terça-feira, 3 de abril de 2012

Um ano sobre o apagão: falemos sobre Paineleiros.


Numa época onde somos atacados de todos os quadrantes, em que figuras distintas associadas ao nosso clube vão a programas de televisão, ou têm crónicas semanais em jornais pretensamente para defender uma causa, são semanalmente dos principais focos de desestabilização para o clube que lhes da dinheiro a ganhar a custa da sua "nobre sabedoria". 

Centre-mo-nos em duas:


Manuel Serrão:

Começamos à segunda-feira por um Manuel Serrão, ex-sócio do Benfica, que resolve dar um murro na mesa quando para o exterior mais convém o silêncio e a união.





Uma pessoa adulta, madura, que sabe estar sujeita às luzes da ribalta, que tem palco e audiência, que tem os ingredientes para ser comedido, que percebe que o inimigo cada vez mais cerra fileiras, via jornais, via tvs, para nos derrubar, sempre exercendo uma pressão extra, sempre buscando e rebuscando factos, muitos dos quais imaginários para incendiar e derrubar psicologicamente os nossos atletas e toldar a opinião de sócios e simpatizantes para os dividir.




Vem este nobre Sócio e resolve frente aos rivais e para felicidade destes dar um murro na mesa. Em que ajudou ou defendeu a causa que o leva ao programa? Por muito certas que tivessem sido as palavras proferidas, a revolta demonstrada que vantagens ou partidos tirou para o clube ou para ele dar semelhante tiro nos pés com o seu discurso inflamado?

Relembro ao Sr. Manuel Serrão que embora eu concorde em geral com o que ele disse, nunca o diria em palco e muito menos quando ainda vamos em primeiro em luta acesa pelo título em que no fim ainda podemos rir e muito.

Ter-se-á assumido maior portista, portista revoltado ou terá dado um imenso prazer aos rivais?



Miguel Sousa Tavares:

Alguém que gosta de falar, geralmente muito e sobre tudo, e também no que toca a futebol geralmente mal.

Para o Sr. Sousa Tavares nunca temos uma boa equipa, geralmente compramos por atacado e atletas de mau valor ou sofríveis, esses mesmos atletas que quando saem esse mesmo Sr. os eleva à categoria de heróis insubstituíveis e perdas irreparáveis.

Lendo a crónica dele foco-me apenas na referencia que faz a Sérgio Conceição, a quem aconselha a ter mais respeito pelo clube que o projetou, pelo seu passado e presente.







Ora não querendo exercer o papel de advogado de defesa de ninguém, relembro ao Sr. MST que Sérgio Conceição sempre foi um profissional exemplar ao serviço do nosso clube, que ajudou a conquistar títulos com a nossa camisola e que aquando da sua venda ainda deu um lucro ao clube nada desprezível mesmo considerando os valores praticados nas transferências hoje em dia. Um profissional que honrou todas as camisolas que vestiu e que deixou sempre um rasto de simpatia por onde passou, misturada com uma certa rebeldia mas isso são outros quinhentos...




Serve isto para lembrar ao Sr. MST que para escrevinhar essas linhas por acaso também estava a ser pago, por sinal por um dos principais inimigos do seu clube, que ali escreve como diz de camisola Azul e Branca vestida, que muitos Portistas só compram o dito pasquim para o ler. Perante isto talvez seja o caso de nas palavras que proferiu sobre o nosso ex-atleta também faça o favor a milhares de Portistas de se rever nelas.

Ele que não precisando ao que parece do mediatismo que o pasquim da queimada lhe oferece, nem nas alturas, como esta alias onde esta Terça-Feira aparece em manchete mais uma falta de respeito pelo FC Porto, ele bate a porta e resolve pregar em outra freguesia.

Assim andam os nossos "Doutos" Adeptos, felizmente não navegamos na Sicília e o nosso clube não se chama de Costa não sei das quantas.

Sendo por estas e por outras que não costumo ver programas de painel e quando vejo regra geral prefiro ver lagartos defenderam a nossa causa, lá dizia o outro à falta de melhor...


É caso para dizer apaguem as luzes às nossas tv´s quando dão estes programas e não leiam arautos da desgraça travestidos de Azul e Branco.






Por: Rabah Madjer
Enviar um comentário
>