sábado, 4 de outubro de 2014

Andebol; 4ª Jornada: FC Porto 26 vs 23 Águas Santas - Invictos

#FCPorto #Andebol


O FC Porto recebeu esta tarde, em jogo referente à 4ª jornada, o sempre dificil Águas Santas no regresso do Andebol a casa. Oficialmente já tínhamos disputado um jogo na condição de visitados mas o torneio de bilhar orgnizado pelo nosso clube transferiu esse jogo para o pavilhão de Grijó. 

Para a abertura da época no nosso Dragãozinho um rival que acabou com o nosso incrivel record de invencibilidade caseira. Também por isso sabíamos que não seria um jogo fácil, até porque alguns jogadores que a época passada defenderam o nosso emblema estão este ano a jogar pela equipa que hoje nos defrontou. Na antevisão do jogo, o próprio Mick Schubert já tinha alertado. Foi dificil como esperado. Mas bem mais agradável. Vencemos e continuamos a nossa senda 100% vitoriosa no campeonato, 4 jogos, outras tantas vitórias. 

Obradovic fez duas alterações em relação ao 7 que iniciou o último jogo. Hugo Santos foi o ponta esquerdo que iniciou o jogo. Na baliza a habitual rotação fez com que Quintana fizesse os primeiros 30 minutos. 

Já conhecíamos o esquema da equipa maiata. A defesa em 5*1 para tentar travar a nossa meia distância. O nosso técnico, inteligentemente, respondeu na mesma moeda. Começamos com uma defesa 5*1 ou 3*2*1 com momentos de marcação individual a Pedro Cruz, o seu melhor marcador. 

Foi um início em grande para os guarda-redes. Quintana estava muito bem sempre que era chamado a intervir. Do outro lado também o guarda-redes brilhava a alto nível com meia dúzia de defesas de grande nível. O marcador demorava a crescer. 

Aos 10 minutos a nossa primeira vantagem, o momentâneo 4 - 3.

Defensivamente mostramos estar já a um bom nivel. Guarda-redes em forma, boa entre-ajuda na defesa e concentração qb. Ofensivamente porém mostramos em alguns momentos algumas lacunas nada habituais. Algumas falhas técnicas escusadas, sobretudo na saída para o contra-ataque. Estranho, é uma das nossas maiores armas. 

A nossa eficácia defensiva permitia-nos ir aumentando a vantagem no marcador. Nem uma exclusão de Gilberto mudou isso. Aliás, com menos 1 não só mantivemos a baliza de Quintana inviolavel como marcamos nós. 

Ao intervalo o marcador registava uma vantagem de 4 golos, 15 - 11. Foi pena o golo sofrido no último minuto a permitir o 11º golo do adversário. 

Para a 2ª parte a habitual troca na baliza, entra Laurentino que deu sequência à grande exibição do seu colega. Mick Schubert já tinha entrado na 1ª parte, assim como Wesley Freitas. De resto apenas as habituais alterações defesa/ataque. 

A 2ª parte foi bem mais intranquila para as nossas cores. Por 3 motivos:

- o primeiro exclusivamente culpa nossa. Algumas falhas técnicas, alguma confusão na preparação da jogadas e algumas falhas na finalização. 
- o segundo exclusivamente por mérito do adversário. São uma boa equipa, das melhores em Portugal. Têm uma boa postura competitiva e nunca desistem.
- o terceiro por algumas falhas de arbitragem. Incrivel a diferença na marcação de jogo passivo. Levantar o braço no ataque da equipa maiata só após o pavilhão já o estar a pedir há muito. E mesmo com o braço levantado nem uma vez apitaram. Era sempre até rematar. Além disso algumas faltas passaram em claro. 

Estes 3 motivos conjugados levaram a uma aproximação gradual do adversário. Só não foi pior porque Morales conseguiu ir mantendo a veia goleadora, pese embora uma ou outra falha na finalização e porque na baliza temos sempre qualidade. Laurentino estava em bom nível. Defendeu aos 6 metros, aos 9. Até 2 livres de 7 metros quase seguidos parou. 

O Águas Santas conseguiu empatar a cerca de 4 minutos do fim. Na altura o marcador mostrava um 23 - 23. Tínhamos de reagir e, como sempre, a nossa equipa pôde contar com o público presente. Quando aperta dizem sempre presente no apoio à equipa. 

Como tantas vezes no passado, mais uma vez estes nossos atletas não falharam. Voltaram ao nível que lhes conhecemos. A partir daí só deu Porto. Na defesa e no ataque. Gilberto, até então apagado, solta um dos seus tiros e coloca-nos de novo em vantagem. 

Era altura de defender. Tudo concentrado. Caminhos fechados e numa tentativa desesperada de encontrar um caminho para a nossa baliza surge um passe falhado. Bola recuperada e aqui está a nossa arma preferencial. Contra-ataque vertiginoso. Passe para Alexis que marcou o 25 - 23.

Faltavam 2 minutos e o nosso trabalho na defesa deu outra vez frutos. Eles dispuseram de 2 ataques e falharam ambos. Estava ganho. Alexis ainda marcou quando as bancadas já suspiravam de alívio pelo jogo ganho! 

26 - 23. Dificil mas justo. Venham as próximas batalhas.

Numa nota diferente, permitam-me agora um comentário. Um dos maiores orgulho que tenho como portista é que sei que somos adeptos que nos entregamos de coração a esta causa. Temos muitos casos destes. O André era um desses guerreiros. Um Portista tremendo sempre presente no nosso Dragãozinho em defesa do nosso emblema que partiu demasiado. Esta vitória hoje foi para ti!  


FICHA DE JOGO

FC PORTO-ÁGUAS SANTAS, 26-23
Andebol 1, 4.ª jornada
4 de Outubro de 2014
Dragão Caixa, no Porto
Assistência: 1.022 espectadores

Árbitros: Eurico Nicolau e Ivan Caçador

FC PORTO: Alfredo Quintana (g.r.), Gilberto Duarte (4), Yoel Morales (6), Daymaro Salina (2), Ricardo Moreira (1), Nuno Roque (2) e Hugo Santos (2)
Jogaram ainda: Hugo Laurentino (g.r.), Wesley Freitas (1), Edgar Landim (2), Mick Schubert (2) e Alexis Hernandez (4)
Treinador: Ljubomir Obradovic

ÁGUAS SANTAS: Telmo Ferreira (g.r.), Jorge Sousa (2), Pedro Cruz (8), Belmiro Alves (3), Juan Couto (2), Mário Oliveira (1) e Hugo Rosário (3)
Jogaram ainda: João Baltazar (1), José Barbosa (1), João Ferreira (1) e Pedro Peneda (1)
Treinador: Paulo Faria

Ao intervalo: 15-11

Por: Paulinho Santos






Enviar um comentário
>