sábado, 7 de julho de 2012

Estórias com História: O Hexa, a Liga ou… os dois?








Nunca o disseram literalmente, mas ficou implícito em muitos discursos oficiais que o FC PORTO daquela época seria, acima de tudo, Europeu. Alguns comentadores televisivos, assumidamente PORTISTAS, confessaram um fraquinho pelo sexto título consecutivo e houve mesmo quem achasse um absurdo desinvestir no campeonato nacional. 





A confiança na equipa era, por outro lado, inabalável. Havia a opinião, unânime, de que o plantel era mais forte e, de uma maneira geral, todos consideravam que Fernando Santos tinha alguma coisa a ganhar com a saída de Zahovic. Afinal havia quem o substituísse e para melhor. De resto, árbitros, Boavista ou “os adversários do costume” não seriam obstáculo na senda… do Hexa.
O que os notáveis responderam às quatro questões colocadas:


LOURENÇO PINTO – Advogado, na altura comentador no programa “Jogo limpo”, da SIC


1ª) Qual deve ser a prioridade do FC PORTO, o campeonato ou a Liga dos Campeões?
R: O FC Porto nunca tem objectivos simples, mas sempre os de maior amplitude. Como tal, as suas estruturas pretendem não só a obtenção do título português como também o título de campeão europeu, afinal aquele para que se preparou. A época foi definida com esse objectivo

2ª) As aquisições resolvem problemas que o FC PORTO encontrou nas campanhas europeias anteriores?
R: Penso que o FC PORTO tem a melhor estrutura futebolística do país e que consolida a sua manutenção ou melhoramento antes do final de cada época. A sua estrutura de futebol programa não só as saídas do plantel como também a preparação da época seguinte. Os jogadores que saíram, quer por terminarem o contrato, quer por empréstimo ou ainda por terem sido vendidos, foram substituídos por outros de grande valor, que deixam o plantel sem lacunas. Todos os sectores estão em total harmonia.







3ª) A saída de Zahovic é superável?
R: A saída de Zahovic está naturalmente superada, porque nunca um jogador isoladamente fez claudicar a equipa do FC PORTO, que trabalha à volta e de forma subjacente ao colectivo. A equipa técnica soube obter soluções para essa saída. Aliás, como atempadamente soube suprir a saída de outro grande jogador, o Doriva, sem que o conjunto sofresse oscilações no seu desempenho.






4ª) Qual é o grande obstáculo no caminho para o Hexa?
R: O FC Porto tem tido, ao longo dos anos, os obstáculos naturais, que são os adversários Benfica, Sporting e agora o Boavista. Penso que o FC PORTO está estruturado para ultrapassar as dificuldades e obter o Hexa, com a mesma capacidade e valor com que contornou os obstáculos para conseguir o Bi, o Tri, o Tetra e o Penta.


PEDRO BAPTISTA – Na altura, deputado do PS e cronista de O JOGO

1ª) Qual deve ser a prioridade do FC PORTO, o campeonato ou a Liga dos Campeões?
R: Para o FC PORTO, o objectivo tem que ser sempre a vitória nas quatro competições em que entra, campeonato, Taça, Liga e Supertaça. Se tiver que haver selectividade, só acontecerá na parte final da época. Aspiro, desde há muito, voltar a ser campeão europeu, mas o objectivo Hexa é transcendente para qualquer, português ou europeu. Se tiver que haver uma escolha, se for absolutamente necessário, que seja Deus a fazê-la.

2ª) As aquisições resolvem problemas que o FC PORTO encontrou nas campanhas europeias anteriores?
Sim. Para preparar uma campanha europeia extensa é preciso um plantel que seja capaz de grande rotatividade e isso só é possível fazer com um grande número de jogadores de alta qualidade, de que o FC PORTO dispõe este ano. Não me parece que o viveiro das Antas tenha esmorecido, já que continua a haver na equipa um bom naipe de futebolistas vindo das escolas ou satélites. As aquisições também me parecem excelentes.






3ª) A saída de Zahovic é superável?
R: A saída de Zahovic não só é superável como já foi superada. O FC PORTO já mostrou que tem várias alternativas para aquela posição. Quando muda uma peça, todo o xadrez se adapta. Até me parece que a equipa consegue substituir o Zahovic com vantagem, seja qual for a escolha, dentro de três ou quatro opções possíveis.




