sábado, 1 de junho de 2013

FC Porto 9 - 7 Valdagno - Emocionante!





O FC Porto venceu nas meias finais da Liga Europeia os italianos do Valdagno e disputará amanhã a final contra o maior rival. Desde 1990 que queremos este título e amanhã podemos conquistá-lo pela 3ª vez...





Foi um jogo emocionante em que os corações portistas sofreram até ao final. Muitas reviravoltas no marcador, 2 boas equipas em campo (uma má), e um pavilhão ao rubro.

A nossa equipa entrou em campo com o mais habitual 5 tal como esperado. E podia ter praticamente entrado em vantagem, mas Reinaldo Ventura permitiu que o guarda redes defendesse um livre directo logo aos 30 segundos.

Foi um inicio com cautelas de ambos os lados. Ataques pela certa, sempre com preocupações em não consentir um contra-ataque adversário. Defesas fechadas e muitas vezes quase na área.

Teria de ser uma falha ou um lance de génio a desbloquear o marcador. E foi num lance em que a qualidade individual do marcador sobressaiu. Sorte a nossa que o atleta veste as nossas cores. Após recuperação da nossa defensiva, Ricardo Barreiros recebe a bola à entrada do meio campo, patinagem rápida por uns par de mestre e um tiro ainda de longe. GOOLO. Grande golo, mesmo no ângulo do nosso 77. Estavam decorridos 5 minutos.

Festa óbvia no pavilhão. E que bonito é ver o nosso pavilhão a festejar. As claques continuavam o seu espectáculo e a apoiar incessantemente a nossa equipa.

O ritmo de jogo alterou-se drasticamente depois do golaço de Barreiros. A equipa italiana, fortíssima nas transições, atirou-se positivamente ao jogo. Era bola cá, bola lá, perigo numa baliza e segundos depois na outra. Duas grandes equipas e um grande espectáculo.

Os guarda-redes brilharam a grande altura neste período. Aquele que nos interessa, Edo Bosch estava imperial. Nada passava, Remates à sua frente, remates de longe, desvios, o quer que fosse. Se fosse à baliza, Edo tirava. Brilhante!!

E com a baliza fechada a 7 chaves, podíamos aspirar a dilatar esta vantagem, até porque mostrávamos superioridade no jogo. Foi o que aconteceu aos 9 minutos.

Penalti bem assinalado que o nosso capitão Reinaldo Ventura com a categoria habitual converteu. Uma stickada fortíssima que nem deu tempo para o guarda redes italiano reagir, quanto mais para defender...

Se após o 1º golo  o ritmo foi alto, após o 2º tornou-se alucinante. 

Como habitual a meio da 1ª parte começa a rotação. O primeiro a entrar foi Caio. O nosso 8 conseguiu entrar bem no jogo e quase marcou depois de se isolar.

Por norma não falo dos golos adversários. Abro esta excepção pelo jogador que o marcou. Pedro Gil num grande remate de longe reduzia para 2 - 1. Destaque para a forma como foi recebido o nosso ex-jogador. Muito saudado antes, ainda trocou algumas conversas com o público que sempre gostou dele. Durante o jogo íamos torcer pelos nossos, mas até lá era um amigo. No final do jogo teve até direito a ver o pavilhão a cantar o nome dele. Bonito gesto de um público que não esquece.

Aos 15 minutos ao FC Porto foi marcada a 10ª falta. Uma falta a cada 90 segundos, mas já lá vamos falar destes artistas... Na conversão do livre a punir essa infração, deu-se o empate. 2-2 no marcador.

Tranquilos, concedemos o empate, mas estávamos bem. Depois do empate foi um sufoco da nossa equipa. Muitas oportunidades, todos tiveram a sua, do 5 inicial e os 3 que entraram.

Foi um desses 3 que marcou. A 4 minutos do intervalo, o grande craque Hélder Nunes marcou de livre directo. Muita classe e tranquilidade na conversão. Um jovem com 19 anos consegue mostrar tanta calma e qualidade num momento destes só alguns, muito poucos, conseguem. Hélder Nunes é um deles.

Depois do golo começou a palhaçada. Nem um minuto tinha passado e é marcado um penalti de forma absurda. Pedro Gil não foi tocado, tentou rematar em queda, não protestou, nada. Uma das duas bestas marcou aquilo que mais ninguém viu. Já no pavilhão ninguém viu, já vi e revi o lance e tenho a certeza que nada houve. Mas calma, nós temos Edo e eles não marcaram.

Os adeptos perante tal roubo reforçaram o apoio. A equipa correspondeu. Ainda teve um penalti e respectiva recarga mas não marcou. A 2 segundos do intervalo novo penalti falhado. à saída para os balneários 3 - 2 para nós.

Realce para o facto de a equipa italiana ir recomeça a 2ª parte com apenas 2 jogadores de campo, após (merecidos) azuis pelos penaltis que já referimos.



Reínicio do jogo. Em vantagenm numérica bastou 20 segundos para marcarmos. Grande troca de bola a fazer despocionar os italianos e bastou encontrar um homem livre. Era Pedro Moreira que marcou. Grande entrada, à Porto...

