domingo, 22 de fevereiro de 2015

Chega!


 Chega do andor semanal!

Ontem, mais uma vez, um jogo do campeonato português ficou decidido depois da intervenção dos senhores do apito. O árbitro Jorge Ferreira, qual Messi ou Ronaldo, decidiu a partida sozinho. O regime perdia por 1 - 0. Salvio, conhecedor do colinho semanal, tenta sacr um penalti. Foi demasiado mal simulado para poder ser apitado. "Mas calma Salvio. Amarelo não levas e pela tentativa ainda dou canto". "Canto?" perguntou-se toda a gente honesta. Sim canto. Não vai a bem vai a mal. Deu-lhes golo. Jogada primorosa de Jorge Ferreira.

1 - 1 no marcador. Podia não ser suficiente, o regime não anda a jogar nada. Vou expulsar um, o primeiro que proteste. Vai já este, o André Simões. Vermelho direto. 

Desde o amarelo por simulação transformado em golo à expulsão, um par de minutos. 

Não é uma situação virgem. Isto tem acontecido com frequência. Como bem frisou ontem um jogador do Moreirense, na 1ª volta já tinha acontecido o mesmo. Vamos relembrar a história. O Moreirense ganha por 1 - 0. O regime joga com 11 quando devia jogar com 10, Enzo não foi expulso. A verdade é que deviam estar a perder e com menos 1 jogador. O que aconteceu foi que ficaram com 11 e o adversário ficou com 10. Deu para dar a volta. 

Sobre Enzo não é uma surpresa para ninguém. Uma nota curiosa. Esta semana tem sido muito criticado em Espanha pela sua agressividade em campo, por já ter visto 5 amarelos em 7 jogos do campeonato. Aqui era um anjo...

Chega de nada fazermos nem nada dizermos!

Os adeptos estão fartos. Fale-se com qualquer adepto de futebol, seja qual for o clube que apoiem e todos são unânimes. O regime tem sido beneficiado quase todas as semanas. Inclusive os próprios adeptos do clube rival, aqueles que têm espinha e cérebro, também o admitem. 

Deixemos os outros de lado, foquemo-nos nos nossos adeptos. Em qualquer conversa ocasional sobre o assunto é comentado. A "bluegosfera" tem dezenas de posts a falar e a denunciar a situação. Em todos a mesma revolta. Damos uma vista de olhos pelas páginas oficiais do clube nas diversas redes sociais e em todos o pedido dos adeptos para que o clube reaja.No estádio, uma das nossas claques recuperou a tarja do andor para protestar. 

Aqueles adeptos que são reconhecidos pelo público e que têm tempo de antena em diversos meios de comunicação social fazem o mesmo. Denunciam, mostram a pouca vergonha que tem sido este campeonato. Seja no nosso canal (vênia a Bernardino Barros) ou noutros, todos referem o mesmo.

Por todo o lado insatisfação. Uma insatisfação crescente, uma insatisfação que atingiu o ponto de revolta. 

E o que faz quem tem a obrigação de defender o clube, aqueles que foram escolhidos pelos sócios para dirigirem o clube e nos representarem? Pouco ou nada. Uma contestação ocasional. Não chega. Não está a ter resultado, o andor continua firme. 

Porquê? Porque é que quem tem a obrigação de defender o clube são aqueles que menos parecem revoltados com tudo isto? 
 
Chega de pedirem respeito!

Não sei se todos os árbitros aderiram, mas esta semana alguns árbitros entrarão em campo com uma camisola branca apenas com a palavra respeito. Surge em consequência de um cada vez maior número de casos em que os árbitros se sentem ameaçados. 

Cosme Machado por exemplo aderiu. A ironia, o tipo que arbitrou o Braga - Porto para a Taça da Liga vem pedir que o respeitem. 

Eu entendo. Eu exijo que toda a gente me respeite. Por um motivo simples. Dou-me ao respeito e sou um tipo honesto. Não falto ao respeito a ninguém que não mereça. Nem deixo que o façam.

Também me acontece uma situação curiosa. Não tenho que andar a pedir que me respeitem, acontece naturalmente. 

Querem ser respeitados? Respeitem e façam por serem respeitados. Não me peçam para respeitar quem todas as semanas anda a roubar uma das grandes paixões da minha vida. Não respeito. Não são merecedores disso.

Sou uma pessoa pacifica. Não quero violência. Recrimino quem a usar. Denuncio-a se vir gestos desses. Não defendo esse caminho. Defendo sim a responsabilização de tudo. Roubaram? Têm de ser punidos. Como? Pelas classificações, pelo denunciar dos ladrões que são. Nada disso tem acontecido. O chefe deles anda calado. Um dos directores da APAF deu uma entrevista a uma rádio a elogiar a arbitragens deste ano. 

Nenhum deles tem vergonha. Mudem-se os intervenientes. Se nada fizerem vai chegar o dia em que as coisas vão descambar... E não se vão poder queixar, nada fizeram para que isso não acontecesse, pelo contrário...

Chega dos pseudo-portistas com agenda!

Sempre foi comentado que Vitor Baía tem como objetivo mais ou menos próximo ser um dirigente de importância do Futebol Clube do Porto. O próprio já deu a entender essa ambição. 

Atualmente é comentador. E que diz ele sobre o que todos temos visto?

Disse esse senhor que feitas as contas os erros são equilibrados, ninguém está a ser beneficiado nem prejudicado. Mais, acrescenta que falar disso é para tapar actos de má gestão.

COMO? Vitor Baía acha que está tudo bem, está tudo normal? 

Eu vejo duas opções. Se acha que está tudo normal, na mesma situação nada iria fazer. Se não acha que tem sido normal, colocou os seus interesses pessoais e a sua ambição antes de defender o clube. Seja uma ou outra, como sócio, serei sempre contra a entrada deste senhor numa direção do meu clube.

Fui um fâ do guarda-redes. Dos grandes defensores de Vitor Baía. Agradeço-lhe o trabalho e os títulos para que contribuiu. Vibrei com as suas defesas. Foi um dos melhores guardiões da história do Porto, é merecido estar no 11 ideal do nosso museu. Eu próprio votei nele. 

Mas quem, na altura de defender o clube o ataca não será nunca uma hipótese para dirigente, nem hoje nem nunca. 


 Por: Paulinho Santos

Enviar um comentário
>