domingo, 1 de dezembro de 2013

Académica 1 - 0 FC Porto - Desesperante



Não é fácil escrever sobre um jogo destes. Dizer o quê? Que merecemos perder, que vimos uma equipa desorganizada, pouco ambiciosa e, pior que isso, a parecer incapaz de dar a volta a qualquer contrariedade. Passamos o último mês com uma vitória em meia dúzia de jogos. Os 3 últimos jogos do campeonato registam perda de pontos com Belenenses, Nacional e Académica. A liderança confortavel passou uma provavel desvantagem...




Falamos da táctica? Que táctica?


Iniciamos o jogo no esquema habitual. Mas com trocas. Quintero, , foi para uma ala. Josué, que ali tinha estado, passou para 8. Como não resultava, entrou Licá depois, não para uma ala, mas para apoio a Jackson, um 442. Terminamos noutro esquema, Alex Sandro era já um extremo no fim, apenas 3 defesas num 352. Nos minutos finais Mangala passou para avançado, um 334 em forma de anarquia. 90 minutos, 4 esquemas... isto numa equipa ainda à procura do seu estilo.


A confusão é evidente. Nos últimos jogos o parceiro de sector de Fernando já foi Josué, Defour, Herrera e até Lucho jogou lá uns minutos. Chegados a Dezembro e aquele sector que sempre foi o nosso forte ainda está em construção. É possivel ganhar rotinas quando se troca a cada 90 minutos?


Com os extremos igual. O ontem 8, com formação a 10, já jogou em ambas as alas. Quintero já foi experimentado no centro, ontem foi aposta nos extremos.


Não há um plano, não há melhorias. A transição defensiva continua a dar demasiado espaço ao adversário. Ontem foi igual. A Académica tinha até ontem o pior ataque do campeonato. Surgiram isolados em frente a Hélton mais que uma vez. Exemplo disso uma jogada aos 27 minutos e a jogada que resultou no canto com que marcaram. A jogada aos 27 minutos é um exemplo perfeito. Foquemo-nos nesse lance. Bola perdida, espaço enorme para a saída do adversário. Fernando, sobre a meia esquerda corre a fechar no centro. O passe é longo para as costas de Maicon que perde em velocidade, o adversário já embalou. 


Falamos do querer vencer? Teremos de deixar a equipa de fora e focar a atenção nos adeptos que enfrentaram a noite fria de Coimbra.


Falamos do jogo e das nossas oportunidades? Sim, tivemos duas grandes chances, ambas já em desvantagem. Um penalti que não foi convertido e uma jogada digna dos apanhados com os nossos atletas a falharem de forma inacreditavel.


Ou falamos do futuro? Ele revela-se penoso. Volto a referir, iniciamos Novembro com 5 pontos de avanço. Terminamos este mês provavelmente atrás. Nada de jogos complicados, todos da parte inferior da tabela que apenas se preocupam em manter. A Champions será quase uma miragem.


Valerá a pena mudar? Basta falar com adeptos para ver a preferência. Basta ter visto as notícias de hoje com os protestos. Queremos mais e não há confiança em Paulo Fonseca para reverter este ciclo. Mudamos ou arriscamos e continua mais uns jogos, correndo o risco de perder ainda mais e depois já ser tarde?




Equipa e jogadores:



Helton: Terminou o jogo a subir à área contrária. Uma tradição no momento. Chamado a intervir esteve atento.


Danilo: Tentou subir, mas nunca se destacou. Falhou o penalti. Teve dificuldades perante Abdi e Djavan (um bom lateral)


Alex Sandro: Começou a lateral, terminou a médio. Lento a recuperar posição. Uma actuação displiscente.


Maicon: Não comprometeu muito. Neste jogo é um elogio.


Mangala: Salvou, já no final da 1ª parte, um golo. Começou a central, teve uns minutos como lateral e acabou a avançado. 


Fernando: O alivio que resultou no golo adversário foi uma falha enorme. Notou-se vontade de cobrir bem, mas o espaço é tão grande que é impossivel estar em todas. Ele bem tenta, mas...


Josué: Saiu tarde. Deu pouca profundidade e revela demasiada impetuosidade em lances perdidos.


Lucho: O que sofre com esta anarquia... Tenta ser apoio a Jackson quando não tem caracteristicas para tal. A bola não lhe chega, recua para a ter. Pressiona, desgasta-se e perdemos um excelente médio.


Varela: Parecia que ia arrancar uma boa exibição. Fogo de vista. Falhou inacreditavelmente um golo e terminou o jogo com uma escorregadela como tem acontecido.


Quintero: O 10, aquele que num lance resolve foi encostado à linha. Perdido em campo, nem teve a oportunidade de jogar onde rende.


Jackson: Algumas chances. Ainda atirou à trave. Mal servido.



Licá: Notou-se que tinha vontade de brilhar num campo onde já jogou. Foi um 2º avançado, mas nem uma verdadeira acção desiquilibradora, a bola não lhes chegava.


Carlos Eduardo: No meio da anarquia tentou estabelecer ordem. Ontem era impossivel.




Equipa:

Helton; Danilo, Maicon, Mangala, Alex  Sandro; Fernando; Lucho, Quintero (Licá 57'); Varela, Jackson, Josué (C.Eduardo 75')


Por: Paulinho Santos
Enviar um comentário
>