domingo, 15 de julho de 2012

Futebol, Pré-Época: Évian 0 - 1 FC Porto (Crónica)









Não foi um bom jogo, mas foi um bom teste. O estudo correcto deste jogo poderá ser fundamental para a nossa caminhada.
O Évian tem bons predicados para esta nossa auto-avaliação. É uma equipa que defende à Uruguaia, ou seja, com número e com solidariedade e ataca à boa maneira francesa, rápido e vertical. É uma equipa competitiva e pontuada de alguns bons jogadores.






Defensivamente, de forma genérica, o FC Porto cumpriu os objectivos para este jogo. Existiram falhas individuais, notou-se a fraqueza das adaptações forçadas nas laterais, o desgaste com o decorrer do jogo foi notório e quando se procederam às substituições a coesão defensiva decaiu. Tudo aceitável se se considerar a fase da época, a carga de trabalho e as ausências forçadas do grupo.

Há aspectos que até são bem positivos. A pressão defensiva do FC Porto é boa, a organização nas bolas paradas defensivas tem sido bastante boa, mesmo após as substituições.

Onde o FC Porto revela maior deficiência é no processo ofensivo, mais concretamente, na construção do processo ofensivo. Falta criatividade, falta repentismo, falta assombro no ataque ao adversário e à baliza. A zona interior, o corredor central, destaca-se na pobreza de criação de futebol ofensivo. É uma situação que já não é nova no comando do Vítor Pereira.








Mais que qualquer transferência, mais que qualquer retorno de quem ainda não está a trabalhar com o grupo, a construção de jogo do FC Porto está à espera de uma transferência que só Vítor Pereira pode fazer: passar, em definitivo, James dos flancos para a zona interior. Até lá, a não ser que ainda chegue um jogador para essa função, o FC Porto será intermitente. A intermitência coincidirá com James estar em terrenos interiores (acende) ou no flanco (apaga).





Lucho já não consegue dar à equipa uma capacidade criadora constante e avassaladora naquela posição. É um jogador que não se esconde, mas também não procura o choque, o um para um, o arriscar. É um jogador de passe e cobertura táctica. O FC Porto precisa ali de um dínamo diferente, mais voltaico e mais nervoso.


Breves análises individuais:

Helton - Parou tudo o que lhe chegou. Parou e agarrou.

Djalma - Mais uma missão para o "não bem visto": lateral direito. Esticou o seu jogo em relação à partido contra o Servette. Jogou a bom nível durante 35 minutos. Nesse período, esteve bem acutilante pelo flanco e foi o melhor jogador em campo. Precisa de se libertar. Hulk arrisca e falha. Bem sei que o público não dá uma margem de erro coerente. A uns perdoa quase tudo, a outros quase nada. Mas não pode esconder-se nisso.

Mangala - Teve dificuldades. Maicon também as teve a defesa direito. Sereno também as tem, de quando em vez, quando é adaptado, mas lá levou a água ao seu moinho, o que demonstra a sua qualidade. Teve lances vistosos e outros onde errou o posicionamento e o momento de ataque à bola. É um jogador à beira da "explosão".

Otamendi - O habitual. Uma mistura muito própria de grandes cortes com falhas quase incompreensíveis. Nota-se que está mais à vontade com o futebol físico de Maicon. Precisa de ser mais sólido a defender.

Maicon - Quase imperial a defender e intratável no jogo aéreo. Um livre directo para mostrar a Hulk! O melhor em campo.

Fernando - Enquanto teve pernas não deu chances aos jogadores do Évian. Nota-se que Fernando quer jogar mais à frente, mais em cima do adversário, mas o restante meio campo do FC Porto não colabora. Encostam-se em demasia a Fernando e não arriscam mais sobre o adversário.

Defour - Fez um bom jogo. É impossível dizer o contrário. Até teve raros momentos de risco. Mas são tão raros que toldam uma avaliação correcta ao jogador. Abusa de um jogo minimalista que não é coincidente com a sua qualidade. Defour sabe e pode dar mais à equipa.

Lucho - É uma opinião. Todas as opiniões estão sujeitas à subjectividade do indivíduo que a emite. A cada dia que passa, a cada jogo que termina, Lucho é cada vez mais um 8. A sua despedida dos terrenos mais avançados, da "corda bamba" do risco ofensivo já foi iniciada há algum tempo. O FC Porto não pode depender de Lucho para aquilo que, cada vez mais, é contra a sua natureza e contra a sua maturidade no futebol.

James - No flanco é um prisioneiro. No eixo central é um tormento à solta. Vive entre estes dois mundos, qual submarino. Vem para zonas interiores e emerge, vai para o flanco o submerge, lá levantando o periscópio de quando em vez. O FC Porto precisa de James a tempo inteiro e não a tempo parcial.

