terça-feira, 19 de março de 2013

Revista de Imprensa - 19 de Março 2013


Luta pelo título de campeão nacional, em destaque


  Clube encarnado corre para o título apoiado pela história. Jesus tornou-se no terceiro treinador com mais vitórias no benfica.

O percurso do benfica esta época está a bater recordes históricos com a equipa de Jorge Jesus a bater o melhor registo de sempre de jogos seguidos sem perder. O avanço de quatro pontos sobre o FC Porto colocam o clube da luz no rumo ao 33.º título e os jornais desportivos foram à estatística para dar destaque ao líder isolado no campeonato.
Outro dos assuntos em destaque são as eleições no Sporting. O clube de Alvalade vai a votos no próximo dia 23 de março e os candidatos dão as últimas cartadas na reta final da campanha eleitoral. O diário O Jogo faz capa com José Couceiro e Bruno de Carvalho, avançando, de acordo com uma sondagem, que o antigo treinador dos leões está em vantagem sobre o candidato derrotado nas últimas eleições.
A concentração da seleção nacional em Óbidos e a entrega a Cristiano Ronaldo do troféu de melhor jogador em Espanha da época passada são outros dos assuntos com chamada de primeira página.





O Jogo:

Thumb resize.


- FC Porto: "Assumo a responsabilidade de ter falhado", Jackson não se esconde, mas também não atira a toalha; Pinto da Costa acalmou os adeptos.


«Couceiro aumenta vantagem»; Bruno de Carvalho perdeu terreno e Carlos Severino subiu, mas nada está decidido; novo presidente só a 27? "Vamos chegar à Liga Europa", Rojo diz que os leões têm força para chegar ao objetivo que resta.
"Jesus está a fazer campanha à Mourinho", Derlei recorda a tripleta ganha em 2002/03 e acredita que os também encarnados podem lá chegar; petardo motiva processo da UEFA.
Basquetebol: "Não tive dúvidas que íamos ganhar", Fernando Sá e a conquista da Taça ao superfavorito benfica.



Record:

Thumb resize.


- FC Porto: "Estamos num ambiente muito pesado", Jackson.


- Zezinho renova até 2018; Godinho segura ainda João Mário, Luís Ribeiro e Esgaio; "Direção não pode andar a fazer negócios", Severino; Carvalho aposta em Freitas Lobo e Tomaz Morais; Couceiro teme possível impugnação das eleições.
- «benfica à campeão»: nos últimos 20 anos o título nunca fugiu com a liderança a 7 jornadas do fim; Jorge Jesus define prioridades: gestão do físico dos jogadores, afinar bolas paradas; UEFA abre processo por causa de petardos lançados no encontro com o Bordéus.
- Seleção: Antunes convocado, Moutinho fica no estágio.
- Espanha: CR7 recebe prémio de melhor do ano; "Quero ganhar um troféu importante".


A Bola:

Thumb resize.


- FC Porto: Contestação à chegada; jogadores pressionados no regresso do Funchal; Vítor Pereira e Pinto da Costa poupados.


- Eleições no Sporting: corrida até ao fim; Bruno de Carvalho continua a liderar intenções de voto mas José Couceiro encurta distância; presidente pode não ser conhecido no sábado; Zezinho renovou até 2018.
- «Águia voa para a história»: Benfica pulveriza recordes numa das melhores épocas de sempre; há 40 anos que não somava tantos pontos à 23.ª jornada; em Guimarães bateu melhor registo de sempre de jogos seguidos sem perder numa só época (32); Jesus tornou-se no domingo o terceiro treinador com mais vitórias, ultrapassando Otto Glória; Djuricic assume mudança para a Luz.
- Seleção: Moutinho para já fica e Antunes chamado.


Notícias sobre o FC Porto:



Várias ausências no treino que contou com Fucile


Após o empate com o Marítimo (1x1), o FC Porto já começou a preparar a deslocação ao terreno da Académica de Coimbra. Vítor Pereira chamou Jorge Fucile.

O defesa uruguaio, que esteve na primeira parte da temporada emprestado ao Santos do Brasil, reforçou hoje o grupo de trabalho azul e branco.

