terça-feira, 24 de julho de 2012

O FCP tem de continuar a ser um clube eclético!






Apesar de estar ratificado na sua génesis ou matriz como um clube essencialmente virado para o futebol, o FCP não pode nem deve a qualquer preço, independentemente das dificuldades financeiras que eventualmente possa a estar a passar, deixar de honrar as suas responsabilidades e pergaminhos nas modalidades que nos têm sido tão caras como é o caso do basquetebol. Já em tempos acabamos com o voleibol, deixamos de ter o ciclismo e para mal dos seus adeptos que adoram a modalidade, nunca conseguimos ter uma equipa de futsal para combater a hegemonia dos nossos eternos rivais de Lisboa.






Foi assim para mim, fervoroso apaixonado pela minha segunda modalidade de todos os desportos a seguir ao futebol, quando tive conhecimento pela comunicação social que o FCP iria terminar com o basquetebol, pelo menos nas mesmas condições que ela hoje ostenta, um dia extremamente triste e que me irá marcar para sempre como portista e amante da mestria da modalidade da bola ao cesto, quando paralelamente no futebol assistimos todos os anos a alguns negócios menos conseguidos, e que não se assemelham de todo às verbas julgadas por necessárias para continuar com a modalidade em causa. 




A juntar a tudo isto, ainda não entendi bem das razões que levaram a Sad do clube a suspender a sua equipa sénior de basquetebol, mesmo depois de ter acesso ao comunicado oficial do FCP, onde no ponto nº 5 se pode ler sic, “Reunir as condições necessárias, no mais curto espaço de tempo, no sentido de retomar a actividade da equipa sénior de basquetebol”, o que me parece no mínimo bastante vago e deixando por isso a nu algumas lacunas de informação e justificação pela súbita tomada de posição da SAD, pois não se descodifica no comunicado com o devido realce o que se quer dizer com “reunir as condições necessárias”, ficando todos nós, adeptos e amantes da modalidade no clube, sem sabermos bem, se a mesma de deveu a alguma falta repentina de algum patrocínio importante que não soube honrar as suas responsabilidades, ou se foi por mera estratégia desportiva ou financeira da SAD, por não estarem reunidas todas as condições para podermos competir de igual para igual com o nosso principal rival de Lisboa.



Espero pois, que esta importante decisão do clube não passe de um ato único e passageiro, e que em breve possamos ter no nosso pavilhão uma nova equipa de basquetebol que seja o orgulho de todos os portistas e amantes da modalidade, e já agora, por que não, com o comando de um dos melhores técnicos da modalidade a trabalhar em Portugal, Moncho Lopez, que será juntamente com os seus atletas, os únicos que não devem ter responsabilidades diretas nesta inesperada, histórica e conturbada temporada do basquetebol portista.


Por: Natachas.

Enviar um comentário
>