quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

CALDO ENTORNADO


Do Esquiça, a taberna,
Tem na vitela petisco,
E o ambiente promíscuo
No zurzir de caserna


Lá lhe advém da fama
De servir com consciência,
Com total beneficência
De prato, banho e cama!

Pois no bem servir
Está o seu segredo,
E lá ninguém tem medo
Do que se possa ouvir…

Pois quem é honrado
No que ali se presta,
Não passa de bestial a besta
P’lo caldo entornado…

E por mais qu’evidente
Que se not’o roubo,
(Que por lá nem é novo,
De tão frequente!)

Tem-se por tranquilo
O dono da tasca,
Mesmo qu’esteja à rasca
P’la fama do filho…

Pois que da costela
Sobressai o vínculo,
E ele só serve tinto
De mistela…

Qu’ali por Fafe
Não há outro igual,
E não serve mal
O glorioso staff!

Seja a pedido
Ou no prato-do-dia,
Quem não o saberia
Já com(et)ido?

Pato à Ferreira!
Que especialidade!
E que liberalidade
Em tal garrafeira!

E tudo bêbado
P’lo carrascão,
Já mete a mão,
Depois do dedo…

Que comensal
Ali por Fafe,
Que só por gaffe
Não há voucher igual!

Qu’a Catedral
Perto do Esquiça,
É da mula riça!
De tal tão frugal…

Servir à grande
Igual ao Ferreira?
Nem em Paços ou Moreira,
Há quem o desmande!

E comer à farta
Como lá se quer?
Venha quem vier
Qu’o Ferreira (é) marca!

Que não deixa crédito
Lá por mão alheia…
Pois nist’o Ferreira
Tem mérito!

É duma previsão
Nos seus cozinhados,
Que só aos convidados
Se dá por escanção…

Pois a quem chegar
Que seja de fora,
Já não se demora
A servir manjar!

Qu’ele fecha cedo
A sua cozinha,
E quem adivinha
Qu’estava com medo!?

Que chamou a polícia
Ali à taberna,
Pois passar a perna,
Dá notícia!

E vendo clientes
Que não são da cor,
A querer o “andor”
Em tais pratos quentes…

Sentiu-se acossado
E em insegurança,
E lá pediu temperança
P’lo caldo entornado…

E vendo coacção
Por não ter serviço,
Acabou sumiço
Como qualquer ladrão…

E na segurança
Da guarda privada,
Segue mais uma jornada
De pura confiança…

Vai outro cozinheiro
Agora a Belém,
Que não há mais ninguém
Que saiba de fumeiro!

Que pois d’enchidos
O Capela é pródigo,
E por sentido lógico
Já estamos comidos…

E depois é vê-lo
A encher chouriços,
E a bulir serviços
Que se negam sê-lo!

Que s’Os Pasteis
Abrirem as pernas,
Como há umas semanas…
Lá serão mais seis!

Mas se cozinharem
A coisa bem feita,
O Capela ajeita
Modo de ganharem….

E ao ver o Tiago
Ali p’lo Berço…
P’lo sporting rezo,
Qu’o almoço está pago!!

Por: Joker

Enviar um comentário
>