segunda-feira, 24 de março de 2014

Liga Zon Sagres, 24ª Jornada; FC Porto 1 - 0 Belenenses

#FCPorto #Portugal #Vertigem #Belenenses


Vertigem


 Um jogo entalado entre dois grandes jogos e decisivos. Com muitas condicionantes internas e externas, mas que foi superado com galhardia.

 Comecemos pelo FC Porto, depois da vitória em Nápoles e do jogo que aí vem, tínhamos que passar o Belenenses na perseguição ao objectivo realista que nos resta. Sem Fernando, sem Quaresma e Danilo. Deste trio, creio não fugir à verdade quando digo que nenhum tem um substituto directo.  Ricardo é uma adaptação em curso, Ghilas não é um extremo clássico (nem Licá e Kelvin passa muito tempo sem jogar, até na B!) e Defour só vai para 6 quando não há mesmo hipóteses de haver Fernando.







Mas há mais. A equipa está num estado físico preocupante e bem longe de um pico de forma. Há muitos jogadores nas lonas, alguns deles decisivos na manobra e bem-estar da equipa. Por outro lado, Luís Castro está a formatar o disco rígido da equipa. 






O modelo de jogo já é à FC Porto, com o arrojo e ambição à FC Porto, mas falta pulso. Este pulso não se refere autoridade, mas a sinais vitais. Faltam batimentos cardíacos que mostrem que a máquina está a funcionar. A equipa já se espalha melhor em campo, já domina melhor o espaço, a bola e o adversário, mas falta-lhe velocidade de execução, falta-lhe meter mais bolas em profundidade nos flancos, falta-lhe uma circulação de bola mais eficiente e rápida, falta-lhe que os jogadores não fiquem tão parados, que se desmarquem, que procurem o espaço vazio em desmarcação, que cruzem entre si, que façam mais trocas posicionais. Em suma, vertigem no ataque.

  
 Como se consegue isso? Primeiro, com estabilidade no onze, o que tem sido difícil. Segundo, e mais importante, com consistência de resultados que permitam o aumento da autoconfiança da equipa. E se este último ponto for atingido, então os índices físicos serão positivamente influenciados pelo estado motivacional.

 Neste jogo, tivemos o desenho correcto, a ambição em dose certa, o arrojo necessário, mas faltou melhor execução. Para além desta “formatação” que Luís Castro se vê forçado a realizar, quase que uma pré-época em contra relógio nesta recta final, há dois erros tácticos que me parecem ter afectado a equipa. Carlos Eduardo pode e deve assumir a função 8 e não Josué ou Quintero. Ghilas no flanco sim, assumidamente sim, mas não aberto à extremo, mas como avançado que é. Sempre em diagonal, sempre a fugir para o jogo interior.

foto1




Quanto às condicionantes externas, existiram duas origens. Começo pelo Belenenses, com uma nova liderança técnica que quis fazer deste jogo um ponto de viragem. Um Belenenses que sobrepovoa a zona central e só procura os flancos para o contra-ataque. Legítimo, nada contra, cada um faz pela vida. Exige do FC Porto um jogo flanqueado em profundidade e em velocidade.





Depois, há o “xistrema” de sempre. Golo mal anulado, penalti perdoado, duas faltas sobre Carlos Eduardo à entrada da área por assinalar. Enfim, devo-me dar por satisfeito por não ter amarelado o João Afonso no lance da expulsão.

 A primeira parte foi morna, até algo fria demais. Com o Belenenses a conseguir chegar-se à frente nos minutos finais.

 A segunda parte traz Quintero por Josué. O Colombiano traz maior velocidade na circulação de bola, pena foi que não trocasse de posição com Carlos Eduardo. Pouco depois, entra Kelvin e, por fim, Licá para o ataque final. O golo era inevitável tal era a pressão do FC Porto sobre a área de Matt Jones. Os ferros, por duas vezes, e alguma azelhice, por vezes demais, deram uma magreza injusta ao resultado.

Segue-se agora a mãe de todas as batalhas. Precisamos de ganhar e ganhar bem. Ganhar bem não é por muitos, mas para lá da dúvida. Isso trará muita saúde à equipa e queimaria muitas etapas.



