domingo, 29 de setembro de 2013

Andebol: Kielce 35 - 23 FC Porto - Boa réplica durou 30 minutos







O FC porto deslocou-se hoje ao fabuloso pavilhão do Kielce para a 2ª jornda da Liga dos Campeões. A equipa local, uma das favoritas, ganhou como era esperado. Contudo a réplica portista foi de elogiar, sobretudo na 1ª parte. 





Comecemos este texto sobre o ambiente. Um pavilhão capaz de fazer corar muitos estádios de futebol da nossa 1ª Liga. Capacidade para 4000 espectadores, cheio e vibrante. Público "equipado" com as cores da sua equipa, muito barulho, apoio constante e conhecimento da modalidade. Excelente espetáculo fora do campo de jogo também.

O início mostrou a nossa equipa a um nível que surpreendeu os super-favoritos polacos. Gilberto (boa exibição), Tiago e João Ferraz a facturarem sempre que tiveram possibilidade de alvejar a baliza defendida pelo monstro que é o guarda-redes Szmal (melhor jogador mundial em 2011). Uma boa gestão da nossa posse de bola, com ataques longos e capacidade de remates aos 9 metros. A nossa defesa 6*0 atenta e pressionante, capaz de se transformar rapidamente em 5*1. 

Assim ao final dos primeiros 5 minutos ganhávamos nós por 4 -2. Fantástico!

Eles, com dificuldade, chegariam uns minutos depois ao empate, aproveitando algumas falhas técnicas dos nossos atletas. Mesmo assim não conseguiam descolar, pelo contrário, ainda se viram novamente em desvantagem após novo golo de João Ferraz. 

Só após uma exclusão de Wilson e já quase a chegar aos 10 minutos, nos vimos em desvantagem. mas continuava renhido. Obradovic, consciente das nossas limitações na 1ª linha, adoptou uma estratégia que já havia sido testada, a utilização de 2 pivots. Estava a resultar e mantinhamo-nos na luta.

O Kielce, como conjunto experiente que é, tentava aproveitar os nossos momentos de maior fraqueza, aqueles 2 minutos sempre que tínhamos um atleta excluido. Como já tinha acontecido antes, após uma exclusão nossa, a equipa polaca aumentou o ritmo e a vantagem. No final do tempo de exclusão, aos 13 minutos, o resultado era já de 3 golos de diferença (8 - 5).

Os nossos bravos atletas não baixavam a guarda. A diferença era habitualmente de 1 ou 2 golos. Foi assim à passagem dos 15 minutos (9-7). Era igualmente essa a diferença aos 20 minutos (11-9).

Estivemos quase a empatar a 12. Não o conseguimos. Falhamos um golo isolado aos 6 metros, ficou um livre de 7 metros por marcar mas o que interessa é que não o conseguimos. Felizmente na nossa baliza, Laurentino também brilhava.

Nesta fase o nosso técnico, justamente galardoado com o Dragão de Ouro como Treinador do Ano, começou uma rotação com algumas surpresas. Rodamos mais a equipa do que vimos no último jogo. Já nesta 1ª parte vimos em campo Nuno Carvalhais, Miguel Sarmento ou Hugo Santos. Muitos jovens a terem os primeiros minutos da carreira a este nivel. Aproveitem e cresçam, têm aqui uma oportunidade fantástica de se tornarem mais rápido melhores jogadores, melhores atletas. 

Ao intervalo 16 - 13 favoravel ao Kielce. Boa 1ª parte nossa. Vermos uma equipa como a nossa pela 1ª vez nesta fase, todos jovens a lutarem de igual para igual com campeões de tantos títulos, dezenas de internacionais em países de topo, só nos pode orgulhar.

Recomeçamos em inferioridade numérica, após uma exclusão nos segundos finais da 1ª parte de Ferraz. Como sempre, as dificuldades aumentavam ainda mais nesta situação. 

Não foi o único factor. Estivemos francamente mal. Em 3 ataques consecutivos nem chegamos a rematar, todos acabaram com uma falha técnica nossa. Não pode acontecer a este nível. Eles obviamente aproveitaram tantas facilidades. Dispararam irremediavelmente no marcador. os 3 golos de diferença ao intervalo num ápice se tornaram no dobro (19 - 13). Péssimo arranque. Com adversários destes paga-se sempre muito caro.

Continuávamos a tentar descansar a 1ª linha e aproveitando para poder ter 2 pivots. Tiago Rocha partia de central e juntava-se a Salina como 2º pivot. Uma opção interessante descoberta pelo nosso treinador e a forma possivel de dar descanso aos 3 super-fatigados da 1ª linha, mantendo a qualidade.

Apenas à passagem dos 5 minutos deste segundo tempo marcamos (Gilberto de muito longe). Foi o momentâneo 20 - 14. Fraco arranque.

Conseguimos voltar a equilibrar o jogo, mas já era demasiado tarde. Contudo ainda cometemos alguns erros, sobretudo na saída para o ataque rápido, com passes a terminarem nas mãos dos adversários.

Mesmo com a maior rotação relativamente aos últimos jogos, até aí estávamos em desvantagem. O 7 deles era praticamente totalmente novo. Se não eram os titulares, seriam mais fracos? Nada mais errado. Apenas trocaram de internacionais. Se saía um internacional polaco como Jachlewski, entrava um internacional croata como Cupic. Ora,será algo estilo sair o Hulk e entrar o Messi, qualquer um seria figura nas melhores equipas do mundo...

A difernça mantinha-se agora nos 5 ou 6 golos. continuava assim à passagem pelos 15 minutos da etapa complementar (27 - 21).

A partir daí notou-se uma quebra nossa. talvez uma esperada quebra fisica, quiçá uma quebra anímica. Não sabemos. O certo é que desligamos e isso foi notório na marcha do marcador. Eles tinham uma enorme facilidade para finalizar aos 6 metros, nós chegávamos a falhar totalmente isolados (João Ferraz, por exemplo, falhou um contra-ataque completamente sozinho). As falhas técnicas continuaram.

Se aos 20 minutos o resultado mostrava um 30-22, no apito final era já de 35-23. Apenas um golo marcado em 10 minutos demonstra bem as dificuldades ofensivas que mostramos nesta altura.

Não se esperava outro resultado, aliás muitos esperavam uma derrota bem mais pesada. É importante realçar uma vez mais o nosso objectivo e a valia do nosso adversário. Eles são candidatos (o ano passado venceram os 10 jogos desta fase por exemplo), o nosso objectivo é apenas melhorar para dar mais luta no futuro. A verdade é que estamos a cumprir e temos tido excelentes momentos que nos mostram que temos condições para começar a bater o pé e criarmos uma ou outra surpresa. Quem sabe se não será já no dia 12 de Outubro, no 1º jogo da fase de grupo da Champions no nosso Dragãozinho...

Equipa e marcadores:

Equipa Inicial: Hugo Laurentino (g.r., 1), Gilberto Duarte (6), Wilson Davyes (2), Mick Schubert, Ricardo Moreira (2), João Ferraz (4) e Tiago Rocha (2). 
Também jogaram: Alfredo Quintana (g.r.), Belmiro Alves (1), Daymaro Salina, Vasco Santos, Nuno Carvalhais, Hugo Santos (2), Miguel Sarmento (3) e Hugo Rocha.    



Por: Paulinho Santos  



Enviar um comentário
>