quarta-feira, 18 de abril de 2012

Os Magníficos: Os Primeiros três.



SÓ É PENTA QUEM PODE

Passaram cinco anos, entraram e saíram jogadores – uns mais importantes do que outros, como é óbvio – mas há um “clube” que se mantém, o clube do Penta. No Tetra eram sete, ao Penta só chegaram seis, porque Rui Jorge foi para o Sporting, trocado por Peixe. Da meia dúzia de sobreviventes só cinco o foram em termos efectivos, pois Folha apenas jogou treze minutos do último título, frente ao Rio Ave, na primeira jornada da época. Aloísio, Jorge Costa, Drulovic, Paulinho e Rui Barros jogaram em todas as épocas, numas mais do que noutras, consoante as filosofias de jogo aplicadas e o estado físico de cada um.
Aloísio e Drulovic foram os mais constantes, raramente passando pelo banco ou pelo departamento médico, ao passo que Jorge Costa se viu forçado a entremear a titularidade com as operações aos joelhos (três) a que foi submetido durante a caminhada para o Penta. Paulinho só não esteve sempre em acção na primeira época de Robson e na segunda volta do Penta, mas tem a particularidade de quase nunca ser substituído. Ou está ou não está. Senão atente-se no facto de ter participado em menos 15 jogos do que Drulovic e de ter estado mais 1149 minutos do que o jugoslavo, ou seja, o equivalente a 12,7 jogos(!).
Rui Barros foi sempre importante no esquema de treinadores, ainda que poucas vezes fosse titular indiscutível. É um trabalhador, um jogador de colectivo com uma disponibilidade e uma coragem ímpares. Um senhor.


ALOÍSIO (16/08/1963)


Total de jogos: 148 - Completos: 128 – Incompletos. 20
Tempo de jogos: 13 662 minutos – Média por jogo: 91,6
Golos: 9
Cartões: 31 Amarelos; 0 Duplo Amarelo e 0 vermelho.


SETE EM NOVEMBRO




Acabou a época em grande forma como se fosse um rapaz de vinte e poucos anos, acabadinho de contratar ao Barcelona dois anos depois de ter sido vice-campeão olímpico em Seul, ao serviço da selecção canarinha. Cruyff “enamorou-se” das suas qualidades, mas pouco depois preferiu trocá-lo pelo compatriota – será um vício holandês?... – Ronald Koeman. Artur Jorge, que tinha pedido o internacional brasileiro Júlio César, achou óptimo poder substitui-lo por Aloísio, uma vez que a Juventus se tinha atravessado no negócio. Desde que chegou às Antas, Aloísio nunca deixou de marcar pontos positivos. Como jogador e como homem. Desiludidos terão ficado os que o viram “sobreviver” a vários companheiros de sector  e lhe auguravam um fim próximo.




Chegou para jogar ao lado de Geraldão, ajudou a “moldar” Fernando Couto, deu a mão a José Carlos, que fez ao lado dele uma época fabulosa, e contribuiu decisivamente para o crescimento de Jorge Costa, com quem tem formado a dupla mais duradoira, e provavelmente, a mais eficaz. Em nove épocas, o internacional brasileiro ajudou a conquistar sete títulos nacionais. É obra!

Apesar dos seus 35 anos, renovou contrato por mais uma época, mas desde que queira, tem futuro assegurado no FC Porto, pois a Administração da SAD já lhe endereçou um convite no sentido de ficar ligado ao Azul e Branco “ad eternum”. Curiosamente, antes de renovar pelo FC Porto o Aloísio teve em cima da mesa, oriunda do Brasil, a proposta de contrato mais vantajosa da sua vida, ele que ao longo dos anos tem resistido a apelos sucessivos para regressar ao Brasil. E este ano o assédio do São Paulo, cuja oferta superava em muito a do Internacional de Porto Alegre, foi mesmo coisa séria. Mas Aloísio Aloísio já é da casa. E ficou!


JORGE COSTA (14/10/1971)

Total de jogos: 105 - Completos: 105 – Incompletos. 9
Tempo de jogos: 9 513 minutos – Média por jogo: 90,6
Golos: 8
Cartões: 43 Amarelos; 0 Duplo Amarelo e 1 vermelho.



