domingo, 16 de novembro de 2014

Os elos mais fracos do atual FCP

#FCPorto

Este ano, tendo em conta a má prestação em termos desportivos e financeiros do ano anterior, o FCP viu-se obrigado a traçar novos rumos e planos, no sentido de dar uma nova imagem e filosofia de gestão desportiva ao seu percurso vitorioso dos últimos anos.

Já por estas bandas o disse, e continuo com a mesma opinião que Lopetegui foi uma boa escolha do nosso presidente para iniciar um novo ciclo de vitórias do FCP, mesmo sabendo que o seu curriculum não lhe confere muitas valências em termos de competências técnicas e táticas, mas também já não é a primeira vez que assim sucede no clube com excelentes resultados com treinadores até então desconhecidos, e que posteriormente vêm a fazer história no mundo do futebol, foi assim com o atual selecionador nacional, Fernando Santos, o special one, José Mourinho, e o seu antigo adjunto, Villas-Boas, são exemplos paradigmáticos deste raciocínio.

Todavia, por uma razão ou qualquer outra, por vezes as coisas nem sempre correm bem de início, sendo preciso dar algum tempo aos treinadores para conhecerem melhor o clube, os jogadores e todas as incidências da nossa Liga que é sempre fértil em casos de dualidade de critérios na arbitragem, e que este ano, ao contrário de outros, são os árbitros auxiliares os protagonistas dos jogos, como se viu na última jornada na Madeira no jogo entre o Nacional e o Benfica.

Voltando a Lopetegui, continuo a dizer que me agrada sobremaneira o seu discurso lato, explícito e perpetuado numa constância de união de grupo e visão consistente do que realmente pretende construir e introduzir no clube, todavia, como tudo na vida não há bela sem senão, e Lopetegui que parecia que estava no bom caminho ao consolidar uma equipa tipo que precisa de criar rotinas e mecanismos de jogo para evoluir, resolveu mais uma vez borrar a pintura toda, alterando mais uma vez o estilo de jogo e sendo um dos elos mais fracos em termos de ordem tatica, diminuindo com isso o poder no meio campo onde o FCP sempre foi forte e convincente como se viu em Bilbau, e que na minha opinião foi a melhor exibição deste ano em toda a linha.

O outro elo mais fraco da equipa, e que certamente muitos de nós estaremos de acordo é Adrian Lopes, reforço que veio rotulado de craque do Atlético de Madrid, tido como o jogador mais caro contratado esta época e que até a esta altura tem sido um autêntico flop, não conseguindo trazer nenhuma mais-valia à equipa, antes pelo contrário, quando lhe é dada uma oportunidade a equipa ressente-se e não consegue colocar em prática algum futebol de bom nível que já conseguiu a espaços, e que eu apesar de tudo ainda acredito que melhores dias virão, pese embora a forte possibilidade de ficarmos por algum tempo sem o Bhrahim, um jogador que tem feita a diferença pela positiva com jogadas e assistências de alto nível, e que num futuro próximo irá trazer ao clube um bom encaixe financeiro.

 Por: Natachas
Enviar um comentário
>