quinta-feira, 22 de março de 2012

Jardel: Facto relevante na conquista do TRI


Facto relevante na conquista do TRI:


JULHO 1996









O FC Porto assegura a contratação do ponta-de-lança brasileiro Mário Jardel, por quatro temporadas, batendo para o efeito o Benfica e o PS Germain, que se encontravam interessados no concurso do atleta.














* * * * *
Majestade altíssima

Por estranho que pareça, Mário Jardel começou a facturar pelo FC PORTO bem antes de entrar em campo com a camisola Azul e Branca. O simples facto de ter chegado às Antas depois de, numa operação relâmpago, representando invulgar esforço financeiro do presidente Jorge Nuno Pinto da Costa, ter sido arrancado às ambições do Benfica representou, na verdade, o cartão de visita ideal para o goleador brasileiro junto dos Dragões. Por causa do Jardel o FC PORTO ganhou o primeiro braço-de-ferro com o seu maior rival dos últimos anos... ainda antes de começar a época.

É claro que a coisa não ficou por aqui. Se o cartel do brasileiro ao serviço do Grémio já dava que pensar, não foi preciso esperar muito - o recital de golos começou logo à primeira jornada - para ter a confirmação de que o avançado de Fortaleza era mesmo o «cobra» anunciado. De tal maneira que nem a grave lesão de Domingos, no final de Agosto, impediu o ataque Portista de manter o excepcional nível de eficácia revelado na época passada (1995/1996).

Sobram os elogios para definir Jardel: excelente cabeceador (10 golos em 30 foram obtidos desta Forma), farejador de golos por excelência, com notável capacidade de remate e uma técnica específica muito evoluída para um jogador que nunca pretendeu exibir as qualidades estéticas e fantasistas de Domingos, o número 16 do FC PORTO juntou a estas qualidades uma imagem inatacável dentro e fora das quatro linhas.

Os números falam por si: 30 golos em 31 jogos incompletos no Campeonato , à média de 1 golo por cada 86 minutos, mais 4 na Liga dos Campeões - dois dos quais, em S. Siro frente ao Milan, deram o verdadeiro tiro de partida para a grande temporada Azul e Branca - representam o reembolso com altos juros, do forte investimento Portista na sua aquisição e transformaram-no, sem qualquer tipo de favor, na grande figura da época. Além de o tornarem sério candidato ao título oficioso de melhor ponta-de-lança no futebol português da última década, um trono que na época seguinte (a do TETRA) consolidou de vez.

Fonte: Jornal "O Jogo"




Por: Nirutam
Enviar um comentário
>