O “BICHO” DRAGÃO





Quando, na apresentação do plantel para a temporada 1997/98, João Pinto, com uma lágrima no olho, entregou a Jorge Costa, não só a camisola nº 2 como a braçadeira de capitão, sabia que quem recebia o testemunho era digno e tinha competência, pelo passado do novo capitão mas também pelas perspectivas de um futuro risonho. Há muitos anos que o capitão do FC Porto é um jogador com carisma, produto da casa e, simultaneamente, uma referência para adeptos e companheiros. Jorge Costa junta estes predicados e mais alguns, até porque não chegariam para ser capitão; para isso, primeiro, é preciso ter qualidades para jogar…



Jorge Costa tem mais do que isso, tem talento, esta época mais visível do que nunca. Herói do Penta, viveu em crescendo temporada a temporada, até que, na época passada uma lesão ainda no estágio, na Suécia, o afastou da competição por muitos meses. Obviamente, não alcançou o rendimento de temporadas anteriores, mas nem por isso desistiu. Já leva cinco operações aos joelhos e de todas recuperou a cem por cento, nalguns casos, como neste último, contra as expectativas de muita gente, que considerava impossível que voltasse a ter a mesma qualidade. Esqueceram-se da força de vontade de Jorge Costa. Aliás, tinham alguma razão… De facto, sob o comando de Fernando Santos, Jorge Costa não foi igual ao passado, foi substancialmente melhor. Protagonizou a sua melhor época de sempre, como jogador e chefe do plantel, defendendo como um autêntico “bicho” – a alcunha com que o tratam companheiros e técnicos – e empurrando a equipa para o ataque quando as circunstâncias o aconselhavam. Se houve, e houve, peças chave na conquista dos últimos campeonatos do Penta, Jorge Costa está entre elas. E não se pode esquecer o contributo que deu nos anteriores.



PAULINHO SANTOS (21/11/1970)

Total de jogos: 131 - Completos: 120 – Incompletos: 11
Tempo de jogos: 12 155 minutos – Média por jogo: 92,7
Golos: 5
Cartões: 30 Amarelos; 1 Duplo Amarelo e 3 vermelho.


IMAGEM DE MARCA





Não está em forma e joga? Perguntem ao técnico, seja qual for o que comanda a equipa, que ele responderá que, em qualquer circunstância, Paulinho terá que jogar sempre. A ideia é forte, até injusta para os companheiros, mas é pura realidade. O peso de Paulinho no plantel dos Dragões é fundamental, uma espécie de imagem de marca de que nenhum técnico prescinde. Porque se trata de um jogador com carisma especial, pela sua forma de estar não nos jogos como nos treinos – é daqueles que não gostam de perder, seja em que circunstância for -, muito ao jeito do pode torcer mas nunca quebrar. E, nesta época, quebrou mesmo, no Boavista-FC Porto, quando sofreu uma lesão que o atirou para a cama de um hospital. Nada que belisque, minimamente, uma parte importante do mérito na conquista do pentacampeonato.



Considerado jogador da casa – curiosamente não jogou nas camadas jovens do FC Porto -, sorveu facilmente a filosofia dos Dragões, logo que Augusto Inácio, então treinador do Rio Ave a preparar-se para assumir a condição de adjunto de Carlos Alberto Silva, o recomendou nas Antas e candidatou-se à vaga de André, na altura ainda a coexistirem na mesma equipa. Paulinho sempre considerou o antecessor como mentor na forma de estar e jogar futebol. Ainda hoje perfilha as ideias, e soube conquistar importância no balneário. Porque dá tudo em todas as circunstâncias, seja como médio seja como lateral adaptado, chegando a exceder-se em algumas situações. Ficaram famosos os duelos com o benfiquista João Pinto, de futebol e de outras coisas, precisamente porque quando tem uma missão leva-a até ao fim, por vezes sem olhar a meios. Bobby Robson apadrinhou-o, António Oliveira nunca prescindiu dos seus serviços; Fernando Santos só procurou uma alternativa quando lhe foi mesmo impossível.


