segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Ascensão e queda de uma equipa de futebol



Tendo em conta o positivo e merecido desempenho desportivo do SLB na temporada passada, decerto que a família benfiquista vaticinava para o ano em curso, e com pleno direito diga-se a propósito pela excelente campanha que proporcionou aos seus adeptos, pelo menos um ano tão bom como o anterior, ou no mínimo, poder manter parte dos índices desportivos com a obtenção de mais vitórias e títulos.  






No entanto, já durante a vigência do campeonato anterior, se vislumbrava no ar indícios de que qualquer coisa não estaria bem em termos financeiros e agrado de algumas pedras nucleares da equipa para os lados do clube da águia, pois, sem que nada o justificasse naquela altura, o SLB acertou com o Valência a alienação dos direitos desportivos dos passes de André Gomes e Rodrigo, se bem que, e não ficará mal aqui afirmá-lo, até foi um excelente negócio para o SLB, tendo em conta os valores que por aí se transacionam por jogadores do mesmo nível daqueles.





Estranhamente, e para mal dos apaniguados simpatizantes do clube que já vaticinavam um novo e duradouro ciclo de êxitos desportivos, retirando ao FCP a hegemonia do futebol indígena, pelo andar da carruagem das entradas e saídas do plantel do SLB e dos resultados da pré época, parece augurar-se ao contrário do que se previa um retorno ao passado recente, a menos que JJ como o seu nome indica consiga fazer mais alguns milagres de circunstância.

Entretanto, para os lados da nação portista e para desconforto e pesadelo de muitos bons benfiquistas, que vão assistindo a tudo isto incrédulos e impotentes para aceitar e compreender esta situação,  quando muitos já vaticinavam o fim da era do eterno presidente do FCP, JNPC, eis que este renasce mais uma vez das cinzas e surpreende tudo e todos, com a formação de um plantel de luxo recheado de jogadores de enorme valia técnica,  onde muito dificilmente pela qualidade dos jogadores já apresentados e de outros que ainda virão, se saberá jogo a jogo qual a formação base da equipa ou julgada como titular.

Como se costuma dizer na gíria popular, quem tem unhas é que pode tocar guitarra de nível superior, quem cria falsas expectativas aos seus adeptos sem um mínimo de garantia de sustentabilidade económica e durabilidade desportiva dá-se mal, pois só quem sabe gerir bem um clube é que pode retirar daí os respetivos dividendos, mesmo que para isso tenha que estagnar um ano para voltar à hegemonia do futebol português de pleno direito, e ao mesmo tempo assistir de poltrona presidencial à ascensão e queda do seu clube rival de sempre.  

Por: Natachas.

Enviar um comentário
>