quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Taça de Portugal 1/4 Final: FC Porto 2 - 1 Estoril

Passou-se.

foto1





Sim, é isso mesmo. Passou-se por um susto, passou-se por uma primeira parte medonha. Passou-se por um milagre no final dessa parte. Passou-se por uma segunda parte bem melhor e passou-se à próxima eliminatória.






Continuamos sobre tensão. Continuamos sobre uma paz podre. Continuamos a adiar um problema até ele já não ter adiamento.


  
foto1





A primeira parte é um buraco negro. Nem vale a pena alongar muito sobre este período de jogo. As suas causas são evidentes. Para além desta equipa ter uma atitude competitiva digna de uma lesma, há dedo de Paulo Fonseca.






Mais uma vez, a forçar Herrera a jogar demasiado recuado (o meio campo do Estoril punha e dispunha de espaço) e, mais uma vez, Licá titular porque sim. 

Jackson nem se viu e o FC Porto só remata pela primeira vez quase a chegar ao minuto 40! Até lá, já havia um golo na baliza de Fabiano e outro passou ao lado. Salvou-nos Vítor Pereira. Quem? Esse mesmo. Não tivesse vindo buscar o avançado do Estoril, perante tanta macieza de Reyes e companhia, não sei com que números teríamos chegado ao intervalo.



O intervalo que chega pouco depois de um milagre. Herrera vai lá frente, fura o plano táctico e por entre uma boa tabela, ressalto e fífia de Vagner, Quaresma leva um empate para o descanso. Um santo empate.

A segunda parte é outra música. Embora a entrada do Estoril tivesse sido boa, o FC Porto cresceu.

Primeiro, a meio campo. Ou encantado com o que Herrera havia feito antes do intervalo, ou meramente assistindo ao seu plano táctico a ser ultrapassado, o que é certo é que o Mexicano fura o plano inicial de Paulo Fonseca e assume o ataque à área contrária, ao invés de defender a sua.

O FC Porto ganha a maior parte das segundas bolas e o ataque do Estoril deixa de conseguir manter o esférico. O FC Porto sobe no terreno e o Estoril vai encostando atrás. Bastou Herrera jogar três passos à frente, incrível.

Depois foi dar mais um cheirinho de talento nos flancos. Primeiro, com Varela, retirando Licá. Depois com Ghilas e colocando um jogador fresco sobre um Emídio ainda sem andamento.

O FC Porto faz uma segunda parte em crescendo, chegando a encostar o Estoril às cordas.

A três minutos do fim, a eliminatória resolve-se. Alex Sandro mostra o que sabe, quando já praticamente nos havíamos esquecido, e Ghilas, oportuníssimo, factura no segundo poste. Jogo flanqueado a resolver.


FC Porto vs Estoril Praia (LUSA)





Já não havia tempo para mais, nem o Estoril teria capacidade para reagir. Já com a equipa da linha espremida ao máximo, restava aguardar o escoar dos minutos finais.







Boa vitória, que nos abre uma meia-final disputada a duas mãos. Mais dois clássicos.


Ainda assim, pouco mais é que um paliativo.






Análises Individuais:

Fabiano – Uma primeira parte algo trabalhosa. A segunda foi bem mais descansada.

Danilo – Luta árdua frente a Carlitos, nunca deixou que lhe ganhasse vantagem. No ataque, anda francamente desinspirado.

Alex Sandro – Finalmente encontrou-se no ataque. Algo frágil a defender, mas no ataque fez a diferença que levou de vencida a eliminatória.

Reyes – Um jogo para ver e rever. Sebá nem é avançado centro. Nem tem a ratice, nem sabe usar o corpo. Fosse um Luís Leal e era um 31 dos diabos! Tem que largar o cadeirão. Deste lado do Atlântico, um espaço é um latifúndio para o avançado. Péssima primeira parte.

Mangala – Acabou sendo o amparo de Reyes, embora aqui e ali tenha feito asneira. Forte nos lances aéreos ofensivos, incomodou o Estoril.

Defour – Mais um jogo de risco zero. Não assumiu o risco. Nem jogou bem, nem mal. Ainda assim, subiu de rendimento com a segunda parte de Herrera.

Herrera – Acaba por ser a boa nova do jogo. A primeira parte é muito má. Até que surge o minuto 43. Vai para a sua posição e força um golo. Na segunda parte, é muito por ele que o FC Porto ganha a luta a meio campo. Que fique claro. Herrera melhora à medida de que se aproxima da área contrária e piora quando se aproxima da nossa. Continuar a fazer dele um “segundo trinco” é assassinar o seu potencial. O melhor em campo.

Carlos Eduardo – Ainda foi o único que tentou meter alguma lógica naquele meio campo inicial. Saiu lesionado.

Licá – Mais uma vez, incapaz de fazer a diferença. Nem as diagonais, o seu ponto forte, já lhe saem bem. Duas bolas açucaradas desperdiçadas pela linha de fundo. Por onde andas Kelvin? Que mal fizeste tu?

Quaresma – Marcou um golo, aproveitando o ressalto em Vagner. Teve alguns lances de génio, desaproveitados, e muito vácuo pelo meio. Já sabíamos o que ia ser Quaresma. Com outra liderança, poderia ser mais espremido.

Jackson – Mais um jogo onde a equipa andou muito longe de si. E se mais fosse preciso para revelar as nossas dificuldades ofensivas, basta dizer que Jackson passou mais tempo fora da área do Estoril, que dentro dela.


Josué – Não fez um bom jogo, embora tenha deixado bons momentos. Mais uma vez, mostra que só sabe jogar naquela posição. Precisa de ser muito mais intenso, constante e produtivo para ser titular.

Varela – Entrou para o lugar de Licá e a equipa ganhou o flanco esquerdo. Mano passou a ter mais que fazer e o FC Porto passou a atacar por esse flanco.

Ghilas – Estreia a marcar. Um golo oportuno. Mostrou que é melhor solução partindo de um flanco que fazendo monte com Jackson.



Ficha de jogo:

Competição: Taça de Portugal
Estádio: Dragão, Porto
Assistência: 10.507 espectadores
Árbitro: Rui Costa (Porto)
Assistentes: Bruno Rodrigues e Miguel Aguilar
4º Árbitro: Pedro Miguel Campos

FC PORTO: Fabiano; Danilo, Reyes, Mangala e Alex Sandro; Defour e Herrera; Ricardo Quaresma (Ghilas, 83), Carlos Eduardo (Josué, 21) e Licá (Varela, 58); Jackson.

Suplentes: Helton, Maicon, Josue, Quintero, Ghilas, Varela e Mikel
Treinador: Paulo Fonseca

ESTORIL: Vagner; Mano, Yohan Tavares, Ruben Fernandes e Tiago Gomes (Emídio Rafael, 52); Gonçalo e Diogo Amado; Carlitos, Balboa (Gerso Fernandes, 65) e Babanco (João Pedro Fernandes, 89); Sebá.

Suplentes: Ricardo Ribeiro, Bruno Miguel, Filipe Gonçalves, Gerso, João Pedro Galvão, Emídio Rafael e Ricardo Vaz
Treinador: Marco Silva


Por: Breogán
Enviar um comentário
>