Cronologia:

ABRIL/99

1 – Colocação do FC Porto - Braga em 12º lugar no sorteio dos árbitros indigna Pinto da Costa: “Estranho e protesto a forma como estão a ser escolhidos os árbitros”.
2 – Grupo de espanhóis aplaude Vítor Baía durante o treino.
3 – Chippo parte para Marrocos, para defender as cores da sua selecção, triste por não poder defrontar o Braga: “Não tenho muita sorte com as datas dos jogos”, afiança.
4 – Jardel garante que em Portugal só joga em Portugal.
5 – Pinto da Costa comenta a possível saída de Zahovic para o Olimpiakos: “Na altura própria desmistificarei os Mijapoulos que há por essa Europa”, afirma o presidente do FC Porto.
7 – Zahovic nega saída para o Olimpiakos. A polémica sobre a declaração que os clubes fazem quanto ao número de bilhetes vendidos por jogo volta à praça pública, motivada por uma notícia do semanário “Expresso”. Angelino Ferreira, administrador da SAD, garante que “o FC Porto paga o IVA de todos os bilhetes que vende”.
8 – Aloísio, no FC Porto desde 1990/91 renova por uma época no dia em que Pinto da Costa revela fax do clube grego que garante que o Olimpiakos não tem qualquer acordo com Zahovic. Miki Fehér fracturou o menisco e estará parado durante três semanas, Quinzinho está com a selecção angolana e Fernando Santos só conta com Jardel para o eixo do ataque frente ao Braga.
9 – Miki é operado ao menisco, dentro de duas semanas regressará aos relvados.
10 - FC Porto 1 – Braga 0 - (27ª jornada) - (Árbitro Gomes Araújo)
Vítor Baía; Secretário, Jorge Costa, Aloísio, Esquerdinha (João Manuel Pinto 63’), Peixe, Chaínho (Deco 45’), Zahovic, Capucho, Drulovic (Panduru 77’), Jardel
Supl.: Rui Correia, Fernando Mendes
Marc.: Zahovic, 82’.
Um livre exemplarmente apontado por Zahovic, a sete minutos do fim, permitiu uma vitória muito difícil e suada frente aos bracarenses. Num jogo em que Jardel foi expulso (primeira expulsão da carreira), aos 34’, e em que Deco se estreou (entrou na 2ª parte) Gomes Araújo, o ábitro, teve uma tarde para esquecer. Drulovic apelou à paz antes do encontro, os companheiros seguiram-lhe o exemplo e também se manifestaram contra a guerra na Jugoslávia.
Outros resultados: Benfica 5 – Salgueiros 0, Chaves 1 – Boavista 1, Sporting 3 – Guimarães 0. Classificação: 1º FC Porto 62 - 2 Boavista 57 – 3º Benfica 56 – 4º Sporting 54
11 – Zahovic ambicioso: “Época em cheio só com a conquista do Penta”. A propósito de uma eventual transferência o jogador explica que “o dinheiro é que manda na vida”: “Se pudesse escolher optaria pelo Barcelona ou pelo R. Madrid”.
12 – O FC Porto formula o pedido de despenalização de Jardel, que viu dois cartões amarelos no jogo com o Braga. Pinto da Costa chora no dia em que o clube se sagra campeão nacional de Andebol.
13 – Jardel considera-se inocente em relação à expulsão e apela:”Espero que Liga tenha o bom senso de me despenalizar”.
14 – O Presidente d FC Porto volta ao ataque – desta feita revela o relatório do árbitro Gomes de Araújo no encontro entre portistas e arsenalistas:”O Jardel foi expulso porque se empertigou com um adversário”, ironiza.
15 – O FC Porto dispensa três juniores: Mingote, Ramos e Sousa, todos representados por José Veiga. A decisão, segundo o comunicado de SAD, tem a ver com razões técnico-orçamentais. Os jogadores ficaram chocados por terem sido dispensados em pleno balneário. Guerra aberta aos empresários.
