sábado, 14 de dezembro de 2013

FC Porto 10 – 3 Gemania Herringen – Praticamente apurados

O Fc Porto recebeu e venceu com tranqulidade o campeão alemão na 3ª jornada da fase de grupos da Liga Europeia. O apuramento está praticamente garantido, contamos por vitórias os jogos efectuados.

Este é um dos jogos em que só teríamos a perder. Ganhar por muitos era um resultado normal. Tudo o resto era uma surpresa pela negativa. A grande dificuldade nestes jogos é manter a concentração e uma postura competitiva, sobretudo quando 24 horas depois teremos um jogo bem mais complicado e em que é obrigatório emendar o que se passou no último jogo contra o Cambra.



Sejamos realistas, o adversário teria dificuldades para se manter na 1ª Divisão se jogasse em Portugal. Ficarão logo pelo caminho, são a equipa mais fraca deste grupo e a que todos vencerão. Talvez por isso, numa medida de rodar o plantel pois amanhã há jogo de campeonato, Tó Neves começou a rodar a equipa desde o início. O 5 que entrou é o menos habitual na nossa equipa. Na baliza Nelson Filipe. Como jogadores de campo Hélder Nunes, Caio, Losna e Vitor Hugo. Uma revolução que faz sorrir. Quando os jogadores que entram são deste calibre, qualquer jogo só pode ser encarado com optimismo.

O jogo começou da melhor maneira possível. Nem um minuto passado e já estávamos em vantagem. Jogada de Caio e Vitor Hugo a desviar junto à baliza. Um golo típico do nosso avançado, parecido com muitos que tem marcado.

O jogo poderia terminar logo a seguir. Contudo sabemos que os jogos duram 50 minutos completos. Só vi isso não acontecer num jogo. Sim, é verdade, ainda não esqueci...

A equipa, ciente da sua superioridade e em vantagem tão cedo ainda ficou mais relaxada.

Os minutos iam passando e o pouco público hoje no Dragãozinho estava igual ao jogo. Calmo, bastante relaxado a ver o tempo passar.

A equipa alemã empatou à passagem do 5º minuto num lance estranho e fortuito. Mesmo depois de ver as repetições é dificil dar a certeza de como a bola entrou.

O golo sofrido foi um percalço, o jogo estava controlado. Minutos depois nova vantagem. Novamente Vitor hugo, desta vez na conversão de um livre directo.

A exibição da equipa não estava a ser fenomenal. Não se esperava que fosse sequer. O ritmo baixo e as facilidades propiciam falhas de concentração. Isso foi notório à passagem dos 11 minutos. Concedemos novo golo e novo empate.

Tó Neves tentou que a equipa reagisse, trocou alguns jogadores. O objectivo foi apenas rotação e aumentar a concentração.

Estas alterações surtiram efeito logo a seguir numa jogada construída por 2 jogadores vindos do banco. Uma boa jogada de Pedro Moreira sobre a direita, procura do jogo interior e Barreiros a desviar para golo.

Ainda antes do intervalo Barreiros voltaria a marcar. Um grande golo por sinal. Era o 4 – 2, pela 1ª vez uma vantagem superior a 1 golo. Tudo tranquilo.

O jogo estava lento, sem história, chato até. Nada que um bonito golo nosso não resolva. Recuperação de bola e saída para o contra-ataque. A bola passa por todos os jogadores de campo até ao remate de Jorge Silva que não falhou. Um bonito golo, tudo executado com rapidez, em progressão e com acerto.

Além destes momentos de bom hóquei, apenas a dupla de arbitragem fazia os adeptos manifestarem-se. Não sei se foi apenas um dia menos conseguido ou são mesmo assim. Só que foi uma má arbitragem. Faltas despropositadas, decisões sem lógica. Até disciplinarmente não acertavam. Um exemplo disso foi o azul a Jorge Silva. Sim, era falta mas azul nunca. Valeu que o nosso guardião defendeu o penalti.

Ao intervalo 5 – 2.

A 2ª parte começou no mesmo ritmo lento. Era do nosso interesse que assim fosse.

Os campeões alemães reduziram ainda para 5 – 3. Um livre directo que nelson Filipe defendeu. O árbitro mandou repetir. Nova tentativa e nova defesa. Na recarga já nada podia fazer. 5 – 3.

A partir daqui foi uma avalanche portista. Nós somos melhores, podíamos ir rodando e a qualidade mantinha-se. Eles se mudavam ainda se notava mais.

O 6 – 3 surgiu em novo contra-ataque. Jorge Silva conduz a bola, o colega abre na direita. O nosso avançado aproveita o espaço aberto pela desmarcação e resolve assumir. Golo...

Falhamos algumas oportunidades, até de penalti. Não importava, eles acabariam por surgir tamanho o volume de jogo que tínhamos, mesmo sem forçar.

Tiago Losna estreou-se a marcar neste jogo aos 18 minutos após jogada de entendimento com Vitor Hugo. Primeiro marcou, logo a seguir assistiu Hélder Nunes para mais um, o momentâneo 8 – 3.

Destaque para a estreia de mais um jovem nas competições europeias com a nossa camisola. Diogo Seixas entrou em ringue. É bom ver os jovens a começarem a ter as suas oportunidades...

Até ao final mais 2 golos. O hattrick de Vitor Hugo e um de Hélder Nunes quase no fim do jogo.

Fim de jogo. 10 – 3. Fácil, deu para tudo. Rodar o plantel, estrear jogadores, manter o ritmo que nos interessava e golear.

Amanhã mais um jogo, bem mais dificil. No Dragãozinho, o nosso clube recebe o Paço de Arcos. Fundamental ganhar.


Equipa e marcadores:


Nélson Filipe (gr), Hélder Nunes (2), Caio, Tiago Losna (1) e Vítor Hugo (3). Jogaram ainda: Diogo Seixas, Pedro Moreira, Jorge Silva (2) e Ricardo Barreiros (2).





Por: Paulinho Santos
Enviar um comentário
>