sábado, 2 de março de 2013

Segunda Liga: FC Porto B 1 - 0 Sporting B (crónica de Breogán)


Vitória justa do FC Porto B perante um adversário que só na segunda parte foi capaz de se aproximar da baliza de Stefanovic.




No regresso à praça forte do Estádio de Pedroso, o FC Porto B volta a encontrar o caminho das vitórias, perante um adversário que foi a equipa sensação da prova na primeira metade da época. O FC Porto B apresentou três alterações em relação ao último jogo. Abdoulaye, Sebá e Victor Luís foram substituídos no onze inicial por Tiago Ferreira, Edú e Quiño, respectivamente. Com a entrada de Edú no onze, Tozé deriva para o flanco esquerdo, ficando entregue a Edú o vértice ofensivo do trio de meio campo.




O FC Porto B entra muito forte na partida e ganha o controlo do meio campo. Com Kelvin e Tozé bem abertos nos flancos e com a pressão do meio campo do FC Porto B, as oportunidades vão-se sucedendo. O adversário, só consegue criar uma situação de perigo durante a primeira parte e por volta dos 14 minutos de jogo.

O grande destaque das oportunidades perdidas ocorre aos 28 minutos de jogo. Numa situação de três para um e com Tozé na condução do esférico, a oportunidade perde-se em plena grande área do adversário! Tozé demora a libertar a bola e quando o faz, Edú é desarmado por um jogador em recuperação defensiva.
Três minutos depois, Tozé redime-se e faz uma excelente abertura para a diagonal de Dellatorre. O avançado centro do FC Porto B aproveita o seu movimento para ficar na cara de Ventura e na zona frontal à baliza. Deixando de lado a parcimónia que havia deitado por terra a oportunidade anterior, remata com eficácia para o 1-0. Resultado justo e que pecava por escasso, tal a diferença de volume ofensivo entre as duas formações.

Após o golo, o jogo equilibra-se, mas o FC Porto B volta a ganhar ascendente já próximo do intervalo e a desperdiçar mais duas situações de golo.

A segunda parte é bem mais equilibrada. João Mário sobe no terreno, o que causa problemas ao meio campo defensivo do FC Porto B. A distribuição de bola da equipa adversária é mais fluida e as costas dos laterais portistas começam a ser exploradas mais amiúde. O meio campo do FC Porto B recua e Michael Seri passa a jogar mais próximo de Pedro Moreira. A saída de bola do FC Porto B decai em qualidade. Edú revela-se incapaz de travar a progressão de Kikas e não tem capacidade de transporte de bola. Os extremos também entram em sub-rendimento. Tozé, fora dos seus terrenos, revelou dificuldades em esticar jogo pelo flanco e Kelvin a não foi incisivo nas suas acções no segundo tempo.

Rui Gomes reage perante os sinais de alerta e vai solucionando os problemas. Primeiro, retira Edú e coloca Sérgio Oliveira. O FC Porto B ganha maior dinâmica ofensiva e mais qualidade no transporte de bola. Depois, retira Kelvin e coloca Fábio Martins. O elemento fresco e com capacidade de retenção de bola, ao invés de Kelvin, que a cada jogada que passava a perdia com maior facilidade.

Foram alterações que permitiram ao FC Porto reassumir o total controlo da partida e até criar situações para dilatar a vantagem, com destaque para Sérgio Oliveira a permitir a defesa de Ventura após boa jogada individual.

Restava ao adversário o desespero e o chuveirnho para tentar empatar o marcador. Felizmente, assim não aconteceu e o FC Porto B sai, meritoriamente, de campo com os três pontos.


Análises Individuais:

Stefanovic - Seguríssimo entre postes e eficaz nas saídas. Não inventou a jogar com o pé, e muito bem, mesmo perante o desgosto do público. Boa voz de comando da defesa.

David - Afoito no ataque e até bem perigoso em algumas acções. Continua a perder em demasia os duelos defensivos. É facilmente desposicionado e não tem capacidade de recuperação.

Quiño - Da linha de meio campo para a frente, fez um excelente jogo. Da linha de meio campo para trás, teve os mesmos problemas que David.

Tiago Ferreira - Controlou Betinho, embora não tivesse tido uma marcação imaculada ao débil avançado adversário. Aliás, tarda uma exibição senhorial de Tiago Ferreira.

Zé António - Pronto-socorro de toda a defesa e um farol na hora de defender. Usa toda a sua experiência para orientar o momento defensivo do FC Porto B.

Pedro Moreira - Grande jogo na posição 6, mesmo quando João Mário avançou no terreno. Calmo e preciso no corte e sempre com uma saída de bola segura. Acaba o jogo em dificuldades físicas.

Michael Seri - Destacou-se mais pelo trabalho de formiguinha. Útil e sempre prestável, ajudou a bloquear o melhor período do adversário. Faltou-lhe mais qualidade para ser determinante no jogo.

Edú - Alguns movimentos bem feitos, mas muitos períodos de ausência. Não foi o jogador dinâmico que a equipa precisava para colocar o meio campo defensivo adversário em constante sobressalto.

Tozé - Não é um flanqueador e isso tolhe o seu jogo. Não é coincidência que o seu momento alto do jogo (assistência brilhante para Dellatorre) tenha acontecido nos seus terrenos de origem. Dá tudo o que tem, mas o campo torna-se muito estreito para ele com a linha lateral tão próxima de si.

Kelvin - Arrancou bem no jogo, foi até o principal desequilibrador do FC Porto B, mas perdeu objectividade ao longo do encontro. É esta a barreira que impede a "explosão" de Kelvin. Quando perceber que um passe pode ser mais benéfico que três fintas; que uma corrida sem bola é mais poderosa que um pisar na bola que retira velocidade à jogada; que um bom cruzamento ou um bom remate valem mais que duas simulações bem feitas, então aí será um jogador de outra dimensão.

Dellatorre - Mostrou que é um jogador de boa dimensão física e com bom recorte técnico. Excelente diagonal e efectivo na hora de remate. Perdeu fulgor na parte final do encontro, mas foi um tormento para a dupla de centrais contrários.


Sérgio Oliveira - Trouxe qualidade e imprevisibilidade à zona criativa do FC Porto B. Por vezes, excede-se e é aí que ainda perde o seu bom futebol. Perdeu uma situação flagrante, após boa jogada individual, o que tornaria a sua entrada em jogo ainda mais determinante. Ainda assim, a vida fácil de Kikas acabou com a sua entrada em campo.

Fábio Martins - Tapou bem a progressão de Arias, que já fazia do corredor esquerdo do FC Porto uma autoestrada sem pórticos.

Caballero - Estreou-se e não teve tempo para mais.



Por: Breogán
Enviar um comentário
>