terça-feira, 22 de outubro de 2013

Rugidos…

aldeia


Golearam o Alba!?
Estes leões esfomeados
E não jogamos nada…
Vamos ser devorados?

Só confio no Patrício
Esse leão das quinas
Pr’aguentar o suplício
Nas mãos desses traquinas…

Eles andam esfaimados
E vão invadir a aldeia
Ai de nós, pobres coitados
Atacam em alcateia!

O macho ómega à frente
De peito aberto às balas
Se perdem, é indiferente…
Pois foi tudo uma cabala!

E se ficarem a cinco
Já fizeram o campeonato!
Bem jogaram, com afinco
Pr’o ano há novo acto!

Mas esfaimados como andam
Também as taças já contam!
O Alba, com oito espantam!
E no Jamor já amedrontam..

Bem sei qu’inda não é Natal
E o tempo frio já s’assoma
Mas c’o este leão tão brutal
Chegam à véspera, em coma!

O que já é um avanço
Tendo em cont’o arsenal
Nesse rugir, não é manso
Chega em quarto, ao carnaval!

E o Bruno, qu’é feroz
Já se preparara pr’o Dragão
O São Jorge temos nós!
Como vais vencer, c’o leão?

Não me faças rir, ó Bruno!?
Acalma a voz de bagaço
Cá t’esperamos c’o aprumo
Escusas d’estar com cagaço!

És homem da capital
Um líder de voz troante
És um leão, animal!
Tratamos-te c’um calmante…

Menos de três é derrota!
Tens esse desiderato…
Não te desculpes c’a batota
Se depois encheres o saco!?

Eu sei que é do teu ADN
Jogares com essa jactância
Se perderes, denomin’o gene
Classifica-o d’ignorância!

E mais uma semana a rugir
A arranharem os jornais
Lá vem o Bruno! A fugir!
Soltaram os bravos animais!

E a invasão já se concentra
Nessa ida à pequena aldeia
Tantos leões, que não s’aguenta!?
Parecem uma assembleia!

E rugem, rugem muito alto
Mesmo leões doutras cores
O de verde é a Contralto
E os de vermelho, os Tenores!

Estamos cheios de medo
Não conseguimos dormir
Hoje deitamo-nos mais cedo
Só para não vos ouvir!

Pois oito é muita fruta!
E frutos não é convosco
O Alba foi uma bela truta…
Domingo, comem entrecosto!

Venham, pois, pr’o banquete
E nem precisam de convite
Domingo, sobrará o croquete
Depois de comermos o Zénite!

E ainda que estejamos mal
E nisso a jogarmos pouco
O Dragão, gosta do animal
Que tenha um rugido rouco!

E aí se verá a limpeza
Alva, no gosto de quem recebe
Dois, serão de sobremesa
Só pr’o leão regressar mais leve…

Pr’a não falarem mal da recepção
Ainda se serve um Porto Vintage
Mas só no fim da refeição…
Pr’o não levaram como ultraje!

Venham de lá esses leões
Que nunca mais é Domingo!
Uma semana de ilusões…
Qu’esses pasquins vão rugindo!…

E ganhando ao distrital
C’o essa equipa de peso
Inchado, vem o animal
Só até Domingo…ileso!



 Por: Joker
Enviar um comentário
>