sexta-feira, 29 de agosto de 2014

€uromilhõ€s!

#FCPorto #LigadosCampeões #Futebol #BluePunisher


Em grande destaque esta semana no universo do FC Porto está de forma inequívoca o apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões. Este feito é muito importante não só para as finanças do Clube como também para o seu prestígio além-fronteiras.



Aproveito para endereçar os meus parabéns aos dirigentes, atletas e equipa técnica do FC Porto por terem conseguido um dos objetivos para a presente época. Este objetivo alcançado poderá aumentar a confiança da equipa nas suas potencialidades e fazê-la estabilizar de forma a alcançar patamares exibicionais mais consistentes e permanentes.

Poderá discutir-se se o futebol apresentado no momento pelo FC Porto é suficiente para as exigências competitivas desta nova época, houveram alguns bons momentos, que deixaram um pequeno “aroma” do que esta equipa poderá ser capaz de produzir, no entanto em termos gerais apenas o setor defensivo parece estar afinado.

No entanto não deveremos ir do 8 ao 80, é necessário dar tempo ao tempo, e reconhecer que está a ser construída uma equipa nova do zero e o treinador é novo, e está ainda num processo de identificação, adaptação e aprendizagem à sua nova realidade profissional.

Parece-me que esta equipa será capaz de altos voos e de proporcionar grandes espetáculos como muitos adeptos anseiam. O potencial de crescimento é enorme, o talento está lá e não engana, as opções são mais que muitas, apenas faltará fechar o plantel com um substituto credível ao Casemiro (a crescer a olhos vistos!). Se é o holandês Jordan Clasie ou outro logo se verá.

Quanto ao jogo propriamente dito disputado no Estádio do Dragão nesta Terça-Feira frente ao Lille, o que se poderá dizer é que o FC Porto entrou bem, criou algumas oportunidades, viu novamente uma grande penalidade quando o marcador estava 0-0 ser-lhe sonegada pelo árbitro (falem-me em coincidências só penso na “mão invisível” do francês da UEFA!).

Nos primeiros 20 minutos da partida mesmo sem criar grandes oportunidades de golo o FC Porto controlava as operações e jogava bem e com confiança. Passado esse bom período a equipa desconcentrou-se e desorganizou-se e valeu o acerto defensivo ou desacerto francês no momento do último passe ou na finalização.

Por alguns minutos que pareciam nunca acabar pairaram “nuvens de dúvida” no ar, até porque a magra vantagem trazida de França poderia ser rapidamente anulada num lance mais ou menos fortuito. Na segunda parte com outra disposição e procurando de novo “a felicidade” o FC Porto entrou determinado a selar o apuramento e o “efeito Brahimi” encarregou-se do resto!

Grande jogador, grande velocidade, grande técnica, grande visão de jogo, aproveitem bem e deliciem-se com este mago argelino, porque provavelmente ficará pouco tempo no Dragão a continuar a este nível ou até ainda a níveis superiores. Para além de ter sido o “abre-latas” de serviço neste jogo com um primeiro golo importantíssimo e belíssimo, foi fundamental pelo que fez jogar e pela “alegria futebolística” com que “contagiou a equipa”. O passe mortal para Jackson que com um remate na passada aproveitou para sentenciar o encontro e a eliminatória é de mestre, ou se quiserem de mágico!

Ainda em destaque neste jogo porque uma equipa não é só um jogador, por muito bom que ele seja uma vez que o futebol é um desporto coletivo, destaque para a solidez defensiva do FC Porto com os centrais Maicon e Indi em grande plano e os laterais Alex Sandro e Danilo igualmente em muito bom plano.

Casemiro fez uma exibição muito boa e segura, e era bom que nunca precisasse de descansar, dada a falta que faz. Jackson cumpriu desferiu o seu “veneno mortal” à ponta de lança como se espera, mas fez mais do que isso, eu que sou insuspeito por elogiá-lo porque muitas vezes aqui apontei algumas situações menos agradáveis sobre este jogador. E escrevo que fez mais que cumprir, pois demonstrou que está com a cabeça no FC Porto, e espelhou entusiasmo em cada passo que deu no relvado, é um Jackson diferente e renovado que saúdo e espero que esteja para durar.

