sábado, 4 de maio de 2013

Andebol: FC Porto 26 - 25 Águas Santas - Fantástico! Gigantes!








O FC Porto recebeu e venceu o aguerrido Águas Santas num jogo impróprio para cardíacos na 7ª jornada desta fase final do campeonato nacional. Continua no comando do campeonato quando faltam apenas 3 jogos. 






O nosso clube entrou em campo com uma alteração em relação ao último jogo. E que alteração! Tiago Rocha, lesionado, não pôde dar o seu contributo à equipa. De resto, João Ferraz começou novamente o jogo, tal como Sérgio Rola.

Foi um início de jogo complicado. Ofensivamente cometemos alguns erros pouco habituais, como o fraco aproveitamento da 1ª linha e devido à ausência referida muitas dificuldades em encontrar boas situações para a 2ª linha. Além disso algumas saídas para o ataque resultaram em falhas técnicas. Valia-nos a forma como defendíamos. Tino teve um par de intervenções, Quintana defendeu um livre de 7 metros.

Com tudo isto, aos 10 minutos de jogo já estávamos em desvantagem no marcador (4 - 6).

Calma, nada de preocupante, ainda faltava muito tempo e sabemos da valia da nossa equipa. Mas o jogo continuava complicado, Daymaro teve duas suspensões muito cedo (já lá vamos) e obrigou Obradovic a improvisar. Apostou, bem, numa suposta 1ª linha de 4 elementos em que 1 entrava muitas vezes aos 6 metros. Era a solução, utilizar a movimentação dos nossos centrais e laterais para desiquilibrar. 

A juntar a tudo isso, começava-se a notar uma incrivel falta de critério nas suspensões de 2 minutos. Como referimos Daymaro teve as duas suspensões. Ok, vamos aceitar que acertaram e que foi correcto. No lado contrário, nada, mesmo em situações piores.

Foi com todas essas condicionantes que fomos à luta. Paulatinamente íamos recuperando. Aos 17 minutos finalmente conseguimos restabelecer a igualdade e uns minutos depois conseguimos finalmente uma vantagem no marcador.

Contudo, não conseguimos descolar. Era dificil, até porque um dos árbitros marcou um golo. Obviamente não foi ele o marcador oficial, mas se não tocasse na bola, aquela jogada tinha terminado e a bola seria nossa. Passo a explicar. Remate aos 9 metros, Tino defende, a bola ia sair pela linha final, toca no árbitro e ressalta para o ponta do àguas Santas que aproveitou o brinde. Sim, foi inadvertido, mas nem assim deixaram de ter influência.

Ao intervalo tudo igual. O marcador mostrava um empate a 13 golos.

Se na 1ª parte vacilamos, pior fizemos no reatar do encontro. Logo de inicio sofremos 3 golos sem resposta. Mais uma vez teríamos de ir atrás do prejuizo. Talvez tenhamos entrado desconcentrados, algo que nos podia ter saído caro.


 Fomos novamente à luta e conseguimos novo empate aos 7 minutos deste 2º tempo. 

Mais uma vez não conseguimos descolar, mesmo com vantagens momentânes de 2 golos. A meio desta parte continuávamos com empates sucessivos. O jogo continuava muito renhido e nós continuávamos a ter falhas. Gilberto, por exemplo, é o MVP do campeonato mas hoje pouco acertou. Acontece aos melhores e este é indiscutivelmente dos melhores.

Aproximava-se os minutos decisivos e Obradovic deu instruções em alguns ataques para uma marcação individual ao nº 9 do Águas, Pedro Cruz. Resultou, muito do perigo surgia dali. No ataque Pedro Spínola ia começando a mostrar que estava nos seus dias, embora continuássemos com remates falhados e algumas falhas técnicas nada habituais.

O que já se tinha passado na 1ª parte relativamente ao critério estava ainda mais evidente. Dou 2 exemplos. O tempo de ataque permitido ao adversário era enorme, nada de assinala jogo passivo (e como as bancadas do Dragãozinho pediam jogo passivo nestas situações). Numa situação de inferioridade numérica o Águas conseguiu num ataque apenas gastar 1 minuto sem que nada fosse assinalado. Pelo contrário contra nós, continuava o critério largo (tão na moda). Num contra-ataque, Pedro Spinola isola-se, é tocado e cai. O árbitro assinala a falta mas nada de exclusão. 

Mas voltemos ao andebol jogado que é bem mais bonito. E o jogo estava espectacular, muita alma, muita raça dos nossos e muita, muita qualidade. Destaco aqui uma jogada no nosso guarda-redes Quintana. Um jogador adversário remata aos 6 metros, Quintana defende em leque, recarga novamente aos 6 metros com Quintana ainda no chão pela anterior defesa e consegue ir buscá-la com a mão esquerda. Brilhante!!! Este ano temos visto como os guarda redes podem ser decisivos e esta jogada foi mais um exemplo.

A 4 minutos do final ainda perdíamos por 1 (22 -23). O Dragãozinho, como sempre, apoia a equipa e acredita. Nada de frustrações, apenas apoio, muito e bom apoio.

Wilson, em suspensão, quase no limite do jogo passivo marcou e empatou. Ataque do adversário e também no limite do jogo passivo (o tal critério largo), através do pivot nova vantagem do Águas Santas. Faltavam nesta altura 3 minutos. ataque do Porto, dificuldade em encontrar boa situação de remate para os especialistas e Daymaro a rodopiar e a ir para o remate. Golo, grande golo do nosso pivot. Novo empate a pouco mais de 2 minutos para o fim. Ia ser sofrer até ao fim...

No ataque seguinte, após uma quase intercepção de Gilberto, remate e nova brilhante defesa de Quintana. Ataque organizado e Obradovic aproveita para pedir desconto de tempo para planear os 90 segundos restantes.

Bola em nossa posse, troca de bola consistente e Gilberto Duarte descobre o momentâneo pivot Filipe Mota para finalização precisa aos 6 metros, com cerca de 50 segundos para jogar. Era altura de defender e falhamos. Golo do Águas Santas a 20 segundos do fim.

O pavilhão estava ao rubro, tinhamos a bola e íamos tentar o golo da vitória. Numa jogada inteiramente construida pela 1ª linha, troca de bola entre Gilberto e Wilson, este a entregar para Pedro Spínola que com um grande remate em apoio, quando faltavam apenas 2 segundos para o final a marcar o golo decisivo. Grandes!!! É um orgulho e um prazer enorme apoiar esta equipa. Acreditaram sempre, lutaram com tudo e mais uma vez a 2 segundos do final foram recompensados. Quem não se lembrou do golo ao regime nesta altura?

Na próxima jornada deslocação muito complicada ao reduto do Sporting. Estamos perto do penta e um bom resultado lá deixa-nos ainda mais perto. Vamos a eles Campeões, acreditamos em vocês.


Equipa do FC Porto:

Equipa Inicial:  Hugo Laurentino (g.r.), Gilberto Duarte (3), Wilson Davyes (4), Daymaro Salina (2), Elias Nogueira (4), Sérgio Rola (3) e João Ferraz. 
Jogaram ainda:  Alfredo Quintana (g.r.), Filipe Mota (3), Pedro Spínola (6), Ricardo Moreira (1) e Hugo Rosário.
Treinador: Obradovic.



Por: Paulinho Santos





Enviar um comentário
>