quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Passos Manuel 22 - 25 FC Porto - Bastou subir o ritmo


Em jogo da 9ª jornada do campeonato o FC Porto deslocou-se a Lisboa para defrontar o Passos manuel. Tal como esperado ganhou. Não foi dos melhores jogos efectuados pelo nossos atletas mas a vitória foi inquestionavel e com a consciência que bastaria acelerar para cavar um fosso maior. Com esta vitória o FC Porto regressa ao lugar cimeiro da tabela classificativa.

Obradovic fez uma alteração em relação ao 7 mais habitual. Miguel Sarmento de inicio. Não é a primeira vez que tal ocorre, é uma medida de protecção fisica do habitual titular Ricardo Moreira.

Assistimos a um mau início de partida pelas duas equipas. Muitos, demasiados até, ataques falhados. Para termos uma noção, nos primeiros 4 ataques da nossa equipa tivemos duas falhas técnicas e 2 remates para defesa do guarda-redes adversário. Aliás nos primeiros 7 minutos de encontro, apenas 1 golo nosso, marcado por Tiago Rocha.

Assim, sem surpresa, estávamos em desvantagem nesta altura (3 - 1). Para piorar um pequeno susto. Mick Schubert, a perseguir uma bola que saía pela lateral, magoou-se e teve de receber assistência médica. Felizmente, não foi nada de grave, continou em campo quase até ao fim sem mais problemas. Talvez pareça um exagero ter-lhe chamado um susto, mas com a malapata de lesões que temos tido, mal vemos um jogador caído é inevitável pensar "outra vez não!".

O nosso treinador não estava a gostar do desempenho e pediu um desconto de tempo pouco depois. Em boa hora o fez. No regresso tudo foi diferente. Bastaram pouco mais de 2 minutos e já nos encontrávamos à frente (4 - 5). Tiago Rocha com 2 golos e Mick Schubert com outros 2 foram os marcadores.

Nota-se pelos marcadores como era fácil conseguirmos situações de remate aos 6 metros. De facto, em grande parte das jogadas atacantes conseguíamos criar jogo para a nossa 2ª linha. Bastou acelerar um pouco o jogo. 

O marcador estava agora nos 10 minutos e começou uma troca que tem sido habitual esta época, a utilização em simultâneo de Daymaro Salina e Tiago Rocha, resultando assim que com o desenrolar da jogada fiquemos com 2 pivots declarados.

Esperava-se que o nosso clube, claramente superior, se distanciasse agora no marcador. Aconteceu isso mas não totalmente. Com facilidade e de forma rápida cavamos um fosso de 3 golos de diferença. Contudo, abrandamos de novo quando atingimos esta diferença.

O jogo estava lento para o nosso estilo embora entretido, o Passos Manuel dava a melhor réplica que conseguia. Estivemos grande parte deste primeiro tempo sempre com os tais 2/3 golos de diferença, muito por culpa de falhas ofensivas.

Uma observação que nada tem a ver com a equipa. Com o resultado em 12 - 10 tivemos 2 ataques seguidos com os nossos jogadores a escorregarem no mesmo sítio. Os árbitros (boa exibição) podiam ter interrompido o jogo.

As nossa falhas ofensivas continuavam e até pioraram nos últimos minutos. Assim, ao intervalo registava-se um empate a 12 golos.

O reínicio da partida trouxe mais do mesmo. Ritmo lento e desconcentrações no nosso ataque. Precisamos novamente de algum tempo para voltar a marcar, desta vez só à passagem do 5º minuto.

Os jogadores sabiam que bastaria imprimir um pouco mais de ritmo. Foi o que fizeram logo de seguida.

Uns minutos "à Porto" e 3 golos de diferença, Sarmento, daymaro e Ferraz a marcar.

Novamente após esta vantagem "desligamos" e retiramos o pé do acelerador. Muitos e muitos minutos se passaram e a vantagem rondava sempre os 3 golos, 13 - 16, 14 - 17, 15 -18. nem quando nos encontramos em vantagem numérica alteramos a toada de jogo. No final desses 2 minutos o resultado era de 17 - 20, perto dos 20 minutos deste 2º tempo.

Sabíamos que o jogo estava ganho, mas Obradovic reclamava com a equipa, não estava a gostar de tamanha descontração. Quando o treinador adversário pediu um desconto de tempo, o nosso treinador estava furioso com uma anterior jogada.

Como já tínhamos assistido antes, a "bronca" que Obradovic deu teve bons resultados. Nos 2/3 minutos seguintes, o resultado cresceu pela 1ª vez para 6 golos de diferença (17 - 23), com golos de Sarmento, Tiago Rocha e Hugo Santos que tinha entrado após esta paragem.

A 7 minutos do fim e com 6 golos de diferença, agora sim era possivel relaxar. A utilização dos mais jovens ia-se realizar apenas agora. Entraram João Moniz e Miguel Martins, dois jovens ainda com idade de junior. mais uma vez foi-lhes dada a oportunidade de crescer, de terem uns minutos.

Até ao fim do jogo ainda tivemos direito a outra paragem. A novidade é que não partiu de nenhum dos bancos mas sim por uma falha de energia, que deixou as zonas junto às balizas com fraca iluminação.

Temos de elogiar a postura do Passos manuel. mesmo a saberem que o jogo estava perdido, não baixaram os braços, pelo contrário. Apostaram numa marcação individual a todo o campo, aproveitando as poucas rotinas do 7 em campo na altura. Ainda conseguiram reduzir para apenas 3 golos de diferença até ao fim, um resultado mais justo para a equipa lisboeta.

No final 22 - 25. O campeonato irá agora sofrer um interregno para jogos da selecção. estamos numa sequência de vitórias mas esta pode ser uma paragem benéfica. Recuperar alguns lesionados, descansar os restantes de um grande desgaste de competição e treinar aspectos especificos, algo que o nosso técnico já tinha alertado precisar.



Equipa e marcadores:

Alfredo Quintana (gr), Gilberto Duarte (4), Wilson Davyes (1), Tiago Rocha (5), Mick Schubert (4), Miguel Sarmento (4) e João Ferraz (4). 
Jogaram ainda: João Moniz (gr), Miguel Martins, Daymaro Salina (2) e Hugo Santos (1).
Enviar um comentário
>