quinta-feira, 7 de agosto de 2014

"Estórias" de pré-temporada

#FCPorto #Colômbia #Brasil #Jackson #BluePunisher #Tribuna #Portugal #Futebol #Rolando #Espanha








Estranho o facto de de vez em quando surgirem casos de atletas do FC Porto, onde através da voz dos seus empresários surgem queixas do tratamento do Clube aos seus "clientes". O caso mais recente é o do colombiano Héctor Quiñones, em que segundo o seu empresário "O FC Porto está a ter um comportamento egoísta".





O "pai empresário" (mais um!) deste atleta afirmou ainda: "Agora, nem o colocaram na equipa B, nem o emprestam, nem o libertam do contrato. O meu filho é um rapaz tranquilo, tem esperado com o máximo de tranquilidade possível por uma definição mas o tempo passa e nada. Esperamos que tudo fique resolvido até ao final desta semana".

Este jogador pelo que já tive oportunidade de ver tem pelo menos lugar no FC Porto B, estranho esta situação, pelo facto de não ser do conhecimento público qualquer procedimento disciplinar ao Héctor Quiñones por parte do FC Porto.

Daí questionar-me porquê a situação deste atleta chegou a este ponto? Caso não exista nenhum motivo disciplinar, porquê deixar-se criar uma situação angustiante para o atleta com tantas incertezas, sem saber onde irá jogar na nova época?

Não faria mais sentido integrá-lo com a equipa B até ser encontrada uma solução para o seu caso, presumindo que não contam com ele? O que o Clube fez foi simplesmente "encostá-lo" utilizando a gíria futebolística. Uma vez que a SAD tem a obrigação de gerir e valorizar bem os seus activos, mais uma vez expresso a minha estupefacção pela forma como este "dossier" está a ser conduzido.

Outro caso interessante é o do Rolando, a situação rapidamente evoluiu duma normal integração com o plantel principal onde até existiu uma garantia Presidencial da permanência do atleta no plantel de 2014/2015, para forçar a saída e entrar em conflito aberto com a FC Porto SAD. 

Fala-se que o Rolando até pondera invocar a Lei Webster para poder  libertar-se do vínculo que tem com o FC Porto. Já me ocorreu que provavelmente o Rolando terá "planeado a frio" com o seu empresário toda esta situação e servido uma vingança fria ao Clube que não o tratou de forma correcta no passado.

Houve também o caso Fucile, cuja saída não me deixa saudades pelo passado recente de mau profissionalismo e indisciplina. Não somos o circo da segunda circular, pelo que devemos dar-nos ao respeito e saber fazer a triagem dos que incarnam o que é ser um jogador "à Porto".

O actual plantel 2014/2015 "faz-nos crescer" água na boca, aposto que muitos Portistas pensam e sonham "quando o treinador conseguir colocar todos os craques contratados a funcionar como uma equipa e jogar à Porto" podemos sonhar alto! No entantoos jogos de preparação têm demonstrado que ainda temos um longo caminho a percorrer e uma equipa não nasce "do dia para a noite". 

Convém ter os pés bem assentes no chão e não embarcar em euforias exageradas, os principais rivais parecem de facto estar muito mais fracos e nós mais fortes, no entanto esperemos pela confirmação de tal pressuposto dentro de campo que é o real momento da verdade.






Ainda com algumas posições para preencher no plantel e segundo a imprensa com dois fortes candidatos para as mesmas, o Holandês Jordan Clasie e o Mexicano Raúl Jiménez, isto assumindo que o central Espanhol Marcano estará por horas de ser oficializado, ficaremos de facto com um "super plantel"! Julen Lopetegui terá uma enorme pressão e responsabilidade de conduzir o Clube ao sucesso e à concretização dos principais objectivos definidos para 2014/2015.





Dada a qualidade do actual plantel principal nenhum Portista aceitará de bom grado algo menos que a qualificação para a fase de grupos da Liga dos Campeões ao abrir a temporada 2014/2015, até porque já são conhecidos os potenciais cinco adversários que o FC Porto pode ter no sorteio, e qualquer um deles está ao seu alcance, o que não é o mesmo que afirmar que será fácil.

A renovação do Jackson Martinez numa inédita sequência de concessões por parte da SAD do FC Porto, teve o interessante condão de deixar a nú evidências de algo que para além de parecer estranho causa a sensação de que não deveria ter sido feito. Baixa-se a cláusula de rescisão (um dos melhores atletas do plantel desvaloriza!) e promove-se o atleta ao estatuto de capitão de equipa! Certamente parecerá que implico com o Jackson por tudo e por nada, simplesmente não concordo com os moldes desta renovação e com o estatuto dado a um atleta que pelas atitudes que teve deveria ter saído. 

Só posso desejar para bem do FC Porto que Jackson Martinez tenha definitivamente assentado e clarificado as suas ideias e tenha mesmo a "cabeça por cá" passando finalmente a ser o avançado letal que o Clube necessita.







Não posso deixar de manifestar incredulidade perante aquilo que está a suceder no recreativo de carnide, onde "vendem tudo o que mexe"! O desmantelamento de um plantel campeão normalmente tem sido sinónimo de época falhada. Resta-me esperar que esse padrão produza o mesmo tipo de resultado observado vezes sem conta. 






Provavelmente o ecoar do escândalo BES deixou o clube do regime numa "crise de liquidez" poucas vezes vista e tem obrigado a desfazerem-se das "jóias da coroa". Eu vou assistindo entretido como espectador a este "filme da vida real".

Pelo que foi possível observar no jogo particular ante o Everton em Goodison Park, o FC Porto deixou boas indicações e foi bem melhor quando o Jackson entrou (faço-lhe essa justiça) pelo que a equipa parece estar a adquirir a identidade que o treinador pretende, vendo-se uma evolução à medida que o tempo passa. 

Deixa-me optimista e também realista, uma equipa leva o seu tempo a construir, pede-se aos adeptos e simpatizantes do FC Porto paciência e confiança num bom desfecho, pois desta feita parece que todos no Clube estão a fazer o seu "trabalho de casa" bem.





 Por: BluePunisher



Enviar um comentário
>