quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Cheira Bem! Cheira a Lisboa!



Uma flor a sorrir na tapada
O cachecol que esvoaça ao sol
Essas capas c’o destaque do sul!
Lisboa sorri nesta alvorada!

O cheiro a fragrância celeste
Desanuviand’a naftalina jacente
Os sorrisos abertos de tanta gente
A liderança dúplice, que teste!?

As Paixões soltas na praça
Entrevistas a rodos nas bancas
O presidente já ganha, às tantas!?
E tudo à 10ª se passa!?

Já cheira a campeonato!
Lisboa já traveste o Marquês
Que campeão? É escolher à vez!
A festa vem do ano transacto!

O Campeão já é alfacinha!
Vai da Graça à Madragoa!
Cheira bem, cheir’a Lisboa!
Qu’alegria que s’avizinha!

Já se fazem romarias à catedral
E mais umas mijas no mictório
O Visconde já s’assume, notório!
Este campeonato é da capital!

E porque estamos no Natal
Peço ao menino Jesus
Que me lev’o Fonseca, que cruz!
Qu’isto pode correr mal…

É que são dois gigantes
Os maiores do futebol do burgo
E o Porto sozinho, difuso…
Ainda pode perder como antes…

Veja-se a ânsia qu’ia nos arcos
Que até o castigo se dissolveu
E o jogo que bem correu!?
Viva o nosso Senhor dos Passos!

E na cheirosa casa de banho
Pejada de mosaico verde
O sonho que lá se perde…
É ser campeão daquele tamanho!

E por serem tão pequeninos
O presidente tem voz grossa
É para que alguém o ouça!
São os primeiros, coitadinhos…

E nesta amálgama de cheiros
Que por esta Lisboa norteia
É um cheiro que mareia
De tão intensos, primeiros!?

É deixá-los arejar os panos
Deixá-los abrir as portadas
Antes que venham as nortadas
E os cheiros se fechem, anos…

É por isso que bem cheira
Nesta Lisboa saudosa
Onde a vitória morosa
No bom cheiro, nos enleia…

É por cheirar tão bem
Qu’eu amo a minha Lisboa!
Que cheirinho, coisa boa…
Dos Olivais até Belém!

E por a amar, cheirosa
É por isso que bem estranho
Que cheiros deste tamanho
A deixem tão ansiosa…





Por: Joker
Enviar um comentário
>