segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Bem-vindo de novo Sr. Presidente.



Quando muitos já arquitectavam estratégias, rogavam preces e organizavam profissões de fé para se livrarem de JNPC para sempre, o presidente do FCP está de volta às lides desportivas e à defesa intransigente e incondicional do seu clube e ao melhor nível, depois de um pequeno período de convalescença para tratar de um grave problema de saúde, ao fazer uma declaração pública sobre o seu regresso no dia em que o FCP completou mais um aniversário, que é merecedora de ser lida e analisada pelo que ela representa para todos os portistas, e pelo substrato social que a mesma contempla no agradecimento à equipa médica que o tratou, e pelas suas sábias e atempadas palavras em defesa do Serviço Nacional de Saúde.

Quer se goste ou não, se concorde ou não com a sua forma muito peculiar de estar e de dizer o que lhe vai na alma, Jorge Nuno Pinto da Costa, é e será sempre lembrado por todos nós como um exemplo de um grande presidente e um hábil gestor desportivo que passou pelos nossos dias com enorme êxito, pelo menos no que diz respeito às gentes do norte do país, e mais claramente a todos aqueles que são simpatizantes do clube do momento em Portugal – O Futebol Clube do Porto.







Quem como eu teve o privilégio de seguir as pisadas iniciais deste inigualável dirigente desportivo, que desde 1982 tão bem tem dirigido desportivamente, e não só o seu clube, é que pode aquilatar das verdadeiras capacidades deste homem, que sem nunca querer protagonismos, sem nunca chamar a si os louros do sucesso, colocou sempre os interesses do seu clube de coração à frente de tudo e de todos.






Era sintomático vê-lo atuar em plena campanha eleitoral no início da sua gestão desportiva, enquanto os seus adversários se preocupavam com audiências televisivas, ele expunha as suas ideias e manifestava as suas intenções pelos bairros do Porto, enquanto os seus opositores prometiam mundos e fundos, ele oferecia trabalho e muita dedicação, enquanto os seus adversários diretos prometiam vedetas, ele preocupava-se em contratar jogadores com enorme vontade de vencer, com forte carisma e espírito de trabalhar em equipa, e ainda hoje continua a ser a imagem do clube.

Foi com esta filosofia de vida desportiva e com uma entrega incondicional ao seu clube de coração, que esta personagem sem paralelo no mundo do desporto rei em Portugal, foi construindo, paulatinamente, um clube que já é hoje apontado por todos os meandros do futebol indígena e do futebol mundial, como um clube exemplar, um marco de clarividência desportiva, temido pelos seus adversários pelo valor dos seus atletas e amado pelos seus sócios e simpatizantes que não param de aumentar, e tudo isto fruto da qualidade dos seus gestores e dos seus colaboradores.

 Pinto da Costa ficará também para a história como o principal responsável dos vários campeonatos nacionais, taças de Portugal, super taças, duas taças dos Campeões Europeus, uma super taça Europeia, duas taças Intercontinental e uma taça UEFA, tendo neste momento o melhor palmarés entre todos os clubes em Portugal, e considerado o melhor presidente de clubes por todo o mundo no ativo.

Apesar de fazer parte daqueles que entendem que não há ninguém insubstituível para além de Deus, ao ouvir rumores sobre a sua eventual retirada, já que a idade não perdoa, confesso que ainda não estou devidamente preparado para tão radical mudança, pois como é costume dizer-se - Pinto da Costa há só um, o Jorge Nuno e mais nenhum!  


Por: Natachas.



Enviar um comentário
>