terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

LES UNS ET LES AUTRES


Com espírito ecuménico
Anuncia-se o negócio!
E um só “colosso”
No meio famélico…


O “grande acordo”
Dito em tais jornais,
Qu’eles são plurais
Na parte pelo todo!

São tantos milhões
Em tais parangonas,
Que nessas somas
Esquecem as pressões

Que vindas do BES,
Feito “Novo Banco”
Exigiu “um tanto”
Até final do mês…

Dessas garantias
De “investimento”,
Qu’o incumprimento
Estava pois, por dias…

E nesse negócio
Se salvou o pescoço,
E a esse “colosso”
Se juntou novo sócio?

Ou então o outro
Contra quem “lutavam”,
Que “nisto” mandavam
Pr’a benefício do Porto!?

De nov’o Joaquim
A recrutar o benfica?
Há nisto quem desdiga
Que não é assim?

De nov’o Oliveira
E a SportTv?
E o benfiquista nã’o vê
Já como ratoeira?

O dito por não dito
Por razões prementes,
Qu’eles são diferentes:
Não precisam de muito!!

Só o valor por justo
Naquilo que vendem,
E se nisso cedem
No orgulho a custo…

Tem a sua razão
Pois do vil metal
Vive-se muito mal
Na sua transmissão!!

Que pela propaganda
Desses seus anúncios,
Só vinham prenúncios
De grande demanda…

Eram pois autónomos
Nas suas receitas!
Qu’elas rarefeitas…
Deram gigante por gnomo!

E na mudança de rumo,
O “negócio de milhões”!?
Por tais boas razões
Quanto val’o consumo?

Pouco mais qu’a oferta
Feita uns anos antes,
Pois eles são “gigantes”…
Ficamos de boca aberta!!

São mais três milhões
C’a proposta anterior…
E que grande negociador
Têm os lampiões!

Venderam bem o peixe
Mas só na Imprensa,
Qu’ela só pensa
Pois em tal encaixe!?

Esquece-se amiúde,
Do tempo e promessa!
E do que lá resta…
A quanto nisto alude?

Vendem os direitos
Dessas transmissões,
Por 25 milhões…
E estão satisfeitos?

Diziam gerar
Por ano, quarenta!
E quanto s’aumenta
Para se lhes pagar?

Apenas mais três
Da proposta transacta,
Que equipa farta
Temos outra vez!

E do remanescente
Vende-se o exclusivo,
Do negócio televisivo
De conteúdo ausente?

Não, com o conteúdo
Da BTv por paga!
E disso resta nada
Por valor graúdo…

Há pois qu’amortizar
Tod’as despesas…
Que são “subtilezas”
Pr’as quem as pagar!

Quanto disto é lucro
No “grande negócio”?
Valeu tal propósito (ao)
Negociar tão curto?

E à revelia
De outros “parceiros”,
Nos meios financeiros…
Que se exigiria?

Numa competição
Jogam adversários…
Mas são legatários
Da mesma atenção!

E havendo Liga,
Órgão do conjunto!
Não há pouco ou muito
Que nada lhes diga…

E nesta questão,
Quanta assimetria!
Onde só por magia
Outro é campeão…

Pois tirand’o crónico
Qu’a si se basta,
O qu’aos outros resta
De dinheiro, por tónico?

E estand’o benfica
Outrora, solidário…
Neste erro primário,
A Liga, claudica…

Vai jogar a solo
Este “glorioso”,
Pois por portentoso
Marca e sofr’o golo!

Faz duas equipas:
O NOS contra NOS!
E ganham, por sós,
Tod’os benficas!

E se não ganhar
Já tem a desculpa,
Pois a culpa
Também vai mudar…

Já não é do Jesus
Esse grande obreiro,
Mas do “financeiro”
Que vendeu a Luz!

E do Oliveira
Que tudo lá compra,
E ao Porto monta
Equipa primeira…

Pois ao lhe pagar
Tanto como a NOS,
Quem levant’a voz
Contr’o nosso PAR?


:-)

Por: Joker


Enviar um comentário
>