quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O lugar aos mais novos (Por Natachas).








Tendo como principal fundo ou imagem, a crise instalada que a atual sociedade global está a viver, que se configura e estima por um período bastante longo, e que todos nós somos testemunhas desta triste realidade, o futebol e todos os seus agentes desportivos associados à modalidade em causa, decerto que não poderão ficar imunes e desenquadrados de toda esta problemática.




Nesta base de raciocínio, o FCP apesar de se apresentar entre os clubes denominados de “grandes”, (onde faço incluir também o SCB por direito próprio), como o clube melhor posicionado em termos de sustentação económica, e principalmente pelos resultados desportivos que ao longo de várias décadas vem ostentando, terá forçosamente que começar a equacionar e a projetar um novo rumo ou figurino na sua estratégia de reforço da principal equipa de futebol, como tem sido apanágio no melhor clube português da atualidade, que nestas matérias de boa política desportiva costuma andar uns anos à frente de toda a sua concorrência, razão pela qual na minha perspetiva, consegue obter melhores resultados do que os seus opositores diretos.

Pese embora, o paupérrimo rendimento da equipa B na disputa da 2ª Liga, onde se esperava uma melhor performance tendo em conta o projeto inicial do clube, parece-me ainda um pouco cedo para se fazer uma análise aprofundada sobre o assunto, pois certamente após a próxima abertura do mercado de transferências em janeiro, a equipa será objeto de alguns retoques que lhe darão um melhor posicionamento na tabela final do campeonato. 

No entanto, julgo poder dizer com a certeza visível que a SAD do FCP nos tem obsequiado há vários anos, que já se afiguram algumas transformações no exercício da sua ação formativa e pró-ativa, através da introdução gradual na equipa de jogadores pertencentes às suas camadas jovens, ou jogadores promissores oriundos de outros mercados, onde se podem destacar os casos de, James Rodriguez, Danilo, Alex Sandro, Mangala, Atsu, Quiñones, Abdoulaye, ou Castro, conseguindo e reunindo um plantel de extrema qualidade técnica, e com uma média de idades a todos os títulos notável, tendo em conta os pergaminhos e a ambição sempre constante e evolutiva que o clube se propõe atingir, quer se fale em termos estritamente nacionais ou se projete no panorama internacional, o que faz do FCP um clube ímpar, temido, respeitado e copiado como projeto desportivo credível por todo o mundo.


Por: Natachas.

Enviar um comentário
>