16 – Jardel não é despenalizado pela Liga e a SAD portista exige a demissão das Comissões de Disciplina e d a Arbitragem. Pinto da Costa diz que o seu clube é”um baluarte contra os badamecos deLisboa”.
18 - FC Porto 2 – Campomaiorense 0 - (28ª jornada) - (Árbitro Paulo Baptista)
Vítor Baía; Secretário, Jorge Costa, Aloísio (João Manuel Pinto 89’), Esquerdinha, Peixe (Chaínho 82’), Deco (Rui Barros 63’), Zahovic, Capucho, Drulovic, Quinzinho
Supl.: Rui Correia, Fernando Mendes
Marc.: Quinzinho, 17’ e 47’.
O Qinzinho foi o substituto do castigado Jardel e marcou os golos da vitória no regresso de Rui Barros após um mês de paragem. O árbitro não assinalou dois penaltis a favor do tetra campeão nacional. Pinto da Costa pede a intervenção do Governo devido à actuação de Paulo Baptista. Isto numa jornada em que Benfica e Sporting foram derrotados.
Outros resultados: Braga 2 – Benfica 1, Boavista 3 – Académica 1, Alverca 3 – Sporting 2. Classificação: 1º FC Porto 65 - 2º Boavista 60 - 3º Benfica 56 - 4º Sporting 54
21 – Benfica – FC Porto ao rubro. Vale e Azevedo: O Presidente do FC Porto humilhou um jogador no balneário”; Pinto da Costa: “Atacar jogadores na praça pública é falta de senso” [o presidente do Benfica apelidou o plantel de ‘ricos e mimados’ na hora de analisar o afastamento dos “encarnados” do título]. O FC Porto prossegue rumo ao pleno nas princip+ais modalidades e sagra-se campeão em hóquei em patins.
22 – “Don Balón” coloca o Bayern de Munique na corrida por Jardel.
24 - Benfica 1 – FC Porto 1 - (29ª jornada) – (Árbitro Jorge Coroado)
Vítor Baía; Secretário, Jorge Costa, Aloísio, Esquerdinha, Peixe, Deco, Zahovic (Chaínho 89’), Capucho, Drulovic (Chippo 71’), Jardel (Quinzinho 86’)
Supl.: Rui Correia, João Manuel Pinto
Marc.: Zahovic 40’
Zahovic marca de livre e o Nuno Gomes falha um penalti a castigar falta inexistente de Vítor Baía sobre Poborsky. Preud´homme foi a grande figura do jogo. O título mais perto das Antas.
Outros resultados: Sporting 1 – Boavista 1. Classificação: 1º FC Porto 66 - 2º Boavista 61 - 3º Benfica 57 - 4º Sporting 55
25 – Peixe, que frente ao 3º classificado realizou uma boa exibição, diz que pretende relançar a carreira.
26 – Vítor Baía e Aloísio viajam para Barcelona com o intuito de participarem no centenário do clube catalão.
27 – Jorge Costa e Fernando Mendes viajam para Lisboa para participarem no julgamento do defesa-esquerdo, acusado de agredir um bombeiro no jogo com o E. Amadora, em 28 de Fevereiro de 1997.
29 – Oito semanas depois de ter sido operado ao joelho esquerdo, Paulinho voltou a pisar o relvado das Antas, para fazer corrida e trabalho de resistência. Pinto da Costa promete segurar Vítor Baía. A SAD fechou o semestre com 390 mil contos (1.950 000 €).
30 – Vítor Baía deslocou-se à Liga para responder a algumas perguntas sobre o jogo com o Benfica, designadamente no respeitante à grande penalidade assinalada por Jorge Coroado por alegada falta do guarda-redes sobre Poborsky

Frases

Jardel
“Não aceitaria jogar no Benfica” – 4 de Abril

Vítor Baía
“Não podemos deixar que a ansiedade nos afecte” – 7 de Abril
“Prefiro perder com o Benfica e ganhar o campeonato” – 22 de Abril
“Admito que o FC Porto compre o meu passe” - 27 de Abril

Pinto da Costa
“És tu Boby? Então o teu amigo perdeu!? Oh, que pena” – comentando a derrota do Benfica em Braga; 17 de Abril

Peixe
“Não me esqueço que há oito meses tinha batido no fundo". – 25 de Abril

Rodolfo Reis
“Poborsky é um grande artista”. – 27 de Abril





Por: Nirutam

Enviar um comentário
>