terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Jackpot!

#Benfica #Sporting #FCPorto #Paixão



Saiu-lhes o Jackpot!
Nessas vendas Rodrigais
45 Milhões, valores fiscais!
O clube já está no top!

Venderam o perneta!
O suplente esquecido!
15 milhões, bem escolhido!?
Quanto valerá o Urreta?

Os fundos estão-lhes no goto
No percurso do Roberto!
Ele há tanto chico-esperto
Neste mundo do “desporto”!

É só lucro e a somar!
E só os cedem no final!?
75 milhões no total!
Par’o passivo limpar!?

Coisa utópica, por certo
Pois os milhões são da treta!
Sem o empréstimo, arrebenta!?
Por isso o negócio à “Roberto”!

S’o melhor jogador
Foi vendido por metade!
Quem acredita nesta “verdade”
Dum clube tão bom vendedor?

E é tant’a propaganda
Qu’até o Manha se rende!
O benfica que bem que vende!?
E ainda assim até comanda!

O campeonato atípico
Ond’o um Porto competente
Há muito estaria contente
E o Tetra há muito escrito!

Mas o Paulo insiste
Em inventar algo pior
No seu percurso amador
Num jogo que não existe!

Mas a culpa não é solteira
E a Direcção mostra razões
Nas suas piores decisões
O resultado de tanta asneira!

E aquele meio-campo já era
Na saída do Moutinho!
O James p’lo mesmo caminho…
Sem Lucho, a finisterra!…

Pois só isso atenua
Este percurso ingrato!
A derrota como hiato
Como desculpa tão crua!

E só nos podemos prever
Nesse sucesso por nós!
Outros escudam-se em Ohs!
Por suas paixões, em vencer!

Mas o destino entrecruza-se
Em ritmos de fatalidade!
Por dois minutos, sacralidade!?
E por esse tempo….acusa-se!?

E na resposta do universo
Com todo o tempo do mundo!
O campeonato ao fundo…
Num tempo em retrocesso!

É muito tempo e dinheiro!
Um verdadeiro jackpot!!!
S’até o clube do norte
Se vê, de momento, em terceiro!

E é bom de aproveitar
Este manancial de paixão!
Em tempo, dinheiro, ilusão!?
Ou o apito pronto a’pitar!

Mas o tempo mostra-se irreal
E os fundos proveitos utópicos!
Nos passivos, gigantes psicóticos
Vagueiam em tamanho lodaçal!

Só as brigadas não são especiais
Oriundas do centro da terra!
Em processos d’enorme leva
Qu’em Lisboa os corruptos são residuais!

Por isso assobia-se pr’o lado
As paixões estão auge do tempo!
E o dérbi que se joga, de momento
Justific’o negócio “por outro lado”!

E assim, neste apito final
O dinheiro é a prova de fogo!
Jackpot! Qu’o fundo não é logro!
E o sporting que se tem, por igual!?

Só perderam por azar, por apito!
Os penaltis por intensómetro!
Nesse jogado jogado, o cronómetro
Ditou o vencedor, aflito!..

Só o benfica no último minuto
Ganhou o penalti da ordem!
Tudo normal, é conforme!
A paixão é seu indulto!

Pois, a carga é evidente!
Vê-se o Djuricic no chão!
Rasteirado, pois então…
Na decisão, inteligente!

Só qu’o Cardoso, justiceiro
Vend’a oportunidade perdida
Tenta fazer p’la vida…
E marc’o penati rasteiro!

Destituindo o Lima
Como antes o timoneiro!
“Marco eu, companheiro!
Pr’a me venderem acima!”

Pois vindo de nov’o Turco
Com uma proposta irrisória
Só uma proposta “milionária”
O poderia levar d’usufruto!

Já que de tão endinheirados
Qu’andam lá por benfica!
Só por uma proposta rica
Se sentiriam compensados!

Pois os fundos bem disfarçam
Os desvarios dos empréstimos
Obrigacionistas, polémicos
Que nessas taxas se pagam?

É pois, um Jackpot!!!
Por acumulação do prémio!
No fundo, paga-se o grémio
Nesse empréstimo de capote!

Pois não havendo comprador
A quem vender esses pérolas!
Anunciam-se nessas auréolas 
Como o maior vendedor!

E só num país-faz-de-conta
Se vendem, pois, tais dislates!
Por anúncios, em escaparates 
Como vendas d’arromba!

E sei o saldo do balancete
Que levou o ROC a fugir!
Um Jackpot!!! Só rir!!!
E a quem calhou o bilhete?…

Com muita Paixão!!!



Por: Joker
Enviar um comentário
>