Quanto aos restantes Herrera fez uma exibição regular e segura, tendo auxiliado Casemiro nas tarefas defensivas no meio campo Portista assim como na condução da bola para o ataque, nem sempre bem mas com entrega e raça. Os “putos” Óliver e Rúben Neves estiveram “apagados” e a espaços denotaram algum nervosismo, compreende-se dado o que estava em causa. Ainda têm muito que crescer e aprender, no entanto pelo que já demonstraram, certamente serão capazes de melhorar no futuro e ser mais constantes em termos exibicionais.

Fabiano foi um senhor na baliza, apenas teve um deslize que poderia ter saído caro, mas acontece aos melhores, e se calhar o relvado molhado e por consequência bola molhada explicam aquela bola a fugir-lhe das mãos que nos causou grandes calafrios. Vá lá que resolveu rápido e bem e o lance não teve consequências negativas.

Mal posso esperar para ver o Aboubakar em ação nesta equipa, ele que poderá jogar a extremo. Imagino o potencial e “poder de fogo” que isso possibilitará à equipa, carenciada de melhorar e de ganhar identidade em termos ofensivos.

 Feita a análise do jogo virão para os cofres do Clube vários milhões de euros que são naturalmente bem-vindos, para além da Liga dos Campeões ser “a tal montra” onde todos os atletas ambicionam demonstrar o que valem, valorizando também passes de atletas com bom desempenho nesta prova. É uma competição de excelência onde estão os melhores e só os mais fortes sobrevivem.

Conhecidos os grupos sorteados na Liga dos Campeões, o grupo H onde o FC Porto calhou tendo por adversários o Atlético de Bilbau, Bate Borisov e Shakhtar Donetsk não é o mais difícil mas também não é o mais fácil entre os sorteados. Neste grupo o FC Porto tem tudo a perder, especialmente porque é claramente o favorito e equipa com maior “pedigree”, algo menos que isso no seu desempenho na prova saberá a fracasso, todos esperam não só o apuramento do FC Porto mas também que vença este grupo. Nem que seja subconscientemente!

Uma análise mais a frio identifica muitos riscos e ameaças, desde logo um Atlético de Bilbau que é uma equipa forte e personalizada sem medo de grandes jogos e grandes ambientes, há o experiente e sempre imprevisível Shakhtar Donetsk recheado de bons jogadores e um Bate Borisov que tem que ter qualidade caso contrário não estaria neste lote dos melhores.

Também há a desvantagem das longas viagens à Europa de Leste (Bielorrússia e Ucrânia) que ninguém gosta de fazer especialmente se coincidirem com o rigoroso Inverno naquele ponto do globo. E infelizmente uma deslocação com risco de segurança à Ucrânia, embora teoricamente para uma zona “segura” (Kiev) longe dos confrontos e violência que infelizmente assolam aquele país.

Resta desejar que corra tudo bem nesta fase de grupos da Liga dos Campeões e que o FC Porto entre com o pé direito aproveitando o primeiro jogo em casa contra o adversário “teoricamente” mais acessível do grupo para vencer e amealhar os primeiros três pontos. A importância de entrar a vencer nesta prova e ainda de pontuar nos jogos caseiros tem-se revelado crucial ao longo do historial de participações do FC Porto nesta prova.

Refira-se a título de curiosidade que esta será a 19ª participação nesta prova, e podemos orgulhar-nos de dizer que estamos no lote restrito de colossos europeus com tal marca, tais como Real Madrid, Barcelona e Manchester United.

Também é curioso que o desejo do nosso conhecido André Villas-Boas obteve materialização, defrontará o clube do regime na Liga dos Campeões em vez do FC Porto, aliás o grupo do recreativo de Carnide é muito interessante. Só me consigo lembrar das “manitas” e reviravoltas do mestre André ao recreativo de Carnide, permite-me pedir-te André, repete a dose! Hulk podes ir afinando a pontaria e ajustando a mira!

A Chama do Dragão é Eterna!
FCP Sempre!






 Por: BluePunisher



Enviar um comentário
>