Atsu - Mais vítima das circunstâncias que outra coisa. Os jogadores do Évian não são tão inocentes como os do Servette. Ter Mangala a acompanhar não é mesma coisa que partilhar o flanco com um defesa esquerdo de raiz. E a exigência vai sempre subindo. O talento está lá. O processo de crescimento é este e é assim.

Kléber - Continua a viver isolado com o pouco volume de jogo que lhe chega. Ainda assim, teve um lance de ponta de lança mal anulado por suposto fora de jogo. Está alegre no jogo.


Fabiano - Boa estreia. Será? Fabiano impressiona. Debaixo dos postes é soberbo. Falta-lhe é dar o passo em frente e ser guarda redes de um clube grande. Não pode socar ou fazer bloco (à voleibol) a todas as bolas que lhe chegam. Guarda redes de equipa grande tenta encaixar o máximo de bolas que puder. Garantir a posse de bola. Matar o lance e dar a bola à sua equipa. As suas saídas precisam de trabalho. Um guarda redes com a sua estatura está quase proibido de perder bolas pelo alto na sua pequena área.

Iturbe - Muito melhor que no último jogo. Mais solto e mais comunicativo com os companheiros. Precisa ainda de crescer. Tem que confiar mais no seu pique e no seu drible curto.

Janko - Um bom lance e uma lesão. O azar persegue.

Castro - Muita garra, muita disputa, muita labuta...falta meter talento.

David - Teve algumas dificuldades, mas cumpriu. Precisa de ganhar arcaboiço para aguentar melhor a posição no futebol sénior ao mais alto nível.

Mikel - Entrou faltoso. Nem toda a culpa pode ser assacada a si. O meio campo do FC Porto recuava muito e os jogadores do Évian aproveitavam o espaço para subirem. A sua inexperiência e falta de estatuto na equipa fez com que a sua resposta fosse tentar apagar todos os fogos logo à primeira tentativa. Voltou a dar bons indicadores.

P. Moreira - Está a fazer uma pré-época bem interessante. Disponível, astuto e dinâmico. Tem talento para mais. É um jogador muito técnico mas que mostra muito pouco dessa sua qualidade. Tal qual outros atrás referidos, não pode viver na fobia de arriscar.

Kelvin - Grande entrada em jogo. Sem James e com Iturbe já menos dinâmico, era o jogador que levava o FC Porto para a frente. Tem muito talento, veremos se terá cabeça para comandar o talento que tem.


FICHA DE JOGO

Evian-FC Porto, 0-1
Jogo de preparação
14 de Julho de 2012
Stade Bout de Lac, em Le Bouveret, na Suíça
Assistência: 4869 espectadores

Árbitro: Sandro Schrarer (Suíça)
Árbitros assistentes: Jean-Yves Wicht e Michael Luthi
Quarto árbitro: Lionel Tschudi

EVIAN: Laquait; Mbarki, Angoula, Cambon, Ehret, Lacou, Sorlin, Thomasson, MMadi, Bugne e Sagbo.
Treinador: Pablo Correa

FC PORTO: Helton; Djalma, Maicon, Otamendi e Mangala; Fernando, Lucho e Defour; Atsu, Kleber e James.
Jogaram ainda: Fabiano, Iturbe, Castro, David, Janko, Kelvin, Mikel, Pedro Moreira
Treinador: Vítor Pereira

Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Maicon (87m)
Cartão amarelo: Sagbo (16m), James (45m), Mbarki (48m)


Vítor Pereira: "Estou satisfeito com o desempenho colectivo”


Mais do que o resultado, Vítor Pereira mostrou-se satisfeito com a exibição colectiva que garantiu a vitória sobre o Evian. No final do jogo que encerrou o estágio do FC Porto na Suíça, Maicon, o autor do único golo, sublinhou a qualidade do trabalho desenvolvido ao longo de toda a semana.

VÍTOR PEREIRA: “Foi um teste difícil, frente a uma equipa bem organizada. Estou satisfeito com o desempenho colectivo. A equipa leva duas vitórias, zero golos sofridos e já um bom trabalho. O Jackson Martínez vai ter que trabalhar mais tempo com a equipa antes de poder jogar.”

MAICON: “Começámos e terminámos com o pé direito, fizemos um estágio muito bom. Agora é trabalhar ainda mais forte. Todos estes jogadores têm condições para jogar no FC Porto. O FC Porto está bem servido de defesas e bem composto cá atrás.”



Por: Breogán
Enviar um comentário
>