quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Milhões da treta!





Como experts em contas
Em Swaps, e outros contratos
Temos extratos, temos montras
Que nos mostram outros factos:

E num país-faz-de-conta
Onde a Justiça é selectiva
A acusação só se monta
Na Procuradoria, escolhida

Na base dum texto pago
Dum romance enviesado
Por canalhas a soldo e saldo
Queriam o processo Dourado!

Na pílula que os sustinha
Na sua alucinação conjunta
Nessas escutas, em surdina
Queriam-na séria, impoluta!

Na base da acusação
Criaram a rainha-da-noite
Um seu amparo, n’acção
Criada a talho-de-foice!

Para provar a derrota
Como factor de soma externa
Criando no ar, a batota
Dessa condição subalterna!

E arquivados os autos
Sobrou a “justiça” desportiva
No plano desses arautos
Dessa vontade ressentida…

Agora que assol’a evidência
Dos milhões das falcatruas
Onde está essa sapiência
Qu’acusou, com peruas?

O Roberto, o saltador
Entr’os fundos e os clubes
Num negócio ganhador
Não revela maus costumes?

E não é crime mentir
Fazer tráfico de divisas?
Nesses fundos, a convir
Para esconder outras siglas?

E bem o atest’a riqueza
Do quadragésimo da lista
Como uma farta nobreza
Titulada só pr’a ser vista!?

E onde andam esses milhões
Perdidos por essa Ibéria?
Pag’o Roberto, a prestações
A Grécia é que se mostra séria?

A riqueza feita em proveta
Numa acta de fariseus
É como os milhões da treta
No rasto desses pneus!…





Por: Joker
Enviar um comentário
>