quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Bate Borisov 0-3 FC Porto - Primeiro lugar garantido!



O jogo não se afigurava um passeio. É certo que o adversário era o mais frágil do grupo e ter a passagem garantida à próxima fase poderia retirar alguma pressão à equipa e tornar o caminho para a vitória mais fácil.

Mas quer o estado (já esperado) do relvado, quer a vontade de não sofrer (mais) golos do Bate adivinhava um jogo de paciência tentando fazer vir ao de cima as nossas qualidades individuais e coletivas.

Com poucas mudanças no onze, Marcano, Óliver e Quaresma foram escolhas normais para quem quer privilegiar a posse de bola e não tanto os passes em profundidade, devido ao esperado bloco baixo dos bielorrussos.

Sempre com mais bola e a tentar variar o mais rápido possível o centro de jogo, a 1ª parte foi de persistência, mas receber a bola aos repelões não nos ajudava. Pelo contrário, permitia ao Bate recuperar posições mais rapidamente e condicionar a nossa troca de bola.
Tarefa difícil para os nossos atacantes, que quando tinham a bola em condições decentes eram logo rodeados por 2 ou 3 bielorrussos.

Sem lances de grande perigo de ambos os lados, rapidamente se percebeu que o Bate só iria aparecer perto de Fabiano caso perdêssemos a bola em zonas proibidas, porque o processo de construção deles era quase inexistente.

Pedia-se um pouco mais de intensidade, arriscar um pouco mais na pressão à procura da 2ª bola porque o relvado/parede com bocados de relva não ia melhorar, tínhamos que ser mais proactivos. Manter a defesa atenta e aumentar a rotação no meio-campo, puxando o Casemiro e o Herrera para zonas mais avançadas do terreno.

Acabou por vir ao de cima a nossa qualidade técnica muito, mas muito, superior.

O nosso meio-campo respondeu às necessidades. Com Herrera em clara evidência, mas com um Casemiro cada vez melhor a recuperar bolas (precisa de melhorar no passe curto) e um Óliver sempre pronto a oferecer linhas de passe.

O primeiro golo surge de uma recuperação de bola e é um remate que define o nosso jogo. Prático, eficaz, mas sempre com belo efeito.
A partir desse momento, a estratégia do Bate caiu por terra.
Viraram-se uns para os outros: “E agora? Como é que se ataca?”

O Porto aproveitou este desnorte da equipa do Leste para rapidamente marcar ainda mais território e fazer o segundo golo que acabou definitivamente com o jogo. Toda a gente sabia que o Bate não dava para mais, até os próprios.

O tempo foi passando (sempre com bons pormenores técnicos da nossa parte), até que Tello aproveita o último passe de génio de Herrera para carimbar o resultado final. Mais 3 pontos, um milhão de euros para os cofres e um resultado que acabaria por garantir o excelente 1º lugar no nosso grupo (depois da vitória do Bilbao em Lviv). FC Porto, Chelsea e Bayern, as únicas equipas, para já, que se podem gabar deste feito.

Na Champions League a eficácia é a melhor arma.
Só mostra um nível competitivo muito elevado e experiência internacional. À FC Porto.


Análises individuais:

Fabiano: Um espectador. Ajudou na circulação de bola.

Danilo: Sempre seguro defensivamente e pronto a subir para apoiar o Quaresma, fez mais um jogo de vaivém. Cumpriu.

Indi: Muito seguro nas suas intervenções, é cada vez mais o patrão da defesa.

Marcano: Apenas teve um sobressalto quando fez uma falta perigosa à entrada da área ainda na 1ª parte. Tal como o parceiro do centro da defesa, não mostrou dificuldade para resolver os (poucos) problemas durante o jogo.

Alex: Menos interventivo do que o Danilo no panorama ofensivo, também não comprometeu defensivamente.

Casemiro: Cada vez a jogar melhor, a recuperar mais bolas e com mais confiança. Tem muita precisão nos passes longos para variar o jogo, mas tem que melhorar a assertividade nos passes curtos.

Herrera: MVP. Correu, jogou e fez jogar. Tanto o golo como as duas assistências são geniais (assim como o passe que Brahimi retribuiu antes de Jackson faturar). Fundamental no nosso estilo de jogo. Que continue assim.

Óliver: Sempre com pormenores de craque, ofereceu linhas de passe e tentava conduzir a bola para áreas mais avançadas do terreno. Sabe constantemente o que fazer à bola ainda antes de a receber.

Brahimi: Jogo de luta e persistência, tentando fugir à (super) marcação adversária. Bom passe para o Herrera no lance do 2º golo e saiu para gerir esforço.

Quaresma: Tentou muito, conseguia ganhar quase sempre o 1 para 1, mas o relvado pregava-lhe sempre uma partida na altura que ia tirar o cruzamento. Saiu de jogo quando já estava a baixar de rendimento.

Jackson: Muito lutador, sempre a “bater” nos centrais contrários e a procurar vir buscar jogo atrás. Mais um golo para a sua conta, 5 golos em 5 jogos!


Tello: Entrou para tirar partido da sua velocidade quando o Bate já não estava com marcações tão apertadas e correspondeu. Bela finalização a responder ao passe fabuloso do Herrera.

Ádrian: Toda a gente gostava que ele tivesse marcado hoje, é importante elevar os níveis de confiança a este jogador, que qualidade não falta. Que seja contra o Rio Ave!

Quintero: Com tão poucos minutos de jogo, ainda conseguiu mostrar a imensa qualidade técnica que tem nos pés.



Ficha de jogo:
Bate Borisov  0-3 FC Porto
UEFA Champions League, Grupo H, 5.ª jornada
Terça-feira, 25 Novembro 2014 - 17:00
Estádio: Borisov Arena

Árbitro:Ovidiu Alin Hațegan (Roménia).
Assistentes: Octavian Sovre e Sebastian Gheorghe; Alexandru Dan Tudor e Sebastian Costantin Coltescu (adicionais).
Quarto Árbitro: Radu Ghinguleac.

Bate Borisov: Chernik, Olekhnovich, Gayduchik, Tubić, Mladenović, Volodko, Yablonski, Karnitski, Gordeychuk, Rodionov, Volodko.
Suplentes: Soroko, Aleksievich (72' Mladenović), Signevich (75' Rodionov), Pavlov, Baga (67' Karnitski), Polyakov, Yakovlev.
Treinador: Aleksandr Yermakovich.

FC PORTO: Fabiano, Danilo, Martins Indi, Marcano, Alex Sandro, Casemiro, Herrera, Óliver Torres, Quaresma, Jackson Martínez, Brahimi.
Suplentes: Andrés Fernández, Maicon, Quintero (90' Jackson Martínez), Tello (71' Quaresma), Adrián López (83' Brahimi), Rúben Neves, Vincent Aboubakar.
Treinador: Julen Lopetegui.

Ao intervalo: 0-0.
Marcadores: Herrera (56'), Jackson Martínez (65'), Tello (89').
Disciplina: Marcano (10'), Gayduchik (41'), Olekhnovich (45'), Yablonski (61')



Por: Dragão14
Enviar um comentário
>