quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Inocêncios

#FCPorto #Assobiadores #Joker

Esgotei o assunto
No assobio alheio
O qu’em estádio cheio
Nos vale de muito!

Vencemos e quê?
O público não gosta!
Daí a resposta
Que já não se crê!

Não tenho paciência
Pr’a este portismo
Qual novo-riquismo
Qu’está em emergência!

Por isso que apupem
Em sons de sibila
S’há quem rejubila!
E nisso s’iludem!

Por isso me calo
Ao ver tanto adepto
D’apupo desperto!
Que nisso m’abalo!

E podem continuar
A fazer a política
Da imprensa crítica
Ao não apoiar…

Que nestes adeptos
De crítica acesa
Não vejo beleza
Nem poemas, por reptos!

Sou doutro tempo
Doutra geração…
Qu’o ser-se campeão
Era excepção, não exemplo!

Aburguesámo-nos!
Mimámo-nos nas conquistas
Tornámo-nos benfiquistas!?
Sportinguisámo-nos!?

Não tenho alento
Não tenho estômago
Pr’a este incómodo
D’assobio ao vento!

Pois só o silêncio
Pode contestar
Esse outro estar
Todo inocêncio!

Até mais!


Enviar um comentário
>