4ª) Qual é o grande obstáculo no caminho para o Hexa?
R: São os adversários, todos os jogos, mas nem sempre os adversários são as equipas adversárias. Se, desta vez, forem apenas essas, conquistaremos com certeza o Hexa, e mesmo que haja mais alguns também acredito também acredito que chegaremos ao sexto título consecutivo. Esta época, espera-se que haja mais clareza na nomeação das arbitragens, que me parece a zona mais obscura – não a arbitragem, mas a nomeação. Infelizmente, a Liga nada fez para clarificar o sistema. Não é permitido ao presidente dos árbitros que escolha os jogos de risco, manipulando as nomeações a seu bel-prazer, que as coisas vão melhorar


PÔNCIO MONTEIRO – Economista, ex-vice-presidente do FC PORTO, e na altura comentador do programa “Jogo Falado”, na RTP

1ª) Qual deve ser a prioridade do FC Porto, o campeonato ou a Liga dos Campeões?
R: Penso que o campeonato é prioritário. É evidente que o FC PORTO tem sempre um espírito ganhador, mas devemos ter consciência de que a final da Liga dos Campeões é uma meta extremamente difícil de atingir, especialmente nos moldes em que a competição se realiza actualmente.

2ª) As aquisições resolvem problemas que o FC PORTO encontrou nas campanhas europeias anteriores?
R: A equipa é uma das melhores das últimas épocas. É verdade que saíram jogadores importantes, mas fizeram-se as necessárias aquisições e todas com qualidade. O plantel é equilibrado e tem jogadores que fazem a diferença. Se o FC PORTO tiver a sorte de não sofrer lesões que fragilizem a equipa, vai oferecer muitos êxitos aos seus adeptos esta época.







3ª) A saída de Zahovic é superável?
R: Zahovic era, incontestavelmente, um grande jogador, de craveira muitíssimo alta. Assistimos a exibições suas muito boas. O FC PORTO tinha consciência de que o podia perder e resolveu esse problema a tempo. No lugar dele pode jogar o Deco, que se vai revelar um grande jogador, maior ainda do que já demonstrou ser, mas há outros que podem ocupar muito bem essa posição, como o Drulovic, por exemplo





4ª) Qual é o grande obstáculo no caminho para o Hexa?
R: É o mesmo que o Penta. Quando foi do Tri, havia grandes obstáculos porque era uma barreira que o FC PORTO nunca tinha ultrapassado. Quando foi do Penta, os adversários mais directos levantaram grandes obstáculos porque era um marco nunca atingido. Agora, com o Hexa, é a mesma coisa. Têm sido anos de liderança incontestável. Quem acompanha os jornais desportivos percebe que, nesta altura, toda a gente aponta o FC PORTO como principal candidato ao título, porque é realmente uma equipa bem estruturada. As outras também estão melhor e sei que algum dia teremos que perder o campeonato, mas espero que demore muito tempo.


ANTÓNIO TAVARES TELLES – Jornalista, na altura comentador do programa “A Bola é Nossa”, na TVI

1ª) Qual deve ser a prioridade do FC PORTO, o campeonato ou a Liga dos Campeões?
R: Os dois, mas o campeonato nacional é muito mais provável, embora o próprio presidente do FC PORTO tenha reconhecido esse interesse especial pela Liga dos Campeões. É claro que as hipóteses de um título interno são bem maiores do que as de conseguir chegar à final da Liga dos Campeões.

2ª) As aquisições resolvem problemas que o FC PORTO encontrou nas campanhas europeias anteriores?
R: O FC Porto perdeu Zahovic, mas Drulovic pode fazer o lugar e Alessandro é muito bom jogador, e na verdade o ano passado só correu mal porque a equipa teve muito azar. No campo, não me parece que os adversários tenham sido melhores. Também é certo que o FC PORTO não tem o plantel de alguns clubes que disputam a Liga dos Campeões, mas ainda assim é um grupo excelente, que pode fazer uma época bem melhor do que as anteriores.







3ª) A saída de Zahovic é superável?
R: Obviamente que é. Na minha opinião, Drulovic é muito melhor do que Zahovic e preencherá a vaga sem quaisquer problemas. Há outras opções, mas seria talvez prematuro lançar um jogador tão jovem como o Ricardo Silva, colocando-lhe já essa responsabilidade às costas. Drulovic sempre gostou do lugar e há ainda o Rubens Junior, que é outro grande jogador – conheço-o bem – e pode actuar no flanco. O FC PORTO pode construir esta época uma asa esquerda muito forte.





4ª) Qual é o grande obstáculo no caminho para o Hexa?
R: Como sempre, obstáculos internos não haverá, e espero que a gestão do plantel se faça sem problemas. O Paulinho Santos poderá ficar de fora, porque o Peixe está muito bem, e, mais tarde ou mais cedo, o Aloísio terá que dar a sua vez. Certamente jogará menos do que o habitual, esta época. No plano externo, vamos ver como se porta o Boavista. Acredito sinceramente que vai ser outra vez o principal adversário do FC PORTO no campeonato nacional.
Fonte: Jornal "O Jogo"



Por: Nurutam
Enviar um comentário
>