quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

IMPOSTURA

Foto do blogue Tomo III

Pródigas em repastos
Andam as notícias,
Que fazem as delícias
Dos gostos faustos!


Qu’o jantar
Negado em Fafe,
Tem o destaque
Sobr’o outro lugar…

Em Campo D’Ourique,
Junto ao Mercado,
O futebol “falado”
Joga-se na SIC,

E no Correio
Por porta-voz,
Pelo “Berlioz”
Octávio Ribeiro!

Qu’o Mr. Burns
Enjeita em trio,
Servindo bem frio:
Fiddle while Rome Burns!

Uma opereta
De soltato en buffa,
Que quando s’a escuta,
Já se sab'a letra!

Qu’as encomendas
Ali ao Bello,
Sabem-nas no prelo
Ao sabor das vendas…

Qu’as “ameaças”
Ali ao Ferreira,
Fazem fogueira
De belas brasas!

Mas no libretto
De tal enredo,
Sabe-se qu’o medo
Não vem do careto!

Mas dessa claque
Que ilegal,
Não tem igual
Em qualquer ataque!

Qu’o dig’o Proença
E os seus dentes;
Qu’eles “inocentes”,
Tiveram sentença!

Ou do assassínio
Dum infeliz adepto,
Qu’estava “perto”
De semelhante ninho…

Que por tradição
Têm carta branca,
Vendendo-a na banca
Da Instituição…

Qu’a porta 18
Estando escancarada,
Não estava ligada
Do clube ao Magoito!

E sem relação
No crime de tráfico,
Como vem sendo hábito,
Não há acusação!

Qu’o “motorista”
Não era funcionário,
E só se servia do armário
Como “prestamista”!

E no carro da SAD
Não se vê qualquer nexo,
Tão só um um complexo
Do benfica LAB!…

E mudando o prato
Das nomeações,
Não há confusões
No triunvirato?

Sabendo da notícia
Daquele Conselho,
O Pereira está velho
De tod’a sevícia…

Qu’a outra dupla (de)
“Velhos” do Conselho,
Não metem bedelho
Na escolha adulta!

E em “rebelião”
Nisto s’abstêm,
Pois nisso não têm
mão!

Qu’o velho Conselheiro
Está feito déspota,
Porque tud’o que presta
Não está em primeiro…

E nisso até desce
De divisão,
Qu’um homem de mão
Pr’a ele não cresce!!

Qu’o Ferreira Nunes
Dá-lhes c’a “Nota”,
Pois que à batota
Eles são imunes!

E s’o “avaliador”
É da Académica,
Que prova cénica
Se tem do Andor?

O que ele posta
No facebook,
Que não há look
No que ele gosta!

É p’lo benfica
Que marca “golo”,
Pois qu’é parolo
No que classifica!

Mas não é tolo
Na preferência,
Qu’isto é ciência,
Mas não é dolo!!

Qu’os corruptos
Foram os outros,
Qu’estes marotos,
São nisto astutos!

E toda prova
Se fez no final,
Qu’em Portugal
Tudo s’inova!

E s’o processo
Não deu em nada,
Nada s’apaga
P’lo progresso!

E isso motiva
Estes artistas,
A darem nas vistas
P’la intriga!

Que da notícia
Eles são donos,
E quantos adornos
São prova fictícia?

E quem acredita
Pois em tal gente,
Mesmo ali à frente
Urdindo a trica?

Qu’o 4º poder
É o da comunicação,
E não há intrusão
De qualquer “saber”?

E nisto s’engole
O que lá publicam?
Quantos o compram
Sem auto-controle?

Não te creias
Em tudo o que se lê,
Qu’o “slb”
O fez a meias!?

E esse contexto
Serv’ao Regime,
Pois qu’isso oprime
Todo esse “resto”…

Que não aceita
O “Status Quo”,
E que sem recuo
Lut'a desfeita!

Qu’isso ao Regime
Não lhe convém,
E quem não diz Amém,
Faz disso crime!

E ao ver a parte
Já pelo todo…
Faz dele “tolo”
Por estar em “Marte”!

E como louco
És conspirativo!
Falta-te o crivo
Do povo amorfo…

E iss’a que serve
Em terra franca?
Manda quem manda,
E o resto é verve!

Pois na leitura
Do dia-a-dia,
Lá quem diria
Ser impostura?

Por: Joker


Enviar um comentário
>