sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Negócio da Treta






Com o negócio Roberto aprendemos que existiam milhões da Treta. 

Com o negócio Danilo se os milhões não são da Treta alguma coisa é.

O negócio Danilo a somar ao negócio Falcao é mais um dos enigmas do defeso.

Pelo que sabemos o negócio Danilo começou com um despique com o Benfica pela aquisição do passe.

O passe do Danilo tinha 3 proprietários: 37,5% do Santos, 37,5% do Grupo DIS e 25 % do América Mineiro










Para chegar ao destino cada clube seguiu por uma estrada. O Benfica optou por negociar o jogador com o Grupo DIS oferecendo 10 milhões de Euros pelo jogador.
O Porto seguiu a estrada Santos que dada a possibilidade que este tinha em exercer o direito de opção se veio a revelar bem sucedida.



Tendo o Grupo DIS aceitado a proposta do Benfica por 10 milhões o Santos viu-se obrigado a contratar os 37,5% do jogador que pertenciam ao referido grupo por 3.75 Milhões.

A partir daí  o Porto (ou mesmo antes) entra em acção e pagando um prémio de 3 milhões face à proposta do Benfica fecha a contratação do jogador Danilo por 13 milhões de Euros.

Relativamente ao timing da chegada do jogador o que soubemos pela boca do Presidente Pinto da Costa no dia 1 de Agosto ao Porto Canal foi o seguinte:

“No que toca ao timing de chegada do Danilo, dada a necessidade de concretizar de imediato essa conversação, esse assunto não ficou bem claro e poderá eventualmente só vir em Janeiro.”

Vamos à  minha parte. À forma como leio o que foi dito e escrito e naquilo que acredito ou não.

Danilo no Santos




Não acredito que um clube feche um negócio, por muito urgente que seja, sem definir com precisão se o jogador vem em Agosto ou Janeiro. Não ficou claro? Claro que ficou.







Se os intervenientes no negócio – sim, aqueles que clarificaram e autorizaram uma comissão de intermediação de 3,1€ milhões – compram um determinado direito sem definir em que momento ele é exercido estão basicamente a adquirir ar e vento.


A minha leitura é a de que ficou definido na altura que o jogador viria na data X e que uma eventual alteração do prazo condicionaria o valor da operação financeira.

Admitindo que a minha análise é errada e que com a pressa de fechar negócio (ups!) ficou por definir o momento em que o Danilo viria conforme afirmação do Presidente temos que nos centrar no fim da frase:

“…poderá eventualmente só vir em Janeiro”.

Ora, acreditando que não se sabia ao certo a data (alguém acredita??) pelo menos tínhamos a certeza que era ATÉ Janeiro.

Será?


No dia 20 de Julho de 2011 no facebook da Família Santista sai a seguinte noticia:

Danilo


“No site oficial, o Porto divulgou um comunicado dizendo que acertou com o Alvinegro o valor de 13 milhões de euros (aproximadamente R$ 28 milhões) para ter Danilo. Porém, a transação ainda não está confirmada.
A condição do Peixe para aceitar a venda é  de que o volante fique até o fim do ano, para a disputa do Mundial de Clubes. Caso o Santos seja derrotado na competição, ficaria com Danilo até o meio do ano que vem. Em caso de título, o jogador sai mesmo em Janeiro.”

Ainda antes do Presidente Pinto da Costa dizer que não tinha ficado claro porque era preciso fechar o negócio a Família Santista dizia que a condição para a venda passava pela possibilidade da disputa do Mundial de Clubes e, pasmem-se, uma eventual derrota implicava que a pressa para fechar o negócio casasse com a paciente espera de o ver cá jogar.





