quarta-feira, 1 de agosto de 2012




Todos os jogos desta Liga são de tripla quer queiramos quer não, e este jogo frente à Oliveirense não será diferente.

Teoricamente uma deslocação a Oliveira de Azeméis é das mais complicadas para qualquer equipa, seja para aquelas que lutam pelos primeiros ou últimos lugares da tabela classificativa.







Até ao momento a nossa equipa "B" ainda não conheceu o sabor da vitória, contabilizando três empates e uma derrota, enquanto a Oliveirense nos jogos realizados em casa, levou a melhor sobre o Sporting "B" e Marítimo "B", ambos triunfos por 1-0.







A Oliveirense já esteve duas vezes próxima da subida, contudo em 2011/2012 a irregularidade foi maior, mesmo assim suficiente para terminar nos seis primeiros da classificação, o que é sempre de realçar, num trabalho concebido por Pedro Miguel de forma quase perfeita, só faltando a cereja no topo do bolo, ou seja, a subida ao escalão maior do nosso futebol.

Para esta época, a Oliveirense regista diversas alterações, no plantel, assim como a saída do seu carismático treinador, entrando num novo ciclo (João de Deus é o novo técnico), em que naturalmente o foco maior é o sucesso, seja no seu reduto como fora de casa, achamos que serão sempre uma equipa a ter em conta.

Não é de esperar um jogo muito vistoso a nível técnico, mas um encontro muito físico, muitas faltas e com poucos golos, com a Oliveirense jogando no seu habitual 4-3-3 (meio-campo esquematizado em 1+2) e na baliza surge o primeiro destaque nesta equipa, o jovem João Pinho que tem rubricado excelentes exibições e num ápice passou de terceiro a primeiro guarda-redes deste plantel.

Defensivamente, uma das surpresas no jogo com o Arouca prendeu-se com a utilização do capitão Laranjeira em detrimento do indiscutível Banjai, e que acabou por ser uma aposta falhada, até porque o experiente central acabou por estar ligado directamente a um dos golos do adversário.

Sendo assim, e caso Banjai recupere a titularidade, irá formar dupla com Diego, com as laterais a estarem entregues aos experientes Bruno Sousa e Chico Silva (irmão do ex-guarda-redes Jorge Silva), fixando-se Zé Pedro como trinco, jogando Rui Lima como médio interior esquerdo (continua com a classe do costume) e  Diogo na direita (poderá entrar Capela no seu lugar).

No sector ofensivo, o trio Avto (jogador a merecer atenção, dada a facilidade que tem em provocar desequilíbrios na faixa esquerda), Hélder Silva (Ivan Santos) e o ponta de lança Luís Barry, que depois de uma temporada apagada no Atlético, tem estado bem nestes primeiros jogos.

Quanto ao FC Porto "B", o goleador Dellatorre não pode ser utilizado devido a castigo. Comparativamente ao onze que entrou no passado domingo diante do Aves, não acreditamos em muitas alterações, contudo seria com bons olhos que veríamos um regresso do David Bruno ao onze, bem como a manutenção do médio Pedro Moreira. Sérgio Oliveira regressará à equipa após castigo. 


Por: Dragão orgulhoso
Enviar um comentário
>