sexta-feira, 6 de abril de 2012

"É o momento de colocar o clube acima de tudo e de todos"


Grande parte da época assumi-me crítico para com o treinador, raríssimas vezes me vi a concordar com as suas opções, respeito o homem, sempre respeitarei mas sempre critiquei a pouca ambição e o seu discurso enquanto treinador.

Independentemente do que por aí venha, amanhã temos um dia que pode ser o inicio de muita definição para estes cinco jogos que faltam,  um simples jogo com um adversário que muito a nossa custa e dos jogadores que lhes "oferecemos", entrou para a disputa a nível nacional dos troféus mais desejados por nós, ajudamos-os a crescer e pela segunda ou terceira vez temos neles o principal rival nos nossos objectivos.

É tempo de união e confluência de vontades, o titulo do texto escolhido para a antevisão por parte do nosso treinador e que em baixo reproduzimos é eloquente e traduz tudo:


"É o momento de colocar o clube acima de tudo e de todos"












O FC Porto desloca-se este sábado (20h30) ao terreno do terceiro classificado, o Sporting de Braga, em encontro da 26.ª jornada da Liga. Em conferência de imprensa, Vítor Pereira sublinha a necessidade de vencer a partida com outro dos candidatos ao título, mas prevê "um jogo competitivo". Os Dragões lideram a tabela classificativa e os três pontos são "fundamentais nesta altura decisiva da época".











Há uma teoria criada em relação ao FC Porto: muita gente diz que é uma equipa de grandes jogos. No sábado, o contexto vai ser este?
Aquilo que diz a classificação é que o FC Porto está em primeiro lugar e isso mostra que tem sido a equipa mais regular. É a equipa que, ao longo destas jornadas, conseguiu arrecadar mais pontos. Do meu ponto de vista é a equipa mais preparada, tanto para os jogos ditos pequenos como para os grandes.


O que espera da sua equipa para este jogo?

Ter conversas com os jogadores antes do treino a pedir exigência é naturalíssimo. Temos que nos focar no objectivo fundamental que é a conquista do campeonato. Quanto ao SC Braga, sabemos que é uma equipa com mérito e que também está a lutar pelo título. Sabemos como se organiza, quais são os seus pontos fortes e os que podemos explorar. Esperamos um jogo competitivo entre duas boas equipas e que o FC Porto esteja no seu melhor nível para trazer os três pontos de Braga.


Acredita que quem sair em primeiro desta jornada vai ser o campeão ou considera que os clubes da frente ainda podem perder pontos?

Este jogo vale pelos três pontos em disputa, que são fundamentais nesta altura decisiva da época. Faltam poucas jornadas para o fim do campeonato mas não acredito que se possam fazer contas aos resultados dos outros. Só podemos controlar a nossa equipa e o nosso desempenho. O que as outras equipas fazem está fora do nosso controlo.


Foi noticiado esta semana, em "A Bola", que poderia deixar o FC Porto e, ainda hoje, no Correio da Manhã, Leonardo Jardim foi apontado como possível treinador da equipa azul e branca. Que comentários tem a fazer?

Já estamos precavidos para esse tipo de notícias. Estranharia que não surgisse nada no sentido de nos destabilizar. Estamos em primeiro e durante muitos anos temos ganho muitos títulos. Isso incomoda e preocupa muita gente. Não sei quais são essas fontes mas só me preocuparia se a instabilidade fosse criada de dentro para fora. O que lamento são aquelas pessoas que desrespeitam a sua profissão e se colocam ao serviço de terceiros.










Houve quem dissesse que o Lucho jogou mais atrasado no campo no último jogo frente ao Olhanense. Concorda?

O que eu peço aos meus jogadores do meio-campo é que joguem em linhas diferentes, de forma a manterem o equilíbrio defensivo. Peço-lhe para baixar quando acho que tem que baixar, mas um jogador com a sua qualidade percebe quando tem que o fazer. A dinâmica dos outros dois dá-se em função do que está a acontecer naquele momento. Quem vê o futebol em papel quadriculado tem mais dificuldades em analisar as coisas assim. Eu vejo o futebol com uma dinâmica própria, dependendo das características dos jogadores que estão disponíveis no momento.









Que razões estiveram na base da sua decisão de retirar o Rolando da equipa no jogo contra o Olhanense?

Nunca particularizei as minhas opções e não vou fazê-lo agora. Escolho a equipa que melhor responde aos desafios que temos de ultrapassar. O Rolando tem sido um excelente profissional e esta não foi nenhuma medida penalizadora, muito menos por aquilo que os outros dizem. Aproveito para deixar uma mensagem para o público: este é o momento de colocar o clube acima de tudo e de todos, inclusivamente do seu próprio treinador. É hora de nos unirmos. A instabilidade vinda de fora não nos atinge porque estamos precavidos e atentos. 


O Fernando já está em condições para jogar em Braga?

Espero que esteja recuperado mas, se não estiver, jogaremos com outros jogadores e numa dinâmica diferente.


As saídas de Souza, Belluschi e Guarín não foram um risco?

Os jogadores que saíram eram de qualidade. Queriam jogar mais e precisavam de um estímulo diferente. Este plantel, neste momento particular da época, dá-me garantias suficientes de qualidade para disputar os jogos que faltam e para conquistar o campeonato.

Entrevista em: fcporto.pt


"É o momento de colocar o clube acima de tudo e de todos"



Por: Rabah Madjer
Enviar um comentário
>