Depois do golo nova borrada da equipa de arbitragem. Como sabem, depois de sofrerem um golo, 1 jogador pode reentrar. Pois, mas eles tinham 2 fora e reentraram os 2. Palhaçada, incompetência nada vulgar nesta fase... Obviamente toda a equipa protestou e muito do público igualmente. Mais estúpida ainda foi a resposta de um deles a Tó Neves. Sou eu que mando disse ele. Mandas mas és burro que nem uma porta, nem contar sabes. Não sei o nome dele, mas quase que aposto que terá Capela no nome...

Os italianos, como boa equipa que são, aproveitaram para reduzir, até porque Reinaldo recebeu azul nessa jogada. Um 1º minuto de jogo incrivel.

Aos 3 minutos nova estupidez. Penalti assinalado a Pedro Moreira, que nem lhe tocou. Mais uma vez já tinha essa ideia no pavilhão e já vi e revi o lance. Não há toque. Na consequência disso, empate no marcador. Inacreditável.

A nossa equipa sentiu a injustiça. Notou-se no seu jogo. Foi menos eficaz a encontrar as melhores soluções de remate, só conseguia através de tentativas de longa distância.

Aos 8 minutos novo golo dos italianos. 5 - 4 no marcador e a maior prova que duas bestas apenas conseguiram mudar um jogo.

Azar o deles, não nos conhecem. Não sabem que nunca baixamos os braços, nunca desistimos. Fazemos o contrário. Unimo-nos, arregaçamos as mangas e vamos à luta. Se tinha de ser contra 7, seria contra 7.

Os jogadores reagiram assim e o público igual.

Demorou 1 minuto. Passe espectacular de Hélder Nunes e Ricardo Barreiros a marcar. GOOOOOLO... Vamos lá...

A meio da 2ª parte novo golo deles. Pedro Gil foi o marcador. Tinhamos 12 minutos para recuperar.

Pressionamos, fomos para a frente, remetemos os italianos para o seu meio campo. Conseguimo-lo com inteligência. Sabíamos do perigo dos ataques rápidos de Pedro Gil e Nicolia, anulamos essa saída com uma forte pressão sobre o portador da bola. No ataque foi tiro ao boneco. Rematamos de longe, dentro da área, em zona frontal e de zonas laterais, em ataques rápidos ou mais pensados. Até livres directos tivemos... Mérito para o guarda redes deles que defendeu muito e bem nesta fase...

Tanto dominio, tantos ataques iam acabar por trazer golos.

A 8 minutos do fim finalmente conseguimos empatar. Uma bomba de Caio. Remate rasteiro e fortissimo. GOOOOLO... 

E eis que a dupla de Capelas resolve intervir de novo. Livre directo (azul para Reinaldo) muito duvidoso, até agora ainda não vi o toque. E na marcação Edo Bosch defende. O jogador italiano, na recarga, levanta o stick fazendo falta. Não é assinalada e na sequência da jogada choca com Joge Silva. Era a nossa 15ª falta e novo livre directo... Desta vez marcaram. 6 - 7 no marcador a 7 minutos do fim.

Sabemos que 7 minutos no hóquei dá para tudo. E da forma como estávamos a jogar todos nós acreditávamos.

Conseguimos por Ricardo Barreiros (que jogão) de penalti a pouco mais de 5 minutos para o fim. Grande festa nas bancadas e um apoio tremendo à nossa equipa. Quase toda a gente de pé, todos a cantar. É dificil descrever correctamente um ambiente assim, só vivendo com a emoção e garra que o Porto nos transmite.

A quem não é do Porto, lamento por vocês, nunca irão sentir o mesmo...

E se já estávamos ao rubro imaginem como foi quando a 4 minutos do fim passamos para a frente. Um golão de Caio em jogada individual. Fintou um com um toque em habilidade, sai o segundo e Caio desvia-se ficando em frente ao guarda redes. Com muita classe mete-a no ângulo. Grande golo, um momento mágico do nosso número 8. No banco festejou-se este golo em grupo. nas bancadas já ninguém se conseguia sentar, quanto mais estar calado. Grande ambiente.

A cereja em cima do bolo foi o golo final. nem um minuto passou e num rápido contra-ataque conduzido por barreiro, passe para o meio da área e grande finalização do benjamim Hélder Nunes. 9 - 7 no marcador.

Já não nos fugia. Vamos à final. 



Vamos com responsabilidade, vamos com garra, vamos sem nada reservado, vamos com muita, muita vontade. Vamos lutar para sermos CAMPEÕES EUROPEUS.

O nosso adversário serão aquelas personagens que equipam de vermelho. É o adversário que mais gostamos de derrotar. Vamos a eles...

Como os bilhetes estão esgotados a quem não puder ir uma promessa. Quem vai, irá lutar por todos os portistas até ao limite, vão dar tudo para a equipa ficar com o Caneco... A todos nós, presentes ou não, que tenhamos coração para aguentar a emoção que será este jogo.

À equipa, uma nota de confiança. Estamos convosco e confiamos nesta equipa.



Equipa e marcadores: Edo Bosch, Pedro Moreira (1), Ricardo Barreiros (3), Reinaldo Ventura (1) e Jorge Silva.
Jogaram ainda: Caio (2), Hélder Nunes (2) e Vítor Hugo.


Por: Paulinho Santos

Enviar um comentário
>