segunda-feira, 24 de novembro de 2014

O perdão

#FCPorto #Benfica #Joker


Só por duas razões
Sai o Vítor Pereira da toca:
S’o Benfica mostr’a “batota”
E o obriga a declarações

Ou s’o Proença denuncia
A sua gestão d’arbitragem
E nisso fic’a imagem
Da liderança vazia…

Pois lá declara
Tão a propósito!?
Qu’o erro é lógico
E a regra clara!

Pois se nos embates
Dos jogos grandes
Não houve flagrantes(!?)
Erros, nos empates!?

Em Guimarães, em Alvalade
Erros cruciais
Por si tão “normais”
Não tiveram maldade!?

Foi o Valter Rufo
Foi o Benquerença…
Há nisto parecença?
Há nisto abuso?

Não, é o erro “normal”
Pois não influenciou
E o jogo acabou
Como começou, tudo igual!

É esta a lógica
Do Presidente dos árbitros
Desculpando os “estrábicos”
Por errar coisa módica!

Em outras partidas
Há erros inversos!
São erros complexos
Pr’a travar as subidas…

Qu’o dig’a o Rio Ave
No jogo da Luz
Ond’o Samaris, em cruz
Ceifou como sabe?

E viu o amarelo
Pois não é o Maicon!
E é pois de bom tom
Um grego sabê-lo!

Nesse historial
De gregas entradas
Cortand’as jogadas
Partindo, sem mal…

E os fora-de-jogo
Tirados a olho?
Na linha de fogo
A três metros do logro?

Por intuição
Marcou o assistente
Adivinhando a tangente
Desenhada na “televisão”!

Ou o “pé em riste”
Do jogador do Nacional!?
Outro erro normal…
C’a Paixão não resiste!

Ou o jogo do Estoril
Ond’o artista do Enzo
Em tudo bateu, e em suspenso
Expulsou por ardil?

Ou na entrada a matar
Ao atleta do Moreirense
Tudo feito, com ênfase
Pois não podia “travar”…

E o golo do Boavista
Anulado por off-side?
É normal, pois em braile
Lê-se golpe-de-vista!

E o pénalti do Lima
Sobre os Cónegos?
É dos cómicos
Pois até rima!!

E ontem na Taça
Novo pénalti “não visto”?
Vem cá baixo, ó Cristo!
Que ser cónego, não basta!

É tant’a normalidade
Que se vive n’arbitragem
Que lá fora, a clivagem
Resulta desta verdade!

Pois qu’habituados
A esta excelência
Qualquer outra ocorrência
Os deixa derrotados…

Que por cá, o “normal”
Chega para vencer!
Mas lá fora, perder
Já é sobrenatural…

“Não os deixam jogar”!
“Não os deixam vencer”!
E no “erro”, perder
É “saber” perdoar!?


Por: Joker
Enviar um comentário
>