Há mais:


No dia 24 de Agosto de 2011, na mesma página da Família Santista, lemos o seguinte:

“Quando anunciou a venda do lateral-direito Danilo para o Porto-POR, a diretoria do Santos afirmou que o jogador ainda disputaria a Taça Libertadores de 2012 antes de ir para Portugal, caso o Peixe não conquiste o Mundial de Clubes, em dezembro. Ou seja, ele poderia seguir atuando pelo clube da Vila Belmiro por quase um ano, mesmo vendido. Nesta terça-feira, porém, o jogador afirmou que seu vínculo com a equipe santista vence em dezembro, independentemente do resultado do torneio no Japão.
Danilo explicou que, de fato, existe no contrato uma cláusula que dá  ao Santos a opção de esticar a permanência do atleta. No entanto, ele afirma ter entrado em acordo com os dirigentes para ir embora em dezembro de qualquer maneira. Quando recebeu a proposta oficial do Porto, de € 13 milhões (aproximadamente R$ 30 milhões na cotação desta terça-feira), a direção do Peixe conversou com Danilo e manifestou o desejo de mantê-lo. O jogador se comprometeu a permanecer desde que a diretoria o liberasse em janeiro, com ou sem título mundial. Segundo o ala, é o que vai acontecer.
- Eu sou um cara que valorizo a minha palavra. Tenho um acordo verbal com a diretoria. Como sempre fui correto e honesto, não vai haver problema nenhum, pois tudo já foi conversado antes. Fico até dezembro - afirmou.”

Danilo


Volta a história da vitória no Mundial e pelo que aqui está escrito percebemos que quem acautela os interesses do Porto no negócio é o próprio Danilo que faz um acordo verbal com a diretoria. Verbal, repito. Ele fica até ao Mundial e o Santos libera-o a seguir.

Por escrito só temos a clausula. A clausula que diz que se o Santos perder com o Barcelona o Porto fica a ver navios. Só em Julho de 2012.

O Porto paga os 13 milhões para ter algo. Contratualiza e quer fechar rápido o negócio.






Tão rápido que aceita as clausulas que forem precisas (que tal esperar que o Danilo se sagre Bola de Ouro da FIFA??) e paga o que for preciso aos intermediários no negócio.

O resto – Danilo a jogar no Dragão – não importa clarificar. O melhor mesmo é confiar numa conversa de café do Danilo e do Presidente do Santos enquanto assinamos o cheque.
Quem lesse estas histórias em Julho e Agosto dizia que o Carnaval no Brasil era o ano inteiro.

Chegamos a Janeiro. Danilo mete-se num avião, dá entrevistas no PortoCanal.

O Presidente do Santos está, tranquilamente, a banhos. O que se lê por aqui:

“O FC Porto está a perder a paciência com o Santos por causa do Certificado Internacional de Transferência de Danilo e já estipulou o prazo limite para que o clube brasileiro envie a documentação necessária para a utilização do lateral direito na Europa. Caso o Santos não envie a documentação que autoriza a transferência do lateral direito 17 de Janeiro, o FC Porto vai apresentar uma queixa junto da FIFA e exigir uma indemnização.”

Danilo, Apresentação

Quem manda vir um jogador que já está pago, treina e está pronto para jogar só tem que fazer valer os seus direitos. É assim mesmo!!

O Santos manda a documentação? Não.

Apesar do passe do Danilo estar todo pago, existem dividas do passe do Alex Sandro e o contrato permite que o Danilo fique mais meio ano porque o Barcelona ganhou ao Santos.

Dois milagres ocorrem aqui. Um é o Barcelona ganhar ao Santos. O outro é o de o Porto dever dinheiro ao Santos de um jogador que comprou ao Desportivo Maldonado.



O Porto o que faz? A SAD reúne-se de emergência e entre a queixa à FIFA e o empréstimo do Fucile opta pela cedência do uruguaio.
Ao que parece a gravação do acordo verbal entre o Danilo e o Presidente do Santos em que os interesses do Porto ficaram defendidos ao pormenor não  é suficientemente perceptível. Como foi à mesa de café  há demasiado ruído de fundo.

A novela Danilo acaba com este comunicado:





“O presidente Luis Alvaro, do Santos FC, e o diretor Antero Henrique, do Porto, de Portugal, acertaram, na tarde desta terça-feira (17), por telefone, a liberação do TMS (Transfer Matching System) do atleta Danilo para o time português e o empréstimo por um ano, sem custos, do lateral Jorge Fucile para o Santos.”







A minha pergunta:

A pressa em fechar negócio era para quê mesmo?

Para ver o Danilo jogar de azul e branco já vimos que não. Se não qual era a pressa?




Por: Walter Casagrande
Enviar um comentário
>