sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Bruno, o rufia

#FCPorto #Sporting #Joker


Bruno, o rufia
Passa-se por nobre
Mas é parente pobre
De barriga vazia…

Que já foi gestor
D’empresas falidas
Que de bem geridas
Foram pr’o credor!

Por isso se fez
Um homem de luta
E de tanta labuta
Lá chegou, à vez!

Foi a presidente
Do clube Visconde
E lá não s’esconde
Diz que também é gente!

E de tão rufia
Nesse seu passado
Que não passa bocado
Ond’a faca afia!

Diz que todos mata
Nessa sua guerra
E a faca enterra
Em qualquer zaragata!

Está pois, pronto
Pr’a qualquer disputa
Seja chulo ou puta
Tudo põe a desconto!

E lá no seu bairro
Dito d‘Alvalade
Tem-se por alcaide
Como touro bravo!

E causa temor
Pela voz tonitruante
Que não sendo gigante
Bem soa a clamor!

Mas é respeitado
P’la dita imprensa
E sem pedir licença
Cant’o mesmo fado:

Qu’ele governa
A única agremiação
Ond’a corrupção
Nunca foi o lema!

Que nunca lá viu
O Canal Caveira…
A conta na Madeira
Ond’o outro investiu!

Que nunca registou
Um qualquer Manaca
Que de malapata
Um jogo virou!?

Ou a digressão
Dum árbitro chinês
Que por ser português
Nem precisou de tradução!!

Qu’é um disparate
A piada do Jardel
No campeonato ond’ele
Foi o Rei do dislate!!

É um fado vadio
Que cant’o rufia
Quem tal cantoria
Acendeu um pavio!

Vai jogar ao norte!
Vai jogar c’o Porto!
Que se sente morto
Nessa triste sorte!

É susto infundado
Que não tenhas medo!
Que de lá voltas cedo
Só de saco inchado!


Por: Joker
Enviar um comentário
>