Fucile foi um dos 1 jogadores recrutados ao plantel secundário dos portistas.

Vítor Pereira não contou, por outro lado, com os internacionais Varela, Moutinho, James, Jackson e Defour.

Quanto a Atsu, que se lesionou na partida com o Marítimo, fez tratamento, ao passo que Quinõnes também ficou de fora por lesão.


Jackson: «Não é impossível recuperar quatro pontos»

Jackson Martínez assume a sua responsabilidade pelo facto de ter falhado uma grande penalidade, no domingo, frente ao Marítimo, e que custou dois pontos ao FC Porto. O colombiano diz que ninguém no clube azul e branco vai desistir da luta pelo título.

«Assumo a responsabilidade por ter falhado. Tenho um grande grupo, que me protege, mas foi minha a responsabilidade de pegar na bola e bater a grande penalidade. Se houver a possibilidade de marcar outra, será o mister a decidir se me dá a oportunidade ou a outro companheiro. Claro que, neste momento, me sinto mal, pela equipa e pelos adeptos que nos foram apoiar e continuam a acreditar que vamos recuperar esta desvantagem, que agora é muito maior», afirmou o goleador dos dragões, no aeroporto Francisco Sá Carneiro, antes da viagem para se juntar à seleção da Colômbia.

Admitindo que «nada saiu» como a equipa pretendia, Jackson sublinha que o FC Porto tem que fazer o seu trabalho sem olhar para os rivais: «Não podemos esperar que seja o Benfica a fazer aquilo que nos compete. Eles estão a fazer o trabalho deles e a conquistar pontos para ter uma vantagem maior», atirou, assumindo, no entanto, que não é impossível a recuperação dos dragões.

«Ainda temos hipóteses de chegar ao primeiro lugar. Não é impossível recuperar quatro pontos de atraso, mas será muito difícil pois faltam poucos jogos».

Para Jackson, a quebra de desempenho do FC Porto deve-se às ausências de Moutinho e James, apesar de sublinhar que «não é fácil apontar o que se passa»: «Os que entraram fizeram um bom trabalho, mas a equipa sentiu as saídas de Moutinho e James. Não dependemos de um ou dois jogadores, mas eles estavam a fazer um ótimo trabalho», elogiou, comentando ainda a receção que o FC Porto teve quando chegou da Madeira, na passada madrugada, após o empate com o Marítimo.
«É difícil ver aquela reação como jogador. Os adeptos sentem uma dor pela desvantagem que aumenta na luta pelo título. Se estivéssemos em primeiro lugar e o resultado tivesse sido o mesmo, as coisas seriam diferentes. O Benfica ainda tem jogos difíceis, como nós, e vai marcar a diferença se eles perderem pontos e nós aproveitarmos. Estamos com um ambiente muito pesado e somos nós que temos de o mudar», projetou.




João Pinto critica a receção aos dragões no regresso ao Porto

João Pinto veio a público condenar a atitude dos adeptos azuis e brancos que esta madrugada se deslocaram ao aeroporto e ao Estádio do Dragão para apupar e insultar a equipa. No rescaldo do empate na Madeira, com o Marítimo (1x1), que deixa o Benfica com quatro pontos de vantagem sobre os azuis e brancos, o antigo capitão lembra que numa casa como a do FC Porto «ninguém atira a toalha ao chão».

«Acho que [o que aconteceu esta noite] não foi a melhor forma de receber a equipa, depois de um resultado menos bom. Mas isso também é fruto daquilo que o FC Porto tem feito ao longo dos últimos anos, em que a equipa tem vencido tudo. As pessoas estão 'mal habituadas'...», começou por comentar o eterno camisola 2 à TSF.

«Numa casa como o FC Porto, enquanto for matematicamente possível, nunca se atira a toalha ao chão. O que aconteceu [ontem] representa apenas uma minoria daquilo que é o FC Porto», referiu o atual técnico do Chaves.

Quanto ao que falta jogar e relativamente ao bom momento do rival encarnado, João Pinto destacou que «o Benfica está forte e é uma equipa com moral» mas também lembrou que «ainda falta muito campeonato».




Por: Cubillas
Enviar um comentário
>