domingo, 5 de janeiro de 2014

O saudoso Império.



Vibra, pasquim, vibra!
Tu que viste subjugar
O Porto, por empatar
O jogo na Taça da Liga!

Escreve, pasquim, escreve!
Sobr’esse domínio total
Avassalador e brutal! 
Que na posse de bola, se teve!

E em tod’os patamares
De jogo se confirmou!
O qu’a conferência ilustrou:
O sporting dá novos ares!

Vibra, pois, pasquim!
Enaltece esses feitos!
Mostra na capa, os eleitos:
O Carvalho e o Jardim!

E se não ganharam o jogo
Nas bolas que lá entraram!
N’a Bola, massacraram!
O que vale pelo todo!

Vibra, pasquim, vibra!
Por essas vitórias morais
Que são feitos nacionais!
Na pena do Delgado, o escriba!

E mesmo não vencendo
Ganham sempre nas estatísticas!
Pois no pasquim, as conquistas
Com empates vale o pleno!

E rejubila o império!
Saudoso de D. Sebastião
Que no nevoeiro da estação
Nos transmitiu o seu critério!

Ganhámos todos no empate
Porque o sporting vingou!
A derrota que lá deixou
No Dragão, com’o destaque!

É uma grande vitória moral!
Por isso vibra, pasquim!
Nessa capa, um jogo assim
Destaca um Porto banal!

Pois não vencendo na capital
O império mantém-se intacto!
Está invencível, esse pacto
Contr’a corrupção e tod’o mal!

Pois só Lisboa tem virtudes
E o resto é só paisagem!
Só no futebol, a clivagem
É contestada por atitudes!

Pois custa muito perder
Para o provincianismo!
Daí qu’o centralismo
Veja no empate, o vencer!

Nada que não saibamos
Nesse vibrar dos pasquins
Ond’os palhaços, arlequins 
Escrevem os seus desenganos!

Por isso vibra, pasquim!
Faz da tua voz, a alvorada!
E promete a cada jornada
Pr’a capital, outro fim!

Pois falta ainda cumprir
Esse sonho quasi-imperial!
Qu’este modesto Portugal
Teima em não conseguir!

Pois a mentalidade é escusa
E não há poeta qu’o galvanize!
Nem que Pessoa prodigalize
Toda a nossa história lusa!

Pois empatando, subjugamos!
Somos de vitórias difusas
Em tantas temáticas lusas…
S’em pasquins, nos “informamos”!?…

Vibra, pasquim, vibra!




Por: Joker

Enviar um comentário
>