue marcar. GOOLLLO. 

Bom período da nossa equipa e, mais importante, com resultados visiveis. 

Após o golo, a equipa tentou ser mais segura, reagrupou linhas, arriscou menos e com mais certezas. Conseguiu-o em parte. Defensivamente não tivemos problemas de maior. Ofensivamente não tiramos partido de termos 2 homens frescos no ataque.

Até ao fim do jogo, poucos lances de verdadeiro perigo. Uma ou outra arrancada de Vion, Tozé ia tentando organizar, Caballero muito mexido a tentar criar espaço para si e para os colegas. 

Empate final aceita-se embora a vencer teríamos de ser nós pela reacção ao golo.

Arbitragem caseirinha. Ficam muitas dúvidas em alguns lances, um deles um fora de jogo tirado a Caballero (que em chapéu colocou a bola na baliza) e num lance com Tozé na grande-área adversária.


Duas notas finais: 

- uma besta lampiónica rasgou a nossa bandeira no intervalo. Nada que não esperássemos vindo deles, é mais um caso de ignorância e estupidez. Há 2 anos, o clube destas bestas indignaram-se por a bandeira deles não ser hasteada no estádio. Hoje rasgaram a nossa. Este clube de virgens ofendidas cada vez dá mais gosto de derrotar... No sábado, dentro de campo, responderemos. 

- a transmissão da televisão do regime. Repetições só quando lhes convinha e mal. No lance já referido do fora de jogo de Caballero param a imagem no momento em que o nosso jogador se adianta. Mas aí a bola já estava no ar. Estejamos atentos para o ano com situações similares...


Análises individuais:

Stefanovic: Muito bem entre os postes, ainda revela falhas na saída a cruzamentes. Teve uma saída em falso que podia ter custado caro. Redimiu-se com uma grande defesa quando o adversário estava isolado.

David Bruno: Tinha pela frente Miguel Rosa. Ganhou e perdeu lances. Ainda tentou algumas subidas com critério mas sem resultados práticos. 

Zé António: Valeu-se da experiência e do posicionamento para anular um tenrinho Deyverson. Sem problemas de maior, tentou liderar o sector defensivo.

Tiago Ferreira: Boa exibição do central. Atento, teve cortes decisivos e evitou um golo. Tentou sair a jogar no período mais complicado. Seria uma das hipóteses para melhor em campo, todavia é penalizado pela forma como sofremos o golo.  

Victor Luís: Tal como o seu colega da direita ganhou e perdeu lances frente a Ivan Cavaleiro. Teve lances em que mostrou dificuldades em fechar no meio, mas não comprometeu. O golo surgiu pelo seu flanco. Ofensivamente não esteve nos seus dias. Tentou subir, apoiar Tozé, mas o seu pé esquerdo não estava calibrado, os cruzamentos nunca deram em nada.

Mikel: Amarelado desde muito cedo (5 minutos) aguentou bem. Tem melhorado no posicionamento e até na forma como inicia ataques. Ainda peca na forma como aborda alguns lances. Mesmo amarelado, teve entradas à queima. Correu bem, um segundo depois e arriscava-se. 

Seri: Um dos bons jogadores da nossa formação, mas que hoje não esteve feliz. Começou ao lado de Mikel e tentou levar alguns ataques para a frente. Não resultou e teve uma perda de bola infantil no nosso meio-campo.

Edu: Valeu pelo golo. Má 1ª parte, melhorou imenso após o golo, altura em que tentou combinar com Tozé e servir Caballero. Precisa de ganhar intensidade a pressionar.

Seba: Começou bem, logo nos instantes iniciais arrancou um amarelo ao defesa. Depois eclipsou-se. Uma arrancada com sucesso no meio de muitas que nada deram.

Tozé: Tentou agitar o jogo. Sempre que a bola lhe chegava, procurava ser objectivo. Foi o mais rematador da equipa e o que mais perigo criou em toda a partida. 

Caballero: Tem boa técnica, revelou mobilidade e sentido prático. Não foi muito servido, mas quando o foi criou perigo. Marcou de chapéu a Mika que foi invalidado e mais um par de boas desmarcações. 


Fábio Martins: Começou na esquerda, esteve uns minutos na direita e terminou em zonas mais centrais. Em nenhuma posição brilhou embora tenha segurado bem a bola e defendido com acerto.

Vion: Foi decisiva a sua entrada. O golo resultou de uma jogada sua, já antes tinha tido outra. Sempre muito abnegado tentou empurrar a equipa para a frente. 

Ricardinho: Entrou aos 90 minutos.


Equipa e marcadores:

FC Porto: Stefanovic; David Bruno, Zé António, Tiago Ferreira, Victor Luís; Mikel, Michael Seri (Fábio Martins 60´), Edú; Sebá (Vion 66´), Mauro Caballero, Tozé (Ricardinho 90´).

Golos: Edú (68´)


Por: Paulinho Santos
Enviar um comentário
>