Análises Individuais:

Fabiano – Seguro e sereno, pouco teve que fazer. Quando chamado, mostrou concentração e competência.

Ricardo – Se no ano passado, ainda em Guimarães, lhe dissessem que, para o ano, seria defesa esquerdo em Nápoles e central no Dragão, tenho a certeza que rebolava a rir. Fez uma exibição competente a defesa direito, embora com algumas imperfeições que terá que corrigir. No esforço final a central, continua na sua saga heróica. Qualquer dia, vai à baliza.

Alex Sandro – Muito passivo a defender, mais activo a atacar. Muitos lances perdidos a defender, tendo alguns destes acabado com faltas (a maior parte algo duras) sem qualquer propósito. Continua numa fase muito má.

Mangala – Comandou bem a defesa e teve um jogo hipertranquilo. Nem a dupla com Ricardo o fez entrar em grandes preocupações.

Reyes – É verdade que o Belenenses nem um avançado meteu no onze. Entrou lá para o fim o Caeiro, mas nem cócegas fez. No entanto, realizou um jogo bem mais tranquilo, bem mais dentro do ritmo e dando sinais de quem já sabe que tem que decidir rápido e bem. Bola fora se assim tem que ser.

Defour – Bom jogo, sólido e eficaz. Anulou bem Tiago Silva e nunca deixou Miguel Rosa assumir o jogo. Faltou-lhe habilidade para empurrar o meio campo portista. Conseguiu a espaços nos melhores períodos da segunda parte.

Josué – Uma primeira parte agradável, tentando dar fluidez ao jogo ofensivo. Com Defour a 6, tentou pegar no jogo mais atrás, o que dificultou a ligação do meio campo.

Carlos Eduardo – Tem talento, é inegável, e deixa sempre no campo promessas de mais talento. Mas falta-lhe firmeza no traço. Acende e apaga, ora pega na bola e arranca, ora fica minutos sem a ver. Tem que pegar no jogo mais atrás, para dar largura à sua passada.

Varela – Uma primeira parte bem mais conseguida que nos últimos jogos. Faltou-lhe sorte no cabeceamento ao poste e rasgo para dar mais profundidade ao flanco.

Ghilas – Demasiado colado à linha. Mostrou que pode jogar nesta posição, não se pode é pedir o mesmo que se pede a Varela, Quaresma ou Kelvin. Quando fez mais diagonais na segunda parte, foi quando subiu de produção.

Jackson – Anda meio amorfo e xistrado. Perde golos que não perdia e quando os marca…anulam. Precisa de arrebitar e quarta-feira é um bom dia!


Quintero – Josué estava bem, mas trouxe mais sal, mais improviso e mais talento. Marcou um e a trave devolveu outro. Pegou demasiado atrás, quando deveria estar a jogar à frente de Carlos Eduardo.

Kelvin – Entrou bem, com vontade, mas foi esvaziando o balão. Acabou por perder a oportunidade. Tem que ser mais objectivo e não deixar que o seu futebol decaia a cada lance que perde.

Licá – Entrou para dar verticalidade ao flanco direito e tem participação directa no golo. Acaba a defesa direito na altura de segurar a vitória.

foto1


Ficha de Jogo:

FC Porto: Fabiano; Ricardo, Reyes (76, Licá), Mangala, Alex Sandro; Josué (46, Quintero), Defour, Carlos Eduardo; Varela (55, Kelvin), Jackson, Ghilas
Suplentes: Kadú, Abdoulaye, Herrera, Mikel, Quintero, Licá e Kelvin
Treinador: Luis Castro

Belenenses: Matt Jones; Geraldes, João Meira, João Afonso e Gonçalo Brandão; Bruno China e Fernando Ferreira; João Pedro, Miguel Rosa e Filipe Ferreira; Tiago Silva
Suplentes: Rafael Veloso; Kay, Duarte, Danielsson, Tiago Caeiro, Fredy, Rojas
Treinador: Lito Vidigal



Árbitro: Carlos Xistra


Por: Breogán
Enviar um comentário
>