sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Hoje é dia de selecção!






O Povo Nortenho e Portista sempre esteve com a selecção, quem não se lembra das enchentes do velhinho e saudoso Estádio das Antas, algumas mesmo em noites de Invernos rigorosos?






Acontece que por caprichos que a história não conseguirá apagar por um bom par de anos, um dia aterrou na Portela para comandar os destinos da Selecção nacional um "burro com sotaque".

Quis esse "burro" logo para granjear apoio, eleger o seu cavalo de batalha, e há melhor num país centralista, em que tudo que não gravita na esfera da capital, nos negócios, na politica, e desportivamente no colosso das não vitórias que é a equipa de encarnado, que eleger o FC Porto como seu principal ódio e motivo de perseguição?

O Povo do Norte é um povo orgulhoso, guerreiro, que se sente do mal que lhe fazem e logo se desprendeu da selecção, centrando-se no seu clube, o verdadeiro colosso das vitórias.

Esse sentimento de desprendimento quanto à selecção porventura nem será um sentimento verdadeiro, profundamente sentido, mas antes uma defesa, um sentimento de filho sentido com o pai que o distratou mas que nunca deixará de ser olhado com respeito e como pai.

Vem isto a propósito de um artigo muito interessante do Jornal "O Jogo" e o impacto económico que tem a participação da equipa das quinas no mundial.

Artigo:

"Estudo do IPAM refere que a participação da equipa das Quinas no campeonato pode ter um impacto de 438 milhões no país.


    "Queremos crença e espírito de equipa"
    Secretário de Estado não imagina Mundial sem Portugal
    "Portugal favorito? Só disse dez vezes?"

A economia portuguesa pode perder até 400 milhões de euros caso a seleção seja afastada pela Suécia do Mundial de futebol 2014 do Brasil, segundo um estudo do IPAM -- The Marketing School.

De acordo com o IPAM, já a presença da "equipa das Quinas" no Mundial "garante um impacto económico de 438 milhões de euros", sendo que o mesmo pode "superar os 600 milhões em caso de vitória inédita na final".

Portugal recebe a Suécia na sexta-feira, em Lisboa, na primeira mão do "play-off" de apuramento, e joga a segunda partida na terça-feira em Estocolmo: em caso de insucesso, "a economia nacional deve gerar, no mínimo, menos 240 milhões de euros".

O estudo de impacto económico do mundial do Brasil'2014 teve por base um modelo científico que analisa quatro momentos distintos de impacto: estágio, fase de grupos, eliminatórias e vitória na competição.

A investigação teve em consideração mais de uma dezena de indicadores económicos, desde consumos em casa e na restauração até prémios de jogo, publicidade, pay tv, viagens de avião e apostas on-line, entre outros."



De repente os Portistas como eu, aceito que haja que não pense assim, vêm-se no fundo do seu coração a também "puxar" pela selecção, não só para não acontecer o que acontecia quando eu era criança, em que andar nestas andanças de mundiais e europeus era coisa quase impossível, onde regra geral tínhamos que escolher o Brasil como pátria adoptiva para termos por quem torcer para uma vitória. Mas também a somar a isso temos a situação económica do país, em que todos os tostões que se possam contar parecem fazer a diferença com a crise que se debate e não há maneira de nos largar!

Por sentido patriótico ao quadrado eu hoje estarei com a selecção!



Vamos Portugal!


Por: Rabah Madjer
Enviar um comentário
>