sábado, 21 de julho de 2012

FCPORTO, A DESISTIR DESDE 2012



O Presidente de 99% dos portistas decidiu ou aceitou acabar com o basquetebol do FC Porto.






Falo de 99% porque foi ele que, numa Assembleia Geral, achou por bem afirmar que as modalidades não eram assunto de relevância porque 99% dos sócios só queriam saber de futebol.
Nessa altura, como no passado e até ontem pensei que ele fazia parte dos 1% que queriam saber e que achavam que as modalidades eram importantes e relevantes para a história do clube.






Apesar de chocante aquela frase foi muitíssimo mais honesta do que a forma como se transmitiu ou silenciou o encerramento do basquetebol no decurso de uma semana e que redundou no vergonhoso comunicado de quinta-feira que é revelador da total falta de respeito pelos profissionais de basquetebol e pelos 1,2 ou 3% que se importavam com a modalidade e que várias vezes foram louvados como símbolos de portismo nas reportagens do Porto Canal.

Falta de coragem própria e de respeito pelos sócios. 

Ter coragem seria esclarecer de forma directa e concisa os sócios das razões verdadeiras para o encerramento do basquetebol.

Apesar de contestável seria muito mais dignificante ouvir da boca de um dirigente a frase.

“Vamos encerrar com o basquetebol porque a modalidade é deficitária.”
“Vamos encerrar com o basquetebol porque não vale a pena o esforço quando só 1% dos sócios se importam com a modalidade.”
“Vamos encerrar com o basquetebol porque enquanto direcção não queremos continuar.”
“Vamos encerrar com o basquetebol porque o que interessa é o Sebá e o Jackson Martinez.”

Nada disso.

A culpa é da Federação e da forma como é gerida a modalidade em Portugal que não faz por merecer ter um clube com a grandiosidade do Porto a disputar a competição.

Agora estamos nesse patamar desportivo. As modalidades que temos ou deixamos de ter são decididas em função de agentes externos – não portistas – que têm o impensável poder de influenciar de forma definitiva o nosso futuro.

Fica aberta a caixa de Pandora. Como o protesto do Benfica-Porto em hóquei foi indeferido que se feche a modalidade.

Seria um escândalo que um campeão fosse decidido num jogo com erros técnicos e em que se “comeu” objectivamente tempo de jogo.

A malta do hóquei – não portista - também não nos merece. Que se feche a porta.

Se essa politica se estendesse ao futebol que já teve personagens como Hermínio Loureiro, Ricardo Costa, Bruno Paixão já tínhamos encerrado há muito.

A táctica é revolucionária. Se tenho inimigos que me incomodam os planos desisto da guerra.

Logo a seguir reoriento todos os meus esforços para formar e promover a selecção nacional. Proponho-me a ajudar o inimigo que me fez desistir da guerra. Brilhante!

SUNTZU era um aprendiz à beira destes mestres.

Como se tal não bastasse convido o General que mandei desistir a liderar essa ambiciosa tarefa.

Pelo meio há o pequeno e irrelevante pormenor dos sócios que viviam e amavam a modalidade. Por esses nem uma medida. Para esses nem uma explicação.

Que comunicado é este? Tenho vergonha que o meu clube quando protagoniza um acto de gestão desta importância se esconda num comunicado na internet do género dos que protagonizava o Labaredas quando se entretinha na relevantíssima missão de responder aos textos da Leonor Pinhão no jornal ABOLA.

O jornal ABOLA merece letra maiúscula (impensável!!!) porque era este órgão oficial do Regime a quem os sócios tinham que recorrer para saber, em primeira-mão, o que se passava.

O basquetebol era importante?






Quando vejo o Pinto da Costa a receber a Taça das mãos do Moncho parecia que sim.
Quando leio o comunicado toca e foge que acaba com tudo percebo que não.

E o Moncho? Não merecia TODO o respeito?

Orgulho em ser portista é fazer ao Moncho um convite similar ao que o Salvador fez ao Nuno Gomes?







E para a malta que durante o ano esteve no Dragão Caixa nestes últimos anos?  Nada….Que se fodam que nem uma palavra merecem!

São mais uns, à semelhança dos dirigentes das federações das modalidades, que devem agradecer a Deus o favor que o Porto lhes faz ao permitir que eles o apoiem por todo o país.

Se amanhã os altos quadros entenderem que é para bater palmas aos golos do futsal só têm é que aplaudir.

Se depois de amanhã a federação do Futsal não andar na linha e os altos quadros entenderem que é para desistir é para aplaudir ainda mais vigorosamente. 

É esse o espírito.

Esses 1% (PORTISTAS) são quase iguais aos dirigentes das Federações (NÃO PORTISTAS) das modalidades amadoras. Quase, porque não chegam à sua importância dado não terem qualquer poder ou voto na matéria quando se trata de encerrar.


Esta frase foi proferida por alguém que ficará na história do nosso clube:

"Para lá de todas as vitórias, de todos os títulos conquistados, de todas as taças em todas as modalidades, de todos os triunfos obtidos, quando nos pedem para nomear a vitória mais saborosa, é sem dificuldade que elegemos uma à qual todas as outras se subordinam: o orgulho de ser portista"

O orgulho de ser portista pode não desaparecer quando se encerra uma modalidade. Pode mesmo não ser possível continuar. 

O orgulho de ser portista fica posto em causa quando ser portista passa a ser irrelevante. Quem vive o Porto, quem sofre pelo Porto e corre pelo Porto nem é ouvido nem recebe uma explicação.

Roubaram-nos a vitória mais saborosa.

O Reinaldo Ventura foi ficando pelo orgulho de ser portista. Hoje, Reinaldo, se me estás a ler pensa bem na tua vida. 



Se voltares a ter “aquela proposta” olha para o Moncho, para o Stempin e para todos os outros. O facto de veres que o teu clube contrata jogadores em Junho não quer dizer nada. 

De Junho para Julho a Federação de Hóquei pode pisar o risco e ficam todos sem Emprego.

O Dragão ao peito que carregas significa pouco. Sem a labareda da gestão de activos é um Dragão condenado à extinção.

Para a próxima desiste e vai. Os 1% dos sócios vão-te compreender e respeitar. Nos 99% estão os “altos quadros”. Esses não querem saber. Não te preocupes com esses.


Olha pela tua vida. É o que todos estão a fazer.


Por: Walter Casagrade
